Meio ambiente, segurança, saúde: as questões levantadas pelo 5G

Este artigo foi publicado em colaboração com Binário.


Quando você coloca oponentes 5G em uma bolsa, você corre o risco de misturar tudo: riscos à saúde, destruição do planeta, ataques à segurança da rede e, além disso, à soberania do estado, vigilância em massa. Esses amálgamas incluem acusações facilmente e factualmente desconstruídas misturadas com problemas reais o suficiente para desqualificar as críticas?

Não, não mais do que anti-vacs, anti-ondas, anti-ciência, anti-techno, etc. que aderiram ao movimento anti-5G indo até incêndios ou degradação de rádios. Responder às perguntas simplesmente afirmando o determinismo tecnológico também não é suficiente. As dúvidas, as preocupações são legítimas para uma tecnologia que vai mudar nossas vidas, segundo o que está anunciado.

O ambiente

A tecnologia digital, em geral, levanta questões para os defensores do meio ambiente. De muitas maneiras, tem efeitos positivos no meio ambiente. Por exemplo, permite estudos detalhados de clima, gestão inteligente de energia em redes inteligentes, de motores de todos os tipos, de automóveis a aviação, economia de transporte com trabalho remoto. Por outro lado, participa da corrida rumo a cada vez mais produtividade e consumo. Este aspecto muito geral do debate será ignorado aqui, onde nos concentraremos no 5G.

Do lado positivo, o 5G foi projetado desde o início para ser eficiente em termos de energia. Sabendo que os números não se estabilizaram, deve-se dividir fortemente o consumo de eletricidade para o transporte de um Gigabyte de dados; estamos falando sobre divisão por 10 e, em última análise, por 20 em comparação com 4G. Embora essas previsões possam ser excessivamente otimistas, deve-se observar que são consistentes com a história, que de fato viu essas melhorias de 2G para 3G e 4G. E também poderíamos citar a economia de mudar de fio de cobre para fibra ou de data centers “antigos” para mais modernos. A tecnologia digital também sabe caminhar em direção a mais sobriedade, o que lhe permitiu absorver grande parte da explosão de dados transferidos pela rede nos últimos vinte anos.

Parte dessa explosão, sim, mas apenas parte, porque é preciso levar em conta o efeito rebote. De forma muito geral, o efeito rebote, também denominado paradoxo de Jevons, observa que as economias (monetárias ou outras) esperadas em decorrência de uma melhoria na tecnologia podem ser perdidas após uma adaptação do comportamento da sociedade. Com as melhorias na tecnologia que permitiram que mais e mais dados fossem transportados, essa quantidade de dados transportados aumentou dramaticamente, quase dobrando a cada dezoito meses. Se os recentes confinamentos devido à pandemia não deixaram o 4G de joelhos, é graças ao ano de antecedência que as operadoras são obrigadas a absorver esse crescimento, inteiramente devido a usuários em outros lugares.

A introdução do 5G permitirá que este aumento continue, o que segundo alguns resultaria num aumento do impacto negativo das redes no ambiente.

Claro, devemos nos perguntar se teria sido melhor recusar o 5G. Sem o 5G, as redes de telecomunicações no centro das cidades teriam ficado rapidamente saturadas, o que teria levado à densificação das redes de estações 4G. Sem dúvida, teríamos visto o mesmo impacto negativo em uma rede que teria então falhado maciçamente, porque 4G não suporta saturação por motivos intrínsecos à sua tecnologia. Não implantar 5G não teria resolvido nenhum problema, o verdadeiro assunto é a sobriedade.

No contexto da implantação atual, uma questão real é a dos custos ambientais de fabricação de elementos de rede, como estações de rádio e, especialmente, telefones. Você deve saber que a fabricação de um telefone celular emite muito mais gases de efeito estufa (GEE) do que o seu uso. Se todos os franceses entrarem correndo e trocarem de telefone para ter acesso ao 5G, teremos um custo enorme em termos de emissões de GEE. Teríamos que convencê-los de que é inútil e que podemos nos contentar com a renovação “normal” dos telefones. É importante insistir aqui no “normal”: os franceses trocam de telefone a cada 18 meses, o que não é normal de forma alguma. Embora fosse realmente necessário quando os telefones estavam longe de sua capacidade de computação atual, não é agora. E produzir todos esses telefones cria um desperdício de recursos, energia e emissões de GEE. Além do tópico 5G, o que estamos fazendo para retardar essas substituições? O que estamos fazendo para que eles não aceleram o toque de sereia da indústria de smartphones?

