Por que este Natal será um bom momento para compartilhar o evangelho?

A cada ano, igrejas e cristãos veem o final do ano chegar para colocar em prática ações para espalhar a palavra do Evangelho. Como o Natal é o “dia das crianças”, elas são naturalmente chamadas a contribuir. Por meio de programas de final de ano ou exibições de desenhos animados, eles são homenageados.

Mas essa associação entre o Natal e as crianças levou a uma reação comum: o Natal não é uma festa "séria". É "a magia do Natal", é uma fantasia de conto de fadas, é toda uma mitologia mais ou menos moderna, o Pai Natal, São Nicolau, o fumo a sair da chaminé de um chalé coberto de neve. São contos feitos de bons sentimentos e saudades. Mas tudo isso é feito para suavizar artificialmente uma vida diária que não tem nada de mágico.

Mesmo assim, os cristãos consideram que esse evento vai muito além. E, com isso, lutam para convencer os que os rodeiam de que o peso do imaginário ligado ao Natal se dá no espaço público e no inconsciente coletivo.

O evento bíblico de Natal - o nascimento de Cristo - torna-se quase estranho em uma sociedade francesa secularizada na qual a era pós-verdade está fazendo seu ninho. Associar uma festa popular a apostas comerciais colossais, a um acontecimento religioso fundamental para uma comunidade específica, isso não se faz. Porque esta associação coloca um grão de areia um pouco grande nas engrenagens de uma ideologia secularista onde alguns gostariam de remover toda a referência religiosa em geral, e cristã em particular.

O fato está aí. Mesmo que alguns cristãos, cortando o galho em que estão sentados, venham castigar a festa do Natal (veja sobre este assunto meu artigo "Sim ao Natal, não ao anti-Natal" de 23 de dezembro de 2020), este evento continua sendo uma oportunidade privilegiada para falar sobre Cristo, seu nascimento, sua vida, sua mensagem.

Conseqüentemente, qualquer pessoa que deseje falar de sua fé encontra aí um fundamento sobre o qual ela é legítima em todos os pontos. O Natal é uma grande âncora para começar com o que as pessoas sabem e levá-las ao que podem não saber.

Igrejas e cristãos redobrarão seus esforços novamente este ano para aproveitar a oportunidade e anunciar o nascimento de seu Salvador.

Dentre as diversas ações que podem ser implementadas, oferecemos uma para você.

A ideia é oferecer um livrinho chamado “Natal, podemos realmente acreditar?” Respondendo a 4 perguntas-chave que podemos nos fazer sobre o Natal:

  • Jesus realmente existiu?
  • Podemos levar a Bíblia a sério?
  • Uma virgem grávida: podemos realmente acreditar?
  • Além disso, por que isso é importante?

Em parceria com as Edições eXcaléo e BLF, oferecemos um extrato deste livro aqui.

Pascal Portoukalian

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.