Massacre de 4 de julho: Para o arcebispo de Chicago, "o direito de portar armas não eclipsa o direito à vida"

“O direito de portar armas não eclipsa o direito à vida, nem o direito de todos os americanos de viver suas vidas sem medo de serem despedaçados por balas a qualquer momento. »

No dia 4 de julho, às 10h14, em Highland Park, enquanto uma multidão se reunia para comemorar o Dia da Independência, nos Estados Unidos, um atirador abriu fogo com uma arma de assalto. Lamentamos a morte de 6 pessoas. Pelo menos outras 24 pessoas ficaram feridas.

Isto é, segundo o prefeito Nancy R. Rotering, do “dia mais sangrento” vivido por esta comunidade localizada ao norte de Chicago, Illinois. “Nossa comunidade, como tantas antes de nós, está devastada”, disse ele antes de acrescentar, “é impossível imaginar a dor desse tipo de tragédia até que estejamos lá.

Um suspeito, Robert (Bobby) E. Crimo, foi detido no mesmo dia, por volta das 18h30, pela polícia, que continua a investigar o local do crime.

Para o Cardeal Blase J. Cupich, Arcebispo de Chicago, “o direito de portar armas não eclipsa o direito à vida, nem o direito de todos os americanos de viver suas vidas sem medo de serem despedaçados por balas”. Falando sobre o site da arquidiocese, lamenta “uma tragédia indescritível”.

O arcebispo está alarmado com o número de tiroteios em massa todos os dias nos Estados Unidos.

“É apenas julho, e este ano os Estados Unidos já estão enfrentando mais de um tiroteio em massa por dia. (…) A violência armada é agora a principal causa de morte entre as crianças americanas. O que quer que se faça com o direito de portar armas, há muito espaço para um julgamento cuidadoso na interpretação da Segunda Emenda de forma a decretar medidas sérias e amplamente populares de segurança de armas. O Senado finalmente aprovou um importante, mas modesto, projeto de lei de segurança de armas no mês passado. Mas é claro que mais precisa ser feito. O direito de portar armas não eclipsa o direito à vida, nem o direito de todos os americanos de viver suas vidas sem medo de serem despedaçados por balas a qualquer momento. A violência armada é uma questão de vida. »

Ele pede oração "pelas vítimas e seus entes queridos, que nunca imaginaram que uma celebração de 4 de julho pudesse se tornar um lugar de matança", mas também "para que todos os nossos líderes, eleitos e não eleitos, redobrem seu compromisso de garantir a segurança das pessoas que juraram servir”.

MC

Crédito da imagem: Creative Commons / Wikimedia

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.