Os usos também devem ser questionados. Assistir a um vídeo em um smartphone consome várias vezes a eletricidade necessária para assistir o mesmo vídeo após o download por fibra. Mas a situação é tudo menos simples. Como você compara assistir a um curso de 4G por um aluno que não tem outra conexão com a Internet a assistir a um vídeo (que poderia ter sido baixado com antecedência) no metrô de Paris? Não se trata aqui de decidir para o cidadão o que ele pode ver de acordo com o contexto, mas apenas de sensibilizá-lo para a questão do custo ambiental das suas escolhas digitais e dar-lhe os meios, se assim o desejar, de ter comportamentos mais sóbrios.

Segurança e vigilância em massa

Nessas dimensões, os efeitos são contrastados.

Para a segurança cibernética, o 5G oferece maneiras de ser mais exigente, por exemplo, criptografando as trocas ponta a ponta. Por outro lado, ao aumentar a área de superfície dos hotspots, aumentamos os riscos de segurança. Em particular, a virtualização de redes que apresenta abre a porta para ataques de software. A Internet das Coisas, potencialmente impulsionada pelo 5G, também levanta dúvidas quando vemos a fragilidade da segurança dos objetos conectados, desde os mais simples, como sensores de baixa energia, até os mais críticos, como os marcapassos. O risco associado à cibersegurança proveniente da Internet das Coisas é agravado pela fragmentação deste mercado, o que dificulta a convergência para um quadro e requisitos comuns.

Em termos de vigilância, os efeitos também são mistos. As autoridades públicas temem que seja mais difícil interceptar as comunicações de bandidos, terroristas, etc. Os cidadãos estão preocupados com a implementação de videovigilância massiva. O 4G já permite esse monitoramento, mas o 5G, ao aumentar as velocidades disponíveis, facilita. Os sonhos dos ditadores podem ser realizados cobrindo o país com uma câmera cujos fluxos são analisados ​​por softwares de inteligência artificial. O pesadelo. Mas o 5G não pode ser considerado responsável sozinho; se isso acontecer, será também devido à falta de vigilância por parte dos cidadãos e dos seus representantes eleitos.

O acúmulo de ondas 5G e / ou eletromagnéticas prejudica a saúde?

É um assunto antigo. Como essas ondas são amplamente utilizadas (telecomunicações, wi-fi, forno de microondas, radares, etc.) e são invisíveis, elas preocupam há muito tempo. Seus efeitos sobre a saúde têm sido intensamente estudados sem realmente permitir que se conclua qualquer nocividade em um uso racional. A grande maioria dos especialistas acredita que não há risco para a saúde desde que os limites recomendados pela OMS sejam seguidos, o que já agrega margens significativas além dos limites onde se acredita que haja risco. É importante destacar que alguns países, como a França, ainda vão além das recomendações da OMS.

No entanto, outros especialistas acreditam que existem riscos para a saúde. E geralmente concordamos em continuar os estudos para entender melhor os efeitos biológicos das ondas, dependendo das frequências usadas, da potência e da duração da exposição. Com o tempo, novas questões surgem como o acúmulo dos efeitos de diferentes ondas e, após focar nas energias absorvidas e nos efeitos térmicos, abordamos os efeitos não térmicos.

A polêmica se cristaliza em torno da "hipersensibilidade a ondas eletromagnéticas". É uma patologia reconhecida em muitos países, que se manifesta em dores de cabeça, dores musculares, distúrbios do sono, etc. Apesar do nome, a pesquisa médica não mostrou nenhuma ligação com a exposição às ondas. Suas causas permanecem misteriosas.

Vamos à questão mais específica do 5G. 5G mobiliza novas faixas de frequência diferentes, em torno de 3,5 GHz e cerca de 26 GHz. Com 3.5 GHz, estamos muito próximos de frequências já utilizadas, por exemplo por wi-fi, e de frequências cujos efeitos foram bem estudados. Para 26 GHz, se o uso dessas ondas pelo público em geral é novo, já temos estudos sobre essas altas frequências. No entanto, o novo uso dessas frequências específicas legitima o fato de que novos estudos estão sendo realizados para elas, o que já é o caso.

Um aspecto do 5G também está levando naturalmente a novos estudos: as antenas MIMO de que falamos. Eles permitem que o programa se concentre no usuário. Isso evita ondas em todo o espaço. Por outro lado, o usuário estará potencialmente exposto a menos ondas no total, mas a potências maiores. O contexto da exposição mudando tão radicalmente leva a redefinir a noção de exposição às ondas e, talvez, a novos padrões de exposição. Isso, portanto, leva a repensar até mesmo os conceitos de medição.

Concluímos esta seção mencionando outro efeito na saúde que vai muito além do 5G para envolver todo o digital: a velocidade de desenvolvimento dessas tecnologias. A tecnologia digital fornece às pessoas os meios para melhorar suas vidas. Muitas vezes é esse o caso e, como especialistas