Na Itália, a vitória anunciada da extrema direita

Nas últimas eleições legislativas italianas, realizadas em março de 2018, o "Fratelli d'Italia" obteve apenas 4,4% dos votos. Quatro anos e meio depois, a formação de extrema-direita é, de acordo com todas as pesquisas, prestes a conquistar uma vitória histórica em 25 de setembro.

Se as tendências anunciadas pelas pesquisas de opinião se confirmarem, os Irmãos da Itália serão, a partir de segunda-feira, o primeiro partido no país e formarão um governo com seus parceiros de coalizão: a Liga, de Matteo Salvini, e a Forza Itália, de Silvio Berlusconi. A líder dos “Irmãos”, Giorgia Meloni, 46, se tornaria primeira-ministra.

A linhagem histórica dos Irmãos da Itália remontando aos neofascistas do pós-guerra, esse advento seria pesado de significado. De fato, o próprio símbolo do partido (uma chama tricolor) é o mesmo de seus antecessores Aliança Nacional, e as movimento social italiano, fundada por veteranos da República Social Italiana de Mussolini.

Um gráfico mostrando como os Irmãos na Itália aumentaram massivamente seu apoio nos últimos anos

A ascensão dos Irmãos da Itália. Instituto Piepoli, Autor fornecida

O resultado desta eleição já é considerado inevitável, não só porque a margem de diferença nas pesquisas é muito grande, mas também porque os partidos de centro e de esquerda não conseguiram formar uma coalizão antes do prazo. Essa incapacidade de concordar é para a esquerda uma forma de suicídio político. a sistema eleitoral italiano – em parte majoritário e em parte proporcional – favorece partidos que concluem pactos pré-eleitorais e formam grandes coalizões. No entanto, o Partido Democrata rejeitou uma aliança com o Movimento 5 Estrelas pelo papel que este desempenhou na queda do governo de Mario Draghi, Julho passado.

Quanto a "terceiro pólo", centrista, criado por dois pequenos partidos, por sua vez recusou-se a aliar-se ao Partido Democrata pela proximidade deste com a Esquerda Ecológica.

Resultado: a coligação de direita conseguiu, com mais de 40% dos votos, obter mais de dois terços das cadeiras no Parlamento italiano.

Posições de alarme

Uma maioria desse tamanho permitiria que o governo alterasse a Constituição e introduzisse a eleição do presidente por sufrágio universal direto – uma ideia com a qual os três partidos da coalizão parecem concordar.

Quando uma figura política de extrema-direita como Meloni fala em substituir a democracia parlamentar por uma “democracia popular”, isso preocupa muitos italianos. Os temores de um retorno ao fascismo como existia na Itália podem, no entanto, parecer exagerados. Um exame detalhado de qualquer área política (integração europeia, imigração, crise energética, guerra na Ucrânia) revela diferenças significativas entre os três partidos de direita. Não é certo que consigam formar um governo coerente e muito menos que consigam fazer uma revisão constitucional radical.

 

As posições adotadas pelos Irmãos na Itália também parecem muitas vezes incompatíveis, até mesmo contraditórias entre si. Isso se explica pelo fato de o Meloni ser voltado para dois públicos. É preciso ter certeza do extremismo que ela mostrará uma vez eleita; o outro é composto por membros do partido, ativistas e simpatizantes que precisam ouvir sobre as próximas mudanças, são ideologicamente orientados e mais interessados ​​no tom e no quadro geral do que nos detalhes.

Europa e Rússia

A posição de Meloni sobre a Europa é outro motivo de preocupação. Embora se declare a favor da manutenção da Itália na União Europeia, ela também quer rever vários acordos financeiros com a UE. Quanto aos outros dois partidos de sua coalizão, eles são bem conhecidos por seu euroceticismo. O seu programa ("For Italy") que diz querer um UE mais política e menos burocrática, preocupado com seu real significado.

E quanto à linha italiana sobre a questão ucraniana? A Europa e a Rússia estão se perguntando se o resultado da eleição pode levar a uma mudança na posição do governo italiano, o que prejudicaria a frente unida dos ocidentais. Se Meloni parece alinhado com a posição europeia, Salvini et Berlusconi são, por seu lado, cépticos quanto a esta linha dura em relação a Moscovo, até mesmo se opõem abertamente a ela.

O Conselho de Segurança Nacional dos EUA recentemente revelou evidências de que a Rússia está secretamente fornecendo ajuda financeira a uma ampla rede de partidos (ainda sem nome), incluindo os italianos, a fim de interromper os processos democráticos e promover a chegada ao poder de formações pró-Moscou. Suspeita-se que os partidos de direita italianos tenham se beneficiado desse apoio.

Enquanto isso, a Itália está em uma situação econômica significativamente deteriorada e está particularmente exposta à crise do gás russo. O Fundo Monetário Internacional estima que um embargo ao gás russo levaria a um contração econômica em mais de 5% – mais alto do que em todos os outros países da UE, exceto Hungria, Eslováquia e República Tcheca.

O país também seria afetado pela decisão do Banco Central Europeu rever em baixa o seu programa de estímulos: o BCE deve, de facto, continuar a sua política de subida das taxas directoras iniciada a meio do ano para combater a inflação e abrandar as suas compras de obrigações soberanas.

Não é à toa que os investidores estão vendendo títulos e fundos de hedge italianos apostar fortemente no lado negativo desses títulos. Em suma, os mercados estão preocupados, ainda que precifiquem, por assim dizer, as expectativas de uma vitória da direita, o que poderia compensar uma queda dramática após as eleições.

Uma situação comparável a 2018

Deve-se notar que a Itália já se encontrou em uma posição política semelhante. Durante as eleições gerais de 2018, alguns temiam as consequências de um partido populista, neste caso o Movimento 5 Estrelas, chegar ao poder. Este último, com uma pontuação extraordinária de 32,7% dos votos, formou um governo com a Liga de Salvini. No entanto, esse governo mostrou-se irremediavelmente dividido (alguns até diriam incompetente) e entrou em colapso um ano depois. De acordo com as pesquisas de opinião de hoje, o Movimento 5 Estrelas é agora uma força política quase marginal.

O que distingue o contexto de 2022 do de 2018 é que, pela primeira vez, os herdeiros do neofascismo estão prestes a chegar ao poder. Não devemos esquecer que o sistema político italiano é difícil de monopolizar e ainda mais difícil de reformar. Em suma, a ameaça representada por Meloni ainda não está determinada.

Martin J Bull, Professor de Política, Universidade de Salford

Este artigo foi republicado a partir de A Conversação sob licença Creative Commons. Leia oartigo original.

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.