Transhumanismo: o fim da Mulher?

Utopia está em andamento, logo um útero artificial?

LO século XX virou a família de pernas para o ar, a contracepção moderna tornou possível se livrar das leis biológicas e liberar opções para a construção da vida familiar. As técnicas de fertilização também criaram novas maneiras de conceber filhos. O século XXI pode ser um século de novos avanços nos processos de fecundação, ectogênese, ou seja, fecundação fora do útero materno. Ectogênese, uma técnica de fertilização cuja porta estava entreaberta com a fertilização in vitro, abrindo novas perspectivas sociais para os humanos. Periodicamente, a humanidade ao se buscar, se reinventa, se desconstrói e produz um mundo cada vez mais artificial, desumanizador, desconectado da realidade.

“A distinção progressiva entre sexualidade e taxa de natalidade”.

Aldous Huxley, autor do livro 'Admirável Mundo Novo', escreveu no segundo prefácio de seu livro escrito em 1932:

“Em suma, parece que a Utopia está mais perto de nós do que qualquer um poderia ter imaginado, apenas quinze anos atrás. Naquela época, eu o havia lançado seiscentos anos no futuro. Hoje parece praticamente possível que esse horror tenha se abatido sobre nós em um século ”.

Em 'Admirável Mundo Novo', Aldous Huxley já imaginava a ectogênese, que nos tempos modernos chamamos de útero artificial, ou seja, um processo de gestação fora do corpo humano, ou seja, fazer filhos sem gravidez, sem parto. No entanto, de acordo com Henri Atlan, médico, biólogo, filósofo e escritor francês, pioneiro das teorias da complexidade, os avanços da biotecnologia sugerem razoavelmente que o útero artificial poderia surgir em um futuro muito próximo. Segundo a bióloga a evolução do nosso tempo, em matéria de reprodução da raça humana, é caracterizada por "A distinção progressiva entre sexualidade e taxa de natalidade". Então, após a fertilização in vitro, aqui está a ectogênese, ou seja útero artificial .

Corroborando nosso ponto, aqui está o que Henri Atlan disse em artigo publicado no mundo em abril de 2005:

“Alguns dizem que daqui a 10 a 20 anos. Acho que vai demorar mais 50 anos ou mais. Mas o desenvolvimento do útero artificial parece inevitável. Essa técnica, denominada ectogênese, desenvolvida inicialmente para fins terapêuticos como parte do tratamento da infertilidade, abortos repetidos ou proteção de bebês muito prematuros, permitirá o desenvolvimento de uma nova forma de procriação. Externo para a mulher. Artificial.
Será uma nova data histórica na história do corpo humano. Um intenso debate social certamente o acompanhará. Entraremos numa problemática que, a meu ver, nos fará lembrar a da contracepção, que pode parecer paradoxal, pois será uma nova forma de parir. As mulheres terão a liberdade de ter filhos sem gravidez, sem dar à luz.
Ninguém se engana, muitas mulheres escolherão dar à luz desta forma. Será tão difícil evitar a popularização da ectogênese quanto proibir os métodos anticoncepcionais e o aborto. O argumento irrefutável será o da livre disposição de cada mulher de seu corpo. Muitas delas dirão a si mesmas: por que não evitar os riscos, deformações e incômodos associados ao parto. A função materna, como a conhecemos desde a origem da espécie humana, mudará na natureza.
É o culminar de um desejo ao mesmo tempo médico, terapêutico e filosófico de se desligar de certos imperativos biológicos e de evitar seus perigos. A separação entre procriação e sexualidade, já largamente iniciada no século XX, só está se acentuando ”.

Tal avanço relativo à procriação da criança em um “útero” garantindo as múltiplas funções de um útero humano não pode nos deixar indiferentes do ponto de vista ético, moral e espiritual.

Eticamente, a dignidade humana deve estar no centro de qualquer reflexão, o argumento do parto assistido com recurso à ectogênese, coloca também o problema da relação com o corpo humano, o ser humano evoluindo em um útero artificial é aqui reduzido a uma questão conectada por outro lado, é reduzir o feto humano à dimensão do objeto manipulável.

