Editorial de Camille de 6 de julho de 2022: Livre para acreditar

Ministros do governo, líderes religiosos e ativistas da liberdade religiosa de 50 países ao redor do mundo estão reunidos em Londres na terça e quarta-feira para discutir a liberdade de religião e crença.

O desafio deste encontro é encontrar soluções para proteger e manter esta liberdade enquanto em muitos países do mundo os crentes, especialmente os cristãos, sofrem graves perseguições.

Neste comício, eles assinaram uma declaração sobre igualdade de gênero que destaca violência sexual e de gênero sofrida por mulheres e meninas de minorias religiosas em muitos paísess.

Siga para o Paquistão, onde precisamente minorias religiosas são vítimas de sequestro, estupro, conversões forçadas ao Islã ou até casamentos forçados. Uma perseguição que visa particularmente cristãos, hindus e sikhs, de acordo com a Comissão Americana para a Liberdade Religiosa.

Um especialista estima que cerca de 2000 conversões e casamentos forçados ocorram a cada ano no país.

Em 29 de junho, o cemitério cristão em Yemişli, uma vila na província turca de Mardin, foi profanado. De acordo com a Agência Internacional de Notícias Assíria, túmulos de pelo menos 1000 anos pertencentes aos assírios foram destruídos, os ossos que continham foram espalhados.

O editorial de hoje termina com mais notícias positivas. Neste final de semana acontecerá a primeira edição do Festival de Jesus em Paray-Le-Monial. Um lugar onde os crentes podem desfrutar plenamente de sua liberdade de crer e louvar a Deus!

Um evento alegre e festivo que pretende reunir cristãos de diferentes confissões em torno do nome de Jesus e reunirá cerca de vinte artistas francófonos e internacionais. A equipe InfoChrétienne estará à disposição para filmar uma nova reportagem em imersão.

Camille Westphal Perrier

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.