Na Nicarágua, as condições para a liberdade religiosa estão se deteriorando

Padres presos ou em prisão domiciliar, fechamento de meios de comunicação cristãos, repressão a organizações afiliadas aos católicos, especialistas internacionais denunciam a deterioração das condições de liberdade religiosa na Nicarágua.

A Comissão de Liberdade Religiosa Internacional dos Estados Unidos (USCIRF) falou recentemente sobre a deterioração das condições de liberdade religiosa na Nicarágua durante o primeiro semestre de 2022.

O relatório menciona a expulsão do núncio pontifício, chefe da diplomacia do Vaticano no país, "por motivos inexplicáveis", a condenação a mais de quatro anos de prisão "por acusações falsas" e a prisão de outro "por raciocínio suspeito". . Denuncia também a intensificação da repressão às organizações católicas “fechando organizações beneficentes e expulsando seus trabalhadores, privando as universidades de seu financiamento e status legal, fechando os meios de comunicação e emissoras de rádio e eliminando organizações não governamentais”.

Em 1º de agosto, vários rádios receberam notificações de encerramento e apreensão de equipamentos. Esta censura foi imposta à rádio católica mais antiga de Matagalpa, a Rádio Hermanos, como a muitas outras rádios cristãs. Uma situação descrita pela União Europeia e pelos Estados Unidos como "decisão arbitrária". Para o porta-voz do Serviço de Ação Externa da União Europeia, Peter Stano, esta é "uma nova violação da liberdade de expressão e liberdade de religião ou crença na Nicarágua".

O 4 em agosto passado, Arcebispo Rolando Alvarez de Matagalpa, que havia coordenado uma rede de cinco rádios católicas fechadas alguns dias antes, assim como seis padres e seis leigos católicos, foram impedidos pela polícia de celebrar a missa. Fotos e vídeos dessa cena foram divulgados nas redes sociais.

Em prisão domiciliar com outros 10 leigos e religiosos e vigiado pela polícia, celebrou uma missa no dia 11 de agosto do bispado da cidade, transmitida pelas redes sociais. “Graças a Deus estamos bem de saúde”, disse ele na época.

Nesse mesmo dia, o padre Aníbal Manzanares foi proibido de deixar sua paróquia. “Meus bons amigos e irmãos, a polícia me avisou esta manhã que não tenho permissão para sair, não posso ir às ruas, procissões, atividades fora do templo paroquial, então acho que estão me vigiando”, explicou. nas redes sociais.

No sábado, o regime de Daniel Ortega, presidente da Nicarágua, proibiu uma procissão católica em Matagalpa.

Antes, em julho, o Missionários de Caridade soube que tinham de deixar o país. O governo anunciou o fechamento de sua associação, acusando-os de descumprir suas obrigações legais e de não serem credenciados pelo Ministério da Família. Presentes na Nicarágua desde a chegada de Madre Teresa em 1988, as freiras acolhiam em suas casas adolescentes abandonados ou vítimas de abuso, cuidavam de menores em risco, administravam uma creche e cuidavam de idosos.

Em seu relatório anual divulgado este ano, a USCIRF já pedia que o país fosse mantido na Lista Especial de Vigilância por cometer ou tolerar graves violações à liberdade religiosa.

MC

Crédito de imagem: Shutterstock.com / Joseph Mortimer

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.