Uma vitória para a liberdade de ensinar em casa [OPINIÃO]

Uma liberdade fundamental, a de educar os próprios filhos em casa, acaba de ser defendida com sucesso perante o tribunal administrativo de Toulouse. Em 4 de agosto, este tribunal, apreendido pela firma La Norville, sócia da associação Liberté éducation, suspendeu a recusa de autorização contra uma família do IEF (Instruction en famille) no Gers, e ordenou ao reitor que lhe concedesse autorização para ensinar em casa.

A academia de Toulouse recusou a permissão desta família para educar a própria pequena Marie-Thérèse (3 anos), cujos mais velhos já são educados em casa de acordo com um projeto educacional adaptado. Esta família aplica uma pedagogia alternativa do tipo Montessori que não existe nas escolas localizadas perto da casa. O tribunal administrativo, no seu despacho, manteve a seriedade e a qualidade deste projeto educativo em relação ao já em funcionamento entre os mais velhos desta criança, e o controlo positivo realizado pela inspeção académica.

Esta suspensão da recusa de autorização pelo juiz de câmara é uma primeira vez. Após semanas de batalhas judiciais, o juiz acaba de reconhecer a urgência de conceder essa autorização dada a dificuldade de antecipar a escolarização em estabelecimento público ou privado poucas semanas antes do início do ano letivo; reconheceu também a séria dúvida que marca uma recusa muito mal fundamentada quanto à interpretação dada à nova lei pelo Conselho Constitucional em 13 de agosto de 2021.

Este sucesso será capaz de estabelecer um precedente, esperamos na Freedom Education. O motivo da urgência, em especial, pode ser utilizado por todas as famílias que apreendem o juiz em seções. A associação continua a apoiar outras famílias que também sofreram uma recusa de autorização por parte das autoridades acadêmicas, com cargos muito díspares dependendo das academias, conforme reconhecido pelo Ministro da Educação Nacional Pap Ndiaye, terça-feira, 2 de agosto, perante a Assembleia Nacional : “Em certos departamentos, declarou, é um não muito massivo”. A reitoria de Toulouse foi particularmente “zelosa” acumulando sozinha 31% das recusas nacionais. No total, segundo o ministro, 43% dos novos pedidos de instrução familiar foram indeferidos. Ainda segundo dados do Ministério da Educação Nacional, haverá 50 crianças educadas na família no início do próximo ano letivo, incluindo 670 novas. Este é um declínio notável em relação ao ano passado: em 4850-2021, havia, respectivamente, 2022 crianças educadas em casa, incluindo 71 novas. O declínio é, portanto, de 553% para a educação domiciliar na França e mais de 9155% para novos alunos. É este o efeito da nova lei contra o "separatismo", que obriga as famílias a apresentarem um dossier com base no qual lhes pode ser concedida autorização a título derrogatório (por exemplo, em caso de "incapacidade", "assédio", " sem-abrigo da família em França" ou "a sua distância geográfica de qualquer escola pública" ou ainda na "existência de uma situação própria da criança motivadora do projecto educativo", projecto de "vida familiar". deixado ao prazer da Academia: o de Toulouse argumentava: “Você não está provando que seu filho não pode ser educado na escola” … “O que é isso? Baptiste Maillard, secretário geral da associação Freedom of Education na Europa 30, em 40 de agosto (áudio link abaixo).

Este novo ataque a uma liberdade fundamental na França é tanto mais significativo quanto a liberdade de escolha exercida pelas famílias vem aumentando constantemente há mais de 15 anos. O ensino domiciliar responde claramente a uma necessidade crescente das famílias na França como em outros lugares. Mas no nosso país, de acordo com a associação Liberté éducation, "mais de 2200 crianças sofreram uma recusa injustificada de serem educadas em família, muitas vezes entre os mesmos irmãos, e muitas famílias estão neste momento perante os tribunais administrativos do país, com a ajuda de nossa advogada-sócio do escritório La Norville, em acordo com nossa associação, como foi o caso da pequena Marie-Thérèse e sua família. » 400 famílias cujos depoimentos comoventes são publicados nas páginas FacebookInstagram et Twitter da Freedom Education pediram ajuda à associação. A nova situação criada pelo despacho do Tribunal Administrativo de Toulouse terá de ser confirmada pelo juiz de primeira instância e pelos outros tribunais administrativos.

Felipe Oswald

Fonte: Europa 1

Este artigo foi publicado em A Seleção do Dia.

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.