Contenção: MPs debatem a liberdade de culto na Assembleia Nacional

Ontem, quarta-feira, 4 de novembro, os deputados debateram no hemiciclo sobre a prorrogação do estado de emergência sanitária. Eles expressaram notavelmente suas opiniões sobre a liberdade de culto. 

Ls deputados, reunidos no Palais Bourbon na quarta-feira, discutiram a reabertura de locais de culto durante o confinamento durante o debate sobre a prorrogação do estado de emergência sanitária até 16 de fevereiro de 2021.

Muitos fiéis já se manifestaram contra o fechamento de igrejas, é o caso do presidente da Conferência dos Bispos da França, que notavelmente depôs um resumo de emergência perante o Conselho de Estado. Funcionários eleitos Os republicanos também se dirigiram uma carta a Emmanuel Macron em 30 de outubro, para solicitar a autorização de culto apesar do confinamento.

Julien Aubert, deputado pelo 5º distrito de Vaucluse, notavelmente posicionou-se na quarta-feira a favor da realização do culto durante o período de reclusão. O deputado argumentou que era difícil atribuir um valor “essencial” ou não essencial a ir orar pelos crentes. Ele também acrescentou que a própria presença de deputados no hemiciclo representava uma incoerência com a proibição de culto:

"Por que os deputados podiam ser reunidos mais de duzentos em uma sala por várias horas com uma diferença de assento, e por que eles não podiam ter cinqüenta por uma diferença de assento em bancos por uma hora ou em uma sinagoga? "

Outro apoio mais surpreendente à liberdade de culto foi expresso durante a sessão por Jean-Luc Mélenchon. O deputado da França Insoumise, firmemente apegado ao laicismo, lembrou a antiguidade da prática dos cultos religiosos:

“Os rituais fúnebres têm 120.000 anos e são anteriores à presença do Homo sapiens. Da mesma forma, os ritos de adoração são tão antigos quanto a própria humanidade ”

Jean-Luc Mélenchon também reivindicou a liberdade de culto como o fundador da "liberdade de consciência" denunciando uma decisão inconsistente.

No entanto, a alteração número 109 para preservar a liberdade de culto publicamente não foi adotada. Os deputados votaram contra por maioria dos 384 deputados eleitos presentes, ou seja, 250 e 130 deputados a favor.

Caberá, portanto, ao Conselho de Estado decidir enquanto analisa, esta quinta-feira, 5 de novembro, os pedidos interpostos para a manutenção do culto durante o período de reclusão.

PC

Crédito da imagem: Creative Common License / Wikimedia 

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.