O grito dos bispos haitianos diante da "deterioração geral" da situação

“Não à insegurança! Não ao sequestro! Não à legalização, por cumplicidade, da atividade dos bandos armados! Não a qualquer projeto de aniquilação do Estado visando facilitar qualquer agenda contra esse povo a quem esta terra é legada! »

No Haiti, na capital Porto Príncipe, a escola Saint-Louis de Gonzague foi transformada em refúgio. Separadas temporariamente de seus pais, mais de 300 crianças haitianas tentam fugir da violência das gangues refugiando-se ali.

Há quase duas semanas, a cidade de Cité Soleil onde esses jovens moravam, nos subúrbios de Porto Príncipe, se transformou em um campo de batalha entre gangues rivais. Mais de 471 pessoas foram mortas, feridas ou desaparecidas entre 8 e 17 de julho, segundo a última contagem da ONU. E muitos tiveram que fugir.

“Eles estão traumatizados, mas se começarem a jogar futebol, voltam a ser crianças”, explica à AFP Irmã Paesie, diretora da organização Kizoto, responsável pelo seu alojamento nesta escola dirigida por irmãos católicos. “Mas quando você começa a conversar com eles, percebe que eles viram coisas horríveis”, continua a freira francesa, que vive no Haiti há 23 anos. Ela diz que a maioria deles perdeu suas casas, incendiadas por membros de gangues.

Dieula Dubrévil, sem notícias de seu cônjuge, refugiou-se nesta escola com seus quatro filhos. Ela diz :

“Balas caíram dentro da minha casa. Meu marido saiu, eles bateram nele. Eles o martirizaram e feriram sua cabeça. »

O Igreja do Haiti compartilhou sua crescente preocupação com a "deterioração geral" da situação no Haiti. Em 27 de julho passado, entre os incêndios de gangues rivais, a catedral de Porto Príncipe foi vítima de um "incêndio de origem criminosa".

Em seu comunicado de imprensa, os bispos mais uma vez soam o alarme.

“Muitas vezes levantamos nossas vozes para desafiar cada um dos filhos e filhas da pátria comum, a fim de alertá-los e conscientizá-los sobre os grandes problemas do dia. Além disso, o medo mergulhou alguns numa profunda letargia, enquanto outros continuam a ser cúmplices dos infortúnios do nosso povo: corrupção, pobreza extrema, insegurança generalizada, raptos, desconfiança interpessoal são os males a que se somam a violência sistémica dos gangues que declaram guerra aqui e ali. »

Eles acabam se perguntando se esse crime beneficia “pessoas intocáveis”.

“Eles sequestram, sequestram, quebram, matam, queimam e, assim, desafiam os poderes estabelecidos que parecem totalmente sobrecarregados com o que está acontecendo. Por que o Estado não age para reprimir com o rigor necessário no âmbito da justiça para colocar os bandidos fora de perigo? É impossível cortar as fontes que fornecem armas e munições a grupos e indivíduos, ou isso beneficia pessoas intocáveis? »

“Já chegou a hora de acordar do nosso torpor, de dizer com todas as nossas forças: Não à insegurança! Não ao sequestro! Não à legalização, por cumplicidade, da atividade dos bandos armados! Não a qualquer projeto de aniquilação do Estado visando facilitar qualquer agenda contra esse povo a quem esta terra é legada! “dizem os bispos.

Eles também buscam "a intervenção onipotente de Deus" e chamam "todos os fiéis a uma oração incessante e confiante ao Senhor pela libertação do Haiti".

MC (com AFP)

Crédito de imagem: Shutterstock.com / Daniel-Alvarez

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.