Papa, Patriarca Bartolomeu e Arcebispo de Canterbury pedem "proteção da criação"

Em uma mensagem conjunta publicada na terça-feira, 7 de setembro, o Papa Francisco, o Patriarca Bartolomeu I e Justin Welby, Arcebispo de Canterbury, pedem medidas para o clima. Eles nos lembram que “cuidar da criação de Deus é uma missão espiritual”.

A dois meses da COP26 que acontecerá em Glasgow, Escócia, de 1 a 12 de novembro, o Papa Francisco, o Patriarca Bartolomeu e o Arcebispo de Canterbury Justin Welby, publicado terça-feira, 7 de setembro uma "mensagem conjunta para a proteção da criação". Uma iniciativa histórica que reflete a urgência da situação climática.

Nesta mensagem datada de 1º de setembro, oficiais católicos, ortodoxos e anglicanos pedem “a escolha de uma vida diferente”. «Devemos escolher a vida», insistem, recordando que Deus ordena no Deuteronómio 30 do versículo 19: «Escolhe a vida, para que tu e os teus filhos vivam».

O apelo que começa evocando “os efeitos devastadores de uma pandemia global” que não poupou ninguém “pobre, rico, fraco ou forte” divide-se então em três eixos: sustentabilidade, pobreza e cooperação.

Pressionar “A importância da sustentabilidade”, os três líderes espirituais são baseados na Bíblia. Eles evocam a história do homem rico que acumula grandes riquezas e esquece que sua vida é limitada (Lucas 12: 13-21), a do filho pródigo que desperdiça a herança de seu pai (Lucas 15: 11-32) e lembra que o A Bíblia nos ensina a construir sobre rocha em vez de areia para resistir a tempestades (Mateus 7: 24-27). Histórias que “nos convidam a ter uma perspectiva mais ampla e a reconhecer nosso lugar na história mais ampla da humanidade”.

“Mas tomamos a direção oposta. Maximizamos nossos próprios interesses às custas das gerações futuras. »Lamentam antes de concluir« Devemos buscar generosidade e justiça em nossas formas de viver, trabalhar e usar o dinheiro, ao invés do ganho egoísta ».

Os três homens estão então interessados desigualdades entre homens, denunciam "uma profunda injustiça", lembrando que "as pessoas que sofrem as consequências mais catastróficas destes abusos são as mais pobres do planeta e as menos responsáveis".

“Servimos a um Deus de justiça, que se deleita na criação e cria cada pessoa à imagem de Deus, mas também ouve o clamor dos pobres. Como resultado, há um chamado inato dentro de nós para responder com angústia quando vemos uma injustiça tão devastadora. Eles continuam.

“Hoje estamos pagando o preço”, afirmam os líderes religiosos, evocando a crise climática e suas consequências. É porque “amanhã poderia ser pior” que eles optaram por publicar esta mensagem comum histórica. Para que os homens assumam suas responsabilidades como “colaboradores de Deus”.

A última parte de seu apelo lida com “O imperativo da cooperação”. Um chamado a considerar a “humanidade como uma família” e a trabalhar juntos “para um futuro baseado no bem comum” que nos levasse a viver “em um mundo muito diferente”. Uma iniciativa que “envolve fazer mudanças” numa base individual para “assumir a responsabilidade pela forma como usamos os nossos recursos”. E também, numa “colaboração cada vez mais estreita entre todas as Igrejas no compromisso de cuidar da criação”.

Para fazer isso, os três signatários desta declaração apelam à vontade de todos os crentes.

“Esta é a primeira vez que nós três nos sentimos compelidos a abordar em conjunto a urgência da sustentabilidade ambiental, seu impacto na pobreza persistente e a importância da cooperação global. Juntos, em nome de nossas comunidades, apelamos aos corações e mentes de cada cristão, cada crente e cada pessoa de boa vontade. "

Eles acrescentam orações pelos líderes que “se reunirão em Glasgow para decidir o futuro de nosso planeta e de seu povo”. A mensagem termina com uma exortação a “cuidar da criação de Deus”, “uma missão espiritual que exige uma resposta comprometida”. “Este é um momento crítico. O futuro de nossos filhos e o futuro de nossa casa comum depende disso ”, concluem.

Camille Westphal Perrier

Crédito da imagem: Damian Lugowski / Shutterstock.com

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.