Podcast "Os Filhos de Issacar": Weinstein, o mecanismo da hipocrisia

Olá a todos, sou Etienne OMNES, e vocês estão ouvindo um episódio de Les Fils d'Issacar, uma análise semanal de acontecimentos e notícias de um ponto de vista cristão.

CNesta semana, vamos olhar para outro evento que se arrasta, mas que é tão simbólico para tantos aspectos do nosso tempo. Encontramos aí a relação entre o homem e o pecado, a idolatria do progressismo e, sobretudo: a hipocrisia nunca exaurida do ser humano. Portanto, vamos falar sobre o escândalo em torno de Harvey Weinstein e a longa lição sobre o pecado humano e suas manifestações.

Weinstein: o mecanismo da hipocrisia

Vamos lembrar os fatos, mesmo que você já tenha ouvido falar deles. Harvey Weinstein é um dos produtores mais importantes de Hollywood, um homem cuja influência e poder, tanto financeiro quanto cultural, são muito importantes. É a ele que devemos, por exemplo, o Oscar de Jean Dujardin por seu filme “O Artista”. Só que aqui o Sr. Weinstein acaba sendo também um pornocrata, contra quem os testemunhos de assédio sexual e até de estupro de repente se acumulam após um artigo publicado há duas semanas. Esse colosso da cultura ocidental tinha, ao que parece, uma maneira muito oriental de se apropriar de um harém.

Exceto que existe. Harvey Weinstein era o senhor protetor das artes e das letras. Ele também foi o paladino do progressismo, o cavaleiro da Virtude, o defensor dos democratas, o apoio daqueles que desafiam e a rocha do liberalismo. Por exemplo, ele financiou a campanha eleitoral de Hillary Clinton com milhões de dólares e está ajudando todas as causas progressistas que você pode imaginar tanto quanto ele pode. Exceto aqui: este grande defensor das mulheres também se revela um grande predador das mulheres. A história em si é sórdida e seus desdobramentos servem apenas para despertar nossos instintos de catadores. Basta repetir o que diz o salmista:

“Os que dizem: Somos poderosos com a nossa língua, temos os nossos lábios connosco; Quem seria nosso senhor? - Porque os pobres são oprimidos e os pobres gemem: Agora, diz o Senhor, eu me levanto, trago a salvação àqueles contra quem ela é lançada. »

E esta é a razão pela qual estamos testemunhando tamanha desonra pública e absoluta. Porém, não irei comentar tanto sobre as ações do homem, mas o que está acontecendo ao seu redor.

Quando um não liberal diz uma palavra distorcida, não leva um dia para que seu nome seja arrastado pela lama e sua reputação seja destruída em público. Mas quando se trata de um co-defensor progressista fazendo exatamente o que toda a terra é acusada, de repente há os progressistas muito menos entusiasmados. Faremos uma menção especial aqui a Hillary Clinton, que nas palavras de Gilles-William Goldnagel "demorou cinco dias para sair de seu silêncio quando levou cinco segundos para criticar a atitude de Donald Trump em Charlottesville". Também será surpreendente ver tanto ódio agora sendo derramado contra Harvey Weinstein, quando as mesmas pessoas que o acusam disserem: "todos sabiam disso". Já que todos sabiam, me explique por que a coisa só se tornou escandalosa agora?

E assim por diante, notamos o quão lenientemente os progressistas consideram os seus, enquanto eles são implacáveis ​​assim que um conservador faz o mesmo. Mas sejamos honestos: estamos fazendo o mesmo do nosso lado. Também nos Estados Unidos, houve algumas semanas antes de um republicano eleito, conhecido até agora por ser um grande opositor do aborto, que desencadeou um escândalo. O que ele fez ? Oh, nada ... ele apenas abortou sua amante. Valeu a pena ser um paladino da Família Cristã.

Às vezes, a palavra hipocrisia não é suficiente. Eu sugiro “hiper-hipocrisia”, mas isso não é uma coisa muito bonita de se dizer.

Que comentário o cristão poderia fazer sobre esses tipos de eventos? Em primeiro lugar, é útil lembrar que uma das críticas mais memoráveis ​​de Jesus foi que todos nós somos muito rápidos em nos atirar na palha do próximo, mas não em tirar a trave de nossos olhos. Mais profundamente, gostaria também de salientar que nós - estou falando aqui de toda a humanidade, incluindo os cristãos - tendemos com demasiada frequência a confundir "piedade" com "ortodoxia". Muitas vezes julgamos a qualidade moral de cada pessoa com base em suas doutrinas.

Não muito tempo atrás, o Jesus Post relatou a prisão de um pastor evangélico culpado de ... procuração. O homem de Deus escravizou as filhas de Deus. Se não tivéssemos conhecido o homem, mas apenas sua face pública, o que teríamos dito? Se ele tivesse doutrinas perfeitamente perfeitas, não o teríamos chamado de irmãos? Neste caso específico, porém, a falha no julgamento vem da ignorância, do fato de não conhecermos esse pastor. Mas, no caso de Harvey Weinstein, é diferente.

