Paquistão: manifestação de solidariedade da mídia e das autoridades a uma cristã ameaçada de morte

No Paquistão, as minorias religiosas vivem com medo constante de ataques de turbas ou de que as injustiças contra elas não sejam levadas a sério pelas autoridades quando os culpados são muçulmanos. No entanto, acontece que eles ou compatriotas lhes dão seu apoio. Um muçulmano que queria acusar uma cristã de blasfêmia para matá-la impunemente viu seu plano sair pela culatra e sua vítima se beneficiar de uma onda de solidariedade.

O destino da paquistanesa Samina Mushtaq poderia ter sido traçado em 5 de janeiro quando ela foi injustamente ameaçada de ser acusada de blasfêmia, que em seu país poderia ter levado a um linchamento fatal ou a uma condenação criminal.

O funcionário da alfândega do aeroporto, que também é cristão, repreendeu um funcionário da Autoridade de Aviação Civil por deixar o veículo de um amigo passar por um posto de controle sem um passe válido ou placa de registro. Este último, Saleem, então se apresentou como funcionário do governo e gritou que chamaria os estudiosos religiosos para matá-la.

A ameaça não deve ser tomada de ânimo leve no Paquistão, onde multidões enfurecidas podem espancar até a morte pessoas acusadas de blasfêmia sem qualquer prova, e onde a justiça pode condenar pessoas por acusações infundadas. Quando Samina objetou que se ele a acusasse falsamente, correria o risco de ser preso, Saleem respondeu:

“Vou matar, vou tirar sua vida. »

Salvo por compartilhar o vídeo provando sua inocência

A mãe de quatro filhos teve a presença de espírito de gravar a cena com seu smartphone, provando que não havia insultado o Islã ou o profeta Maomé. No entanto, o vídeo não teria sido suficiente para protegê-la de um linchamento, foi a sua partilha nas redes sociais que lhe salvou a vida. Em seguida, foi captado por vários meios de comunicação locais.

A viralidade do vídeo levou membros de organizações humanitárias a pedir que o funcionário do aeroporto fosse protegido. Os principais conselhos de ulema (estudiosos islâmicos) apoiou a viúva. O presidente do Conselho de Ulema do Paquistão, Allama Ziaullah, também se encontrou com a Sra. Mushtaq e prometeu apoiá-la:

“Conhecemos nossa irmã e garantimos a ela que a apoiamos religiosa e legalmente. Se ela desejar ir ao tribunal e registrar um primeiro relatório do incidente contra o representante da Autoridade de Aviação Civil, nós a apoiaremos totalmente durante a investigação e no tribunal. »

Saleem foi suspenso do serviço enquanto se aguarda a investigação, e o ex-presidente Asif Ali Zardari pediu aos governos federal e provincial de Sindh que tomar medidas para garantir a segurança da vítima das ameaças.

Muçulmanos em uma vila entristecidos pelo assassinato de um vizinho cristão

O apoio a cidadãos de minorias contra um muçulmano não é comum no Paquistão. Este caso, como o assassinato de Allah Ditta Masif em janeiro passado, testemunha, no entanto, que existem boas intenções.

Em 11 de janeiro, Alá, de 55 anos, pediu a três homens muçulmanos de sua aldeia que parassem de roubar as goiabas que ele cultivava. Um dos três malfeitores atirou, na frente de sua família, o XNUMX-year-old Christian apelidado de "tio" pelas crianças da aldeia. Os três homens fugiram rindo e gritando: "Vocês, limpadores de sujeira cristãos, não têm chance de justiça, podemos matá-los quando quisermos." »

Após este drama, Muhammad Abdul Ghufar, um vizinho muçulmano apoiou a vítima. Ele disse à British Asian Christian Association, uma organização de apoio aos cristãos:

“Allah Ditta era uma pessoa muito nobre, era o sustento de sua família, um excelente pai e um vizinho maravilhoso. Os assassinos o mataram sem motivo, apoiamos sua família e esperamos que eles façam justiça. »

Jean Sarpedon

Crédito da imagem: Vídeo do youtube / Captura de tela do vídeo filmado por Samina Mushtaq

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.