Para a filósofa Bérénice Levet, o sistema escolar está imbuído da “Teoria de Gênero”

No domingo, 2 de outubro de 2016, o Papa Francisco falava no avião em uma coletiva de imprensa durante a viagem de volta do Azerbaijão. Os jornalistas pediram-lhe que explicasse as suas declarações feitas na Geórgia, sobre a "guerra mundial que se joga para destruir o casamento".

LO Papa Francisco então denunciou o ensino da Teoria de Gênero nos livros escolares na França. No vídeo aqui visível, as palavras escolhidas pelo Papa são incisivas, ele fala de “doutrinação dos manuais franceses” e “colonização ideológica”.


 
Em LCI, Najad Valaud Belkacem respondeu ao Papa de uma forma sem precedentes no que diz respeito à sua função, julgando sua “palavra leve e infundada”. Ela acredita que o Papa Francisco "se deixou levar pelos fundamentalistas e sua loucura mentirosa".

Em um artigo de Figaro, publicado em 3 de outubro, Francette Popineau, do sindicato majoritário dos professores, SNUIpp, declarou:

“Não há ensino de teoria de gênero na escola ou faculdade. Na escola, não existe um programa específico nos manuais escolares sobre igualdade de gênero. Aprendemos a conviver diariamente. Só porque você é um menino não significa que não tenha que guardar as coisas depois da aula de biologia, só porque você é uma menina não significa que não pode correr. "

Mas para Bérénice Levet, doutora em filosofia e professora de filosofia, entrevistada por Figaro :

"Todo o sistema escolar está imbuído dos fundamentos da teoria de gênero."

Essa, segundo ela, é a mensagem que o manual da Hachette leva aos jovens.

"O sexo biológico nos identifica como homem ou mulher, mas isso não significa que podemos nos chamar de homem ou mulher."

Para Bérénice Levet, o Papa tem razão ao dizer que “a doutrinação avança com astúcia e que o gênero avança sempre às escondidas”.

“É em nome da igualdade, do respeito às diferenças, que se dá a desconstrução do masculino e do feminino ... Gênero é o nosso novo Evangelho, vem nos anunciar a boa notícia que gênero e identidade sexual não existem. 'sendo apenas construções, podem ser desconstruídas. "

Najad vallaud Belkacem é, segundo o filósofo, o “especialista em negação”.

Ao contrário do que anuncia o Ministro, Madame Levet considera que uma série de livros colocados nas mãos de crianças e adolescentes transmitem a mensagem de gênero, que afirma que o masculino e o feminino são apenas convenções impostas das quais devemos nos libertar.

Sobre este assunto, veja o artigo no Le Figaro de setembro de 2014: "Gentil: esse livro infantil que a escola esconde dos pais".

Quando o seu trabalho, The Theory of Gender or the Dreamed World of Angels, foi publicado por Grasset em novembro de 2014, a nova edição da qual na versão “Pocket” de Hachette é prefaciado por Michel Onfray, Bérénice explicou em um vídeo do Youtube, que sua pesquisa sobre gênero fazia parte da questão:

"De onde nasceu o gênero?" "

A noção de gênero seria responsável por expressar a dimensão histórica construída de nossas identidades sexuais e sexuais. O masculino e o feminino fazem parte da cultura.

“O que construímos sobre o masculino e o feminino, é nossa responsabilidade transmitir aos nossos filhos ... Uma educação neutra que não cultive a diferença entre os sexos parece preocupante porque frágil ... Se não transmitirmos mais dimensão do masculino e feminino, há todos os motivos para se preocupar. "

O editorial

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.