Compartilhe esta imagem no Facebook

Não podemos alegar ignorância. Todos em sua comunidade sabiam disso. Mas se ninguém reagiu antes, é porque sua doutrina serviu como um lugar de moralidade. Harvey Weinstein era um bom homem, não pelo que era, mas pelo que dizia. Não importava que ele estuprasse mulheres em seu quarto, porque ele defendia o feminismo no pódio. E toda a humanidade tem culpa nisso. Gilles-William Goldnagel fez a conexão com o tratamento dado pela mídia a Bertrand Cantat, esse cantor de sucesso que matou sua esposa com os punhos há alguns anos. Ele escreve em seu artigo no Le Figaro:

“Mas é o próprio título do tribuno [que defendia Bertrand Cantat] que melhor iluminava a abordagem artística e rebelde nobre:“ Bertrand Cantat permanece conosco ”.

Sim, quando você pertence ao campo marcado com o Bem, não importa o mal que você faça em outro lugar, se seu nome é Weinstein ou Cantat mas também Battisti, você sempre se beneficia de um tratamento benéfico. "

Por quê ? Primeiro, vamos lembrar que o primeiro instinto de Adão quando Deus veio para confrontar seu pecado foi se esconder. E mesmo quando foi descoberto, ele preferiu colocar a culpa em Eva, que culpou a serpente. "Não sou eu, é Eva" disse Adam. "Não sou eu, é a cobra", disse Eve. "Sss é meiii!" Disse a Serpente. Finalmente eu acho. Essa dupla reação - ocultação e evitação - permanece ainda hoje as atitudes básicas do ser humano diante de sua culpa. Somos semelhantes a nosso pai Adão nisso. MAS ... sempre temos dentro de nós a imagem de Deus que clama por justiça, e não sabemos fazer outra coisa senão viver de acordo com o bem e o mal. Diria ainda mais: o nosso tempo, por mais louco que seja, é um dos mais fariseus e legalistas que a humanidade conheceu. É que está ao contrário. Portanto, temos um bando de humanos que adoram denunciar o pecado dos outros e farejá-lo por quilômetros como carniceiros um esqueleto ... e ao mesmo tempo se tornar o campeão para enterrá-lo o mais fundo possível e em caso de descoberta passar o esqueleto para outra pessoa.

Aplicado a uma comunidade, esse reflexo também desempenha um papel: quando um dos membros peca gravemente, o primeiro reflexo de uma comunidade não é expor e resolver o problema, mas encobrir e jogar o esqueleto em outra pessoa. ' Vimos isso com as Testemunhas de Jeová, cujos vínculos extremamente rígidos com a organização impediram literalmente a denúncia de atos de pedofilia cometidos dentro dela, de modo que a Torre de Vigia foi multada em várias centenas de milhões de dólares por se proteger de pedófilos. Ela não é culpada por esses atos, mas por tê-los ocultado e evitado reconhecer sua responsabilidade.

No pequeno mundo de Hollywood, que dá lições de moral e adora desenterrar os cadáveres dos outros, há também um reflexo comunitário e, por serem seres humanos, encobrem e evitam o pecado que existe dentro deles. Exceto que um artigo tornou o esqueleto impossível de esconder. Por isso o evitamos: “ele nunca foi um de nós”.

Diante disso, o que Jesus ensinou? Jesus não ensina ocultação, mas confissão de pecados. E ele não evitou os pecados da humanidade, ele os tomou sobre si. Embora ele tenha sido tentado, ele não disse a seu Pai "estes não são meus pecados, eles são os da humanidade, que eles estão enfrentando. E é por meio desse ato que vivemos hoje. Já que Jesus, infinitamente digno, perfeito, tomou sobre si faltas desprezíveis que não eram dele ou dele ... bem, eu acho que o mínimo que posso fazer é confessar meus próprios pecados, e não eles ... descarregar sobre ninguém menos que eu.

E nós podemos fazer isso, e temos que fazer isso. O apóstolo João diz bem:

“Se dissermos que não temos pecado, estamos nos enganando, e a verdade não está em nós. Se confessarmos nossos pecados, Ele é fiel e justo para nos perdoar e nos purificar de toda injustiça. Se dissermos que não pecamos, estamos fazendo dele um mentiroso, e sua palavra não está em nós. "

Finalmente, para concluir esta coluna, vamos falar um pouco sobre Harvey Weinstein. Ele não pode mais esconder seu pecado, tornou-se estritamente impossível. Mas ele não desistiu de evitá-lo e jogá-lo em outra pessoa! Você sabe o que ele planeja fazer? Faça um filme que denuncie o assédio sexual… de Donald Trump. Lá, não é mais uma viga no olho. É uma casa inteira.

Obrigado por ouvir os filhos de Issacar. Você pode nos seguir no Facebook curtindo a página “Les Fils d'Issacar”. Se você gostou do episódio, fique à vontade para compartilhá-lo.

Esperamos vê-lo na próxima semana. Até então, desejo uma ótima semana.

Timothy Davi
www.timotheedavi.wordpress.com

As opiniões e posições de contribuidoresInfo Chrétienne não comprometer ou representar a escrita ou linha editorial deInfo Chrétienne. Info Chrétienne apoia a liberdade de expressão, consciência e opinião.

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.