Editorial de Camille de 24 de janeiro de 2022: Emergências humanitárias

A notícia do dia chama nossa atenção para as emergências humanitárias que ocorrem atualmente em várias regiões do mundo.

Começar com Ucrânia, onde o conflito em curso "sobrecarrega a população".

Enquanto 100 soldados russos foram destacados para a fronteira ucraniana, a Cruz Vermelha Internacional lembra que “as necessidades humanitárias da população […] não devem ser negligenciadas ou esquecidas”.

Depois vem o Iêmen, onde Médicos Sem Fronteiras denuncia "uma escalada preocupante da guerra".

Na manhã de sexta-feira, um ataque aéreo da coalizão liderada pela Arábia Saudita atingiu a prisão na cidade de Sa'ada, um reduto do movimento rebelde Houthi. O Ministério da Saúde lamenta 82 mortos e 266 feridos, mas o número pode aumentar devido ao número de pessoas ainda presas sob os escombros.

Esta segunda-feira, 24 de janeiro, uma delegação de talibãs e diplomatas ocidentais iniciou discussões em Oslo centradas na crise humanitária que se desenrola no Afeganistão.

A fome agora ameaça 23 milhões de afegãos, ou 55% da população, segundo a ONU.

O Afeganistão também é o país que ocupa o primeiro lugar no Índice Global de Perseguição aos Cristãos 2022 publicado em 19 de janeiro pela ONG Portas Abertas. O nível de violência contra os cristãos explodiu recentemente com a ascensão do Talibã ao poder.

Finalmente com a China. Com os Jogos Olímpicos de Inverno de 2022 agendados para o início do próximo mês em Pequim, David Curry, presidente da ONG Open Doors USA, incentiva os cristãos a boicotar o evento. Denuncia a perseguição aos cristãos e às minorias religiosas, em particular os uigures, no país.

Notícias que nos convidam, mais uma vez, à oração. Não vamos desviar os olhos dos dramas que estão acontecendo do outro lado do mundo, mas vamos colocá-los nas mãos de nosso Senhor.

Camille Westphal Perrier 

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.