Trocar embrião de menina de “boa qualidade” por embrião de menino: Você não está sonhando ... Este anúncio é real

“Ovum: italiano / esperma: inglês, irlandês que estudou em Yale”. Em meio ao debate sobre a abertura da reprodução assistida na França, um pequeno anúncio postado em uma página do Facebook dedicada à fertilização in vitro, está causando um rebuliço no Atlântico.

Lisa se apresenta como uma atriz de 37 anos. Ela e o marido já têm um filho de 5 anos de FIV. Desejam ampliar a família com um segundo filho, de preferência menino, é escolha do irmão mais velho. Infelizmente, o embrião que eles mantêm desde a primeira FIV é uma menina. Tanto faz ... A troca de embriões agora parece para eles uma solução aceitável.

“Olá, há três anos tentamos dar ao nosso filho um irmão mais novo, queremos completar a família com um menino. Temos um embrião filha de boa qualidade. Quem estaria interessado em uma troca? [...] estou fazendo isso pelo meu filho. Meu marido cresceu com irmãs e também quer um menino. É assim que queremos completar nossa família. "

NYPost diz que a jovem mãe invoca restrições econômicas para justificar sua abordagem. A vida em Nova York é cara. As roupas passariam de um irmão para outro. Os rapazes partilhavam o mesmo quarto e a família deixava de ser obrigada a pagar os 1000 euros anuais pela conservação do embrião feminino.

Em um novo artigo, o jornal anuncia que o casal teria recebido propostas de todo o mundo e seu projeto poderia muito bem ter sucesso.

o sítio Genética no entanto, especifica que "a compra e venda de embriões são ilegais nos Estados Unidos".

Diante de tais abusos públicos e das novas medidas anunciadas no contexto da revisão da lei de bioética na França, só podemos nos juntar às fileiras de cientistas, intelectuais e políticos que temem uma crescente mercantilização do estar vivo.

HL

Captura de tela: NYPost

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.