Moralmente, a ectogênese coloca o problema da trajetória de um indivíduo. Devemos mudar a trajetória genética e, portanto, a evolução da criança e sua relação com os vivos? Não é uma forma de ensinar a criança, de se desconectar do mundo dos seres vivos, ensinando-a desde a gestação, o aprendizado da sociedade ciborgue. No plano moral, é toda a construção psíquica da criança que se apresenta, nascida fora do ventre materno, mas gerada pela máquina que era de certo modo sua matriz nutritiva, que oferecia sua proteção. A ectogênese pode ser uma fábrica bárbara amanhã, porque essa criança não aprendeu o que é ser humano.

No nível espiritual, parece a nós, cristãos, que Deus em sua imensa sabedoria cuidou de oferecer ao filho o ambiente do ventre de uma mãe, o próprio Jesus foi concebido no ventre de sua mãe (Lc 2: 7). Mas todo esse mundo técnico que nega a relação com a transcendência, está se desenvolvendo hoje, tomando forma em paralelo com o colapso da cultura, a desintegração dos discursos filosóficos ou religiosos, que contaram à humanidade suas origens, seu passado., Sua linhagem a uma história , que lhe disse quem ele é, esta cultura deu-lhe um significado. Mas de repente a ciência vem para destruir a relação com o espiritual, o homem vem de uma máquina, despojada de toda antecedência.

No entanto, em 2016 essas dimensões éticas, morais e espirituais foram atingidas, os biólogos da Universidade de Cambridge anunciaram que haviam conseguido cultivar embriões humanos até um estágio nunca alcançado, ou seja, treze dias de fertilização in vitro, sugerindo possibilidades de avanço em direção uma ectogênese desta vez realizada.

Para Tugdual Derville é "A negação espiritual que faz o homem ver como uma máquina que permite que ele seja tratado como um objeto ..." (Tugdual, Le temps de l'homme pour une revolution de l'ecologie humaine).
A evolução do mundo técnico é assim, nem mais nem menos, que no processo de modificar as nossas relações com a vida, as nossas relações com a própria alma do homem, com a intimidade, com todas as nossas emoções. Pai, lembro-me do nascimento do nosso filho, do abraço quando a parteira me convidou a tomá-lo nos braços, enquanto os cuidados foram dispensados ​​à minha provada esposa mas tão tomada de emoção e alegria materna.

A igualdade frenética que leva à "perda do poder materno".

A revolução antropológica que faz parte de uma reinvenção da natureza e neste projeto de ectogênese, diz respeito à própria identidade da mulher, “a perda do poder materno” como escreve Laetitia Pouliquen (Autora do livro, Mulher 2.0, Feminismo e transumanismo, que futuro para as mulheres) Estamos em contextos de evolução geral da sociedade onde as mulheres em geral são encorajadas a se tornar um homem como qualquer outro.

As mudanças em curso, e em particular as transhumanistas, podem estar associadas a uma evolução dos marcadores de identidade, e iniciar um reajustamento dos equilíbrios biológicos, das diferenças entre homens e mulheres.

Assim, o mundo científico, digital, o ciborgue em que caímos, provavelmente mudará a relação com o mistério e a alteridade, oferecendo às mulheres novas perspectivas, fazendo-as evoluir em uma nova dimensão de transmutação, uma nova experiência do material que permite a fecundação. fora do útero feminino.

Com este projeto de fertilização fora do útero feminino, não é nem mais nem menos que:

  • modificar o corpo feminino
  • para defender a liberdade morfológica, para dar liberdade ao corpo,
  • ir além dos mitos biológicos para os transhumanistas,
  • ultrapassar barreiras biológicas de uma forma radical,
  • para finalmente dar às mulheres a oportunidade de viver uma vida livre de restrições sociais

O sistema genital destinado a ter um filho é finalmente visto na ideologia do ciborgue e entre os transhumanistas como uma forma de subjugação que não permite à mulher viver plenamente seu projeto social.

Essa ideologia de igualdade absoluta, livre do prisma da diferença sexual, das restrições do corpo pelas contribuições que as evoluções da ciência lhe oferecerão amanhã, levará as mulheres a ser, em última instância, qualquer homem. Esta dimensão da representação das mulheres vivida nesta perspectiva ideológica e científica é, de facto, uma inversão das representações feministas do passado, não conduz nem mais nem menos do que ao próprio apagamento das mulheres em termos de identidade.

