No Iraque, a seca também está devastando os pântanos mesopotâmicos do mítico Jardim do Éden

Para alimentar e refrescar seus búfalos, Hachem Gassed agora tem que viajar cerca de dez quilômetros por terras áridas, queimadas pelo sol. No sul do Iraque, a seca varreu faixas inteiras de pântanos da Mesopotâmia do mítico Jardim do Éden.

Nos pântanos de Hawizeh, na fronteira com o Irã, ou naqueles muito turísticos de Chibayich, vastas extensões de pântanos deram lugar a solos rachados, pontilhados de arbustos amarelados.

Em questão: três anos de seca, queda de chuvas e redução do fluxo dos rios dos países vizinhos, Turquia e Irã, devido às barragens construídas a montante.

“A seca afeta tanto as pessoas quanto os animais”, diz Hachem Gassed, 35, de um vilarejo perto de Hawizeh.

Ao seu redor, o enorme lago de Oum al-Naaj tornou-se uma terra árida. Em alguns lugares, permanecem poças de água barrenta e rios estrangulados. Podemos imaginar os leitos secos dos riachos que serpenteavam pelos outrora luxuriantes pântanos - listados como Patrimônio Mundial da UNESCO.

Como seu pai antes dele, Hashem cria búfalos. “Esses pântanos são nosso sustento: lá pescávamos e nossos animais podiam pastar e beber ali. »

Das trinta cabeças do rebanho da família, restam apenas cinco. Os outros búfalos morreram ou foram vendidos para sobreviver. Os que ficam devem ser vigiados: podem se afogar na lama, incapazes de se libertar.

Pobreza, mudança climática

Os pântanos já sofreram anos de seca, antes de prósperas estações chuvosas que vêm para reabastecê-los.

Entre 2020 e 2022, nos pântanos do sul do Iraque, especialmente os de Hawizeh e Chibayich, 41% dos pântanos sofreram redução no nível da água e queda na umidade, enquanto 46% dessas áreas perderam água de superfície, segundo à ONG holandesa PAX, que se baseia em dados de satélite.

Observando "uma queda sem precedentes nos níveis de água", a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) lembra que os pântanos são "uma das regiões mais pobres do Iraque e entre as mais afetadas pelas mudanças climáticas. »

A agência destaca “o impacto desastroso” em mais de 6.000 famílias, “no processo de perder seus búfalos, seu único meio de subsistência”.

Mobilizado em Hawizeh, o ativista ambiental Ahmed Saleh Neema critica as consequências ambientais: “Não há mais peixes, lontras de pelo liso, javalis”.

Um desastre para esses pântanos que abrigam “muitas populações de espécies ameaçadas de extinção”, segundo a Unesco. O setor representa "um dos maiores locais de escala e invernada" para os patos e uma importante escala para cerca de 200 espécies de aves migratórias.

Os de Hawizeh são irrigados por dois efluentes do rio Tigre, que nasce na Turquia, assegura à AFP Neema. Seu fluxo foi reduzido, disse ele, à medida que as autoridades praticam o racionamento para cobrir as necessidades de água do país.

“O governo quer preservar o máximo de água possível”, reconhece o ativista, mas criticando a “má gestão do arquivo”. Sob pressão dos protestos, as autoridades reabriram parcialmente as comportas, antes de fechá-las novamente, disse ele.

"Procurando Água" 

Do lado iraniano, esses pântanos chamados Hoor al-Azim também sofrem de estresse hídrico: metade do setor iraniano está atualmente seco, informou recentemente a agência oficial Irna.

"O principal rio do lado iraniano que alimenta os pântanos de Hawizeh está completamente cortado há mais de um ano", explica Hatem Hamid, diretor do centro governamental de gestão de recursos hídricos no Iraque.

Do lado iraquiano, as necessidades hídricas das atividades agrícolas ou dos pântanos são cobertas apenas pela metade, reconhece, porque uma das "prioridades" é fornecer água potável.

Por mais de 50 graus, “impossível compensar a evaporação muito alta nos pântanos”, acrescenta.

Autoridades destacam canais e riachos reabilitados para alimentar os pântanos: depois de deixar as áreas secas, é aqui que as famílias se instalam.

Aninhados entre os rios Tigre e Eufrates, os pântanos da Mesopotâmia – considerados por alguns como o Jardim do Éden da Bíblia – já sofreram com os dias do antigo regime.

Para erradicar a insurreição que se escondia ali, o ditador Saddam Hussein mandou secá-los na década de 1990. Desde então, sua superfície úmida foi reduzida à metade.

Em Chibayich, Ali Jawad, 20 anos, lamenta a recente partida de dezenas de famílias de seu povoado.

“Eles migraram para outras regiões, procurando áreas onde há água”, explica: “Antes, quando chegávamos aos pântanos, encontrávamos vegetação, água, paz interior. Agora é como um deserto. »

O Conselho Editorial (com AFP)

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.