Perseguição de cristãos na Nigéria: Dom Ike denuncia “um crime pior do que o perpetrado na cidade de Boutcha, na Ucrânia”

Um ativista de direitos humanos fala após o apedrejamento de uma mulher cristã acusada de blasfêmia na Nigéria.

O bispo Obiora Ike, ativista nigeriano de direitos humanos baseado em Genebra e fundador e presidente do Instituto Católico para o Desenvolvimento, Justiça e Paz, falou com Relatório da Nigéria seguindo o apedrejamento de Deborah Yakubu, acusado de blasfêmia, em 12 de maio.

Segundo ele, a perseguição de cristãos e o deslocamento demográfico de minorias no Cinturão Médio da Nigéria constituem "um crime pior do que o perpetrado na cidade de Bucha, na Ucrânia".

O bispo Ike diz que os cristãos de lá “são sistematicamente desprivilegiados e submetidos a constante perseguição e martírio no século 21, com mais de 30 mortos apenas na última década”. Ele também denuncia os sequestros e a violência sofrida.

O ativista acusa os pastores Fulani de “intimidar, aterrorizar, assassinar e expulsar proprietários de terras indígenas de suas casas ancestrais com o único propósito de desapropriar-lhes suas terras”, com o objetivo de “espalhar o Islã pela Nigéria”.

Relata ataques diários, mas também a incapacidade ou falta de vontade das agências de segurança nigerianas de “detê-los ou proteger as aldeias”.

“Na Nigéria, a justiça está morta”, denuncia.

MC

Crédito da imagem: Creative Commons / Flickr

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.