A nova ideologia feminista, de certa forma, fundando o incitamento da mulher a se tornar qualquer homem, acaba privando a mulher de qualquer dimensão que afeta sua alteridade, sua diferença. Isso resulta então para as mulheres em uma perda de complementaridade, uma perda de funções que permitem o entrelaçamento harmonioso de identidades quando elas evoluem em harmonia. Uma harmonia que foi realmente pervertida desde a queda do homem e da mulher, tornando às vezes essa complementaridade realizadora impossível.

Pecado, isto é, a separação de uma relação viva com Deus gerada como o Papa Francisco escreveu "Desconfiança e divisão entre homem e mulher". A relação entre homens e mulheres tem sido ameaçada por abusos recíprocos, excessos nos homens, excessos também nas mulheres, relacionamentos injustos e arrogância humilhante. O sofrimento entre homens e mulheres pontuou a história da humanidade, os distúrbios ligados a essa desarmonia da conjugalidade por vezes levaram a revoltas legítimas e ao surgimento de correntes feministas. Identidades fundadas com base na alteridade foram seriamente afetadas e abusadas. Em última análise, as mulheres afirmam ser tratadas socialmente como iguais aos homens.

Não contestamos a vontade social das mulheres de serem tratadas em igualdade de condições com os homens, antes apontamos para a perda de referências que resultam da complementaridade no que diz respeito à diferença que permite entrelaçar relações harmoniosas entre homens e mulheres. esposa.

Por fim, quando falamos da complementaridade das mulheres em relação aos homens, o autor não atribui às mulheres um papel inferior ao dos homens, estamos convencidos da equivalência complementar das identidades masculina e feminina. Os textos bíblicos enfatizam isso com vigor, homem e mulher são à imagem e semelhança de Deus (Gênesis 1:27). O apóstolo Paulo, que é erroneamente chamado de sexista ao declarar que em Cristo não há mais homem nem mulher, não defendeu a igualdade absoluta, mas sim a necessidade de que todas as relações homem e mulher se harmonizem.

Todo o nosso propósito neste texto é sublinhar os diferentes papéis do homem e da mulher que esta última desempenha na fertilização do feto. No entanto, em contextos de ideologias que buscam igualdade a todo custo e técnicas em evolução, é a própria identidade da mulher que está ameaçada.

Para Leatitia Pouliquen,

“É interessante mencionar ... o quanto a identidade sexual é atacada em uma abordagem materialista e tecnológica do corpo da pessoa humana”...

Mais uma vez, Leatitia Pouliquen lembra que o conceito de pós-gênero foi bem exposto pelo futurista e eticista canadense George Dvosky em um ensaio intitulado: 'Além da binaridade de gênero'. " Este ", lembra o autor da Femme 2.0, afirma que “O pós-gênero é uma extrapolação dos meios disponibilizados pela tecnologia para erodir o papel biológico, psicológico e social do gênero e desenvolve um argumento que sustenta a ideia de que essa erosão será libertadora”.. Os promotores e ativistas do pós-gênero de fato postulam que gênero é uma limitação arbitrária e desnecessária da humanidade, apenas isso!

Se a ideologia transumanista pretende impor uma reformulação do corpo biológico do ser humano, ou seja, do gênero, seria pior que um desastre ecológico, seria um desastre para a sustentabilidade da espécie humana em termos de identidade e sentido nas relações entre homens e mulheres, o transumanismo seria então apenas uma forma de alienação do ser humano, uma forma de desconstruir o homem, um projeto de desumanização.

Porém, sabemos, aliás, que existe uma ligação indescritível entre o feto e a mãe, que vai além da dimensão sensorial, durante a gravidez a mãe e o filho estão indissociavelmente ligados. A criança gradualmente se torna sensível ao seu ambiente fetal e aos toques de seus pais. Ele interage com a mãe. O útero artificial, portanto, parece um absurdo porque destrói a relação com o emocional, a proximidade in utero certamente não está ausente da cumplicidade que então se estabelece entre a criança e sua mãe. E como não abordar, a transmissão in utero entre a mãe e o filho que se dá durante os 9 meses de gravidez, já se descobriu tudo sobre o assunto?

