Ucrânia: Segundo a ONU, aumentam as denúncias de violência sexual cometidas por tropas russas

Pramila Patten, Representante Especial do Secretário-Geral para Violência Sexual em Conflitos Armados, denunciou na segunda-feira a multiplicação de denúncias de violência sexual cometidas por tropas russas na Ucrânia. Ela lamenta a “disparidade gritante” entre a realidade no terreno e os compromissos assumidos pela comunidade mundial para proibir o uso do estupro como arma de guerra.

À medida que a guerra na Ucrânia ultrapassou a marca de 100 dias na sexta-feira, as alegações de violência sexual perpetradas por soldados russos estão aumentando, segundo o jornal. Pramila Patten, Representante Especial do Secretário-Geral para Violência Sexual em Conflitos Armados.

Falando ao Conselho de Segurança da ONU na segunda-feira, Pramila Patten falou de sua recente visita ao país devastado pela guerra, dizendo que observou "o abismo" que existe entre as "inúmeras resoluções do Conselho - respaldadas pelo direito internacional - que proíbem o uso da violência sexual como táctica de guerra” e “a realidade no terreno para os mais vulneráveis”.

“Infelizmente, a minha visita evidenciou a lacuna que ainda existe entre a aspiração de prevenção expressa por este Conselho através do sólido quadro normativo que foi estabelecido ao longo da última década, e a realidade no terreno para os mais vulneráveis. »

Segundo a ONU, até 3 de junho, a equipe de monitoramento do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) recebeu relatos de 124 casos de suposta violência sexual cometidos no contexto da guerra na Ucrânia.

Principalmente “mulheres e meninas”, embora alguns casos também digam respeito a “homens e meninos”.

Vários testemunhos foram obtidos graças ao estabelecimento de uma “linha nacional sobre violência doméstica, tráfico de seres humanos e discriminação de gênero”.

Eles revelam atos de grande brutalidade que vão desde “estupro coletivo à coação, onde parentes são obrigados a assistir a um ato de violência sexual cometido contra um parceiro ou uma criança”.

Diante dessa emergência, Pramila Patten pediu aos atores humanitários que priorizem o apoio às sobreviventes de violência sexual e ajam sem demora.

"Um campo de batalha ativo nunca conduz a uma 'contabilidade' precisa [...] se esperarmos dados e estatísticas concretos, sempre será tarde demais", disse ela, acrescentando que "não precisamos de dados concretos para uma resposta humanitária reforçada, nem que todas as partes implementem medidas preventivas”.

Ela também detalhou as disposições de um quadro de cooperação recentemente assinado para combater esses crimes, dizendo que "ajudará a fortalecer a cooperação entre aqueles que lutam e deter a violência sexual na Ucrânia".

Camille Westphal Perrier

Crédito da imagem: Shutterstock.com/Drop of Light

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.