Morte de Mahsa Amini no Irã: dezessete pessoas foram mortas desde o início das manifestações

Dezessete pessoas foram mortas no Irã desde que as manifestações começaram há seis dias para protestar contra a morte de Masha Amini, uma mulher detida pela vice-polícia.

A onda de raiva causada pela morte de Masha Amini no Irã não diminuiu. East The Day indica que um último balanço oficial comunicado quinta-feira pela televisão do Estado revela que dezessete pessoas foram mortas desde o início dos distúrbios.

"Dezessete pessoas, incluindo manifestantes e policiais, perderam a vida nos eventos dos últimos dias", anunciou ela, sem detalhar o número de manifestantes entre eles.

Em 13 de setembro, Masha Amini, da região do Curdistão, foi presa em Teerã por "vestir roupas inadequadas" pela vice-polícia, unidade responsável por fazer cumprir o rígido código de vestimenta da República Islâmica do Irã para as mulheres.

No Irã, cobrir o cabelo é obrigatório em público. A polícia da moralidade proíbe ainda que as mulheres usem casacos curtos acima do joelho, calças justas e jeans com buracos, além de roupas coloridas, entre outras coisas.

A jovem entrou em coma após sua prisão e morreu em 16 de setembro no hospital, segundo a televisão estatal e sua família.

Ativistas chamaram sua morte de "suspeita", mas a polícia de Teerã disse na semana passada que "não houve contato físico" entre a polícia e a vítima. A morte da jovem provocou uma onda de protestos no país, incluindo milhares de mulheres exigindo o fim do uso do véu.

Em um recente press Release, a Comissão de Liberdade Religiosa Internacional dos Estados Unidos (USCIRF) considera "escandaloso que usar um hijab solto no Irã possa ser um motivo para esse tipo de violência estatal" e que "os responsáveis ​​devem ser responsabilizados por esses ataques descarados a mulheres que exercem sua liberdade de religião ou crença”.

“O governo iraniano, como membro das Nações Unidas, também deve, conforme estipulado na Declaração Universal dos Direitos Humanos, respeitar o direito dos manifestantes de expressar pacificamente suas opiniões contra o uso obrigatório de coberturas religiosas na cabeça. »

O presidente dos EUA, Joe Biden, por sua vez, disse na quarta-feira que os Estados Unidos estão "ao lado" dos manifestantes.

"Estamos com os corajosos cidadãos e corajosas mulheres do Irã, que estão se manifestando neste exato momento para defender seus direitos mais básicos", disse o líder americano na plataforma das Nações Unidas.

Camille Westphal Perrier (com AFP)

Crédito da imagem: Shutterstock / Mohasseyn

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.