O despertar deste feto para a vida, porque no útero sente, ouve e se familiariza com este mundo que o acolherá: prova os sabores, ouve as batidas do coração da mãe, está literalmente concebido! Para os futuros pais, a 'maturidade' que surge no final destes 9 meses de chegada do filho, depois de ter revirado o ventre ao dar a volta num novo mundo, também parece ser um passo importante para 'tornar-se pais'. Temos apenas uma ideia da construção sensorial que ocorre nestes 9 meses para o futuro desenvolvimento motor e cerebral do feto? Pular essa etapa parece um crime em formação para a criança, controlado por máquinas e sensores ... será que ela terá que ser assim por toda a vida?

Ectogênese, o projeto do útero artificial e o advento da criança sem identidade, sem filiação, o fim da mãe ...

Em 1982, nasceu Amandine, a primeira criança concebida por inseminação in vitro. Como indicamos anteriormente, é todo o processo de procriação que está sendo redesenhado diante de nossos olhos. Todas as técnicas e processos de procriação, de transformação do corpo humano, apresentam problemas morais fundamentais.

Apesar disso, e de acordo com Ubs Scherber, diretor de pesquisa do Centro Cardiovascular Suíço do Hospital Universitário de Berna, estudos realizados em crianças nascidas por fertilização in vitro mostram disfunções cardiovasculares e metabólicas sutis. Não é inconcebível imaginar os distúrbios metabólicos que poderiam então engendrar a fecundação por ectogênese.

Para os proponentes da evolução da espécie humana, a natureza está necessariamente mudando e a transformação da espécie humana é então inevitável, a própria essência do homem é evoluir, ele pode então ser o mestre de sua evolução e se tornar Deus.

Existe essa obsessão enganosamente humanista de diminuir, reduzir a dor ou mesmo eliminá-la, para afastar o destino ou essa chamada maldição do livro da gênese onde Deus declara à mulher: “Você dará à luz com dor”. Em oposição à mensagem bíblica, a humanidade científica iniciou uma busca para se opor à palavra falada por Deus, para reparar a injustiça, como tornar o parto menos doloroso, como controlar anomalias genéticas, como regular os nascimentos. Para superar problemas demográficos, como criar um ser humano sem manchas, sem doenças, sem doenças.

Mas se a ectogênese fosse bem-sucedida, uma vez que testes clínicos já foram realizados em fetos de cabra no Japão, podemos imaginar as convulsões que tal abordagem geraria.

A humanidade, ao cruzar o Rubicão que o poder prometéico da tecnologia permitiria, ficaria tentada a eliminar os fracos (ou aqueles que são considerados assim, o que já é o caso hoje com abortos fortemente recomendados em certos casos. De trissomia), para apagar o próprio sentido da vida, apagar a mulher. A ectogênese seria de certa forma uma espada de dois gumes, libertando a mulher certamente, mas degradando-a ao arruinar sua identidade e seu destino de mãe, mas alterando, apodrecendo o destino da criança, fazendo-a perder o sentido de sua linhagem. .

No fundo, o transumanismo é uma utopia suicida, uma forma de antifeminismo que preconiza a artificialização da procriação, retirando da mulher o que torna sua singularidade, sua dimensão sexual. Que benefício uma mulher pode obter em ser como um homem ...? Devemos nos assemelhar ao masculino neste ponto, quando paradoxalmente toda a identidade das mulheres era que reconhecemos sua diferença, e que respeitamos essa diferença, que em última instância tem contribuído amplamente para marcar a cultura e o desenvolvimento - até mesmo da criança. O que seria essa criança sem a mulher, se a educação da criança fosse confiada a uma babá ciborgue?

Artigo escrito em co-autoria com Berengere Serials.
O texto produzido é retirado do nosso livro a ser publicado em agosto de 2017 “A desconstrução do homem”.

Eric Lemaitre

As opiniões e posições de contribuidoresInfo Chrétienne não comprometer ou representar a escrita ou linha editorial deInfo Chrétienne. Info Chrétienne apoia a liberdade de expressão, consciência e opinião.

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.