Para o Islã, “Jesus não pode ser Deus”. Como responder como cristão?

Quando se trata de falar sobre Jesus na frente de nossos amigos muçulmanos, muitas perguntas atrapalham os cristãos.

  • Não há nenhum versículo bíblico claro que diga “Eu sou Deus, adore-me”!
  • Um Deus que morre: é totalmente ilógico!
  • Três deuses em um é impossível.
  • Maria mostra preocupação com Jesus. Isso significa, portanto, que ela sabe que ele não é Deus, pois que criatura pode querer proteger seu Criador?
  • Se Jesus é Deus, por que ele estava orando? E para quem ele estava orando?
  • Se Jesus é Deus, como ele poderia ter sido tentado?

Como os muçulmanos não acreditam que Jesus possa ser Deus, uma de suas formas de argumentar é compilar tudo o que torna Jesus humano, para refutar sua divindade.

Agora, na Bíblia, os versículos que anunciam a natureza divina de Cristo são uma legião. Os cristãos acreditam na natureza dual de Cristo: totalmente humano e totalmente Deus. Encontraremos assim muitas referências à sua natureza humana, que inclui também os seus limites e os seus medos, porque Jesus foi em todos os aspectos um homem. E isso não tira o fato de que ele também era Deus em todos os sentidos.

Na realidade, nesta dimensão como em tantas outras, os muçulmanos se fazem perguntas de grande relevância, que muitos cristãos se fazem secretamente. Ou não surgem, mas que não sabem responder.

Cristãos com poucas raízes e fraco conhecimento da Bíblia podem se deixar convencer pelo raciocínio islâmico baseado em pressupostos não bíblicos: sua visão de Deus, do mundo, de Cristo não é construída sobre os mesmos fundamentos.

Por outro lado, quando os cristãos têm uma fé mais sólida e conhecem – pelo menos um pouco – Jesus, então o contato com os muçulmanos torna-se uma excelente escola para fortalecer a própria fé. Com efeito, embora crendo em Deus, os muçulmanos não traçam os mesmos contornos, não lhe atribuem os mesmos qualificadores ou a mesma identidade. Ir até eles nos leva a querer investigar por que acreditamos no que acreditamos.

Para aqueles que desejam entender e aprofundar sua fé cristã, os muçulmanos são uma mão estendida para se fazer as perguntas certas... E acontece que a Bíblia contém as respostas certas. Às vezes, a Bíblia não diz as coisas explicitamente. No entanto, um feixe de elementos convergentes vem provar a relevância de uma afirmação. As armadilhas e armadilhas, os mal-entendidos e as áreas cinzentas legitimamente levantadas pelos muçulmanos, são todos resolvidos nos próprios textos bíblicos.

Vamos terminar respondendo à primeira questão levantada neste artigo:

“Não há nenhum versículo bíblico claro que diga 'Eu sou Deus, me adore'! »

Também não há versículo onde Jesus diria "Eu não sou Deus, não me adore". »

Por outro lado :

  • vários versículos anunciam explicitamente que Jesus é Deus: João 1:18; João 1:28-29; Romanos 9:5; Filipenses 2:5-6; Tito 2:13; Hebreus 1:8; 2 Pedro 1:1; 1 João 5:20; Apocalipse 1:8.
  • Jesus também tem nomes divinos: Deus, Filho de Deus, “Eu sou”, Senhor.
  • Jesus realiza obras divinas: criação do mundo, perdão dos pecados, auto-ressurreição, redenção, julgamento.
  • Ele também possui atributos divinos – como eternidade e gloriosa pré-existência (João 17:5; João 8:58) ou onipotência (Mateus 28:18).
  • Finalmente, honras divinas são prestadas a Jesus por todos os tipos de criaturas terrenas e celestiais (Apocalipse 5:13).

De fato, “Não há nenhum versículo bíblico claro que diga 'Eu sou Deus, adore-me'! ". Mas um conjunto de evidências leva os cristãos a concluir que Jesus é Deus.

Este ponto e muitos outros são reunidos na obra de Rémi Gomez "La divinité de Christ face à l'Islam", cuja você pode baixar um extrato aqui.

Este extrato é oferecido a você em parceria com as Edições BLF e o marketplace eXcaléo.

Pascal Portoukalian

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.