Zimbábue: sentença de prisão suspensa por canções gospel consideradas antigovernamentais

“Senhor, liberte-nos, estamos cansados ​​de tanta pobreza”: 34 fiéis apostólicos no Zimbábue foram condenados a penas suspensas de prisão por cantarem canções gospel consideradas antigovernamentais na rua, soubemos na quarta-feira com seu advogado.

Os membros da igreja Mirirai Jehovha, também pertencentes ao pequeno partido da oposição Zimbabwe Transformative Party (ZTP), foram condenados na terça-feira por um tribunal da capital Harare a uma pena suspensa de três meses de prisão mediante o pagamento de uma multa equivalente a 32 euros cada.

"Podemos recorrer", disse Evans Moyo à AFP.

As 34 pessoas, a maioria mulheres jovens, estiveram atrás das grades por quatro meses antes do julgamento.

Em julho, vestidos com longos e coloridos alpes, os crentes marcharam pelas ruas de Harare, orando a Deus em canções para acabar com a pobreza. Segundo as autoridades, obstruíram a via pública e recusaram-se a obedecer às ordens da polícia.

Eles foram condenados por “incômodo criminoso”.

O Zimbábue tem sido atormentado por anos por uma economia moribunda, pressionada pela inflação galopante, cortes de energia endêmicos e pobreza flagrante.

Algumas igrejas apostólicas do país, que atraem milhões de seguidores prometendo curá-los e livrá-los da pobreza, são consideradas seitas.

Kanyenzura Parere, líder do ZTP e bispo da igreja Mirirai Jehovha, também preso em julho, permaneceu atrás das grades. Ele será julgado por acusações adicionais, acusado de perturbar a ordem pública.

O presidente Emmerson Mnangangwa, que sucedeu Robert Mugabe no poder por 2017 anos em 37, prometeu virar a página do autoritarismo. Mas ele é regularmente acusado de amordaçar qualquer voz dissidente nas eleições gerais de 2023.

O Conselho Editorial (com AFP)

Crédito da imagem: Shutterstock/ Hyotographics

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.