Na Nigéria, eles atacam uma igreja por engano, pedem desculpas ao padre e vão embora!

“Eles se aproximaram do nosso pároco, o reverendo padre Joseph, e perguntaram por que ele estava celebrando missa em um dia em que seu mestre estava indo ao tribunal. Eles eram bastante numerosos e estavam visivelmente zangados. »

Ao lado de Kim-Jong-Un e do Talibã, a Nigéria foi, este ano, a vencedora do Prêmio Perseguidor do Ano, prêmio dado pela International Christian Concern para desonrar os países mais perseguidores do mundo.

A organização disse que a Nigéria é “um dos lugares mais mortais do mundo para os cristãos, com 50 a 000 mortes desde 70”.

O clima é, portanto, muitas vezes de angústia para os cristãos nigerianos. Mas na terça-feira de manhã, os cristãos da paróquia Santa Teresa de Calcutá, na Arquidiocese de Onitsha, Nigéria, não podia esperar que a igreja fosse invadida por engano.

Em 18 de janeiro, supostos membros do IPOB, uma organização separatista na Nigéria, invadiram a paróquia armados com "paus e latas", acreditando que os paroquianos haviam desobedecido a ordem de ficar em casa ao se renderem na igreja.

“Eles se aproximaram do nosso pároco, o reverendo padre Joseph, e perguntaram por que ele estava celebrando missa em um dia em que seu mestre estava indo ao tribunal”, explica um cristão, antes de acrescentar que eles “eram bastante numerosos e estavam visivelmente irritados.

Assustados, os fiéis fugiram.

O padre começou a falar com os homens armados. Os atacantes então perceberam que estavam enganados ao pensar que as pessoas reunidas eram seus inimigos. Eles se desculparam com o padre e foram embora.

Uma testemunha disse que alguns cristãos estavam com tanto medo que não podiam retornar à igreja, onde se reuniram para orar pela libertação de um dos seus.

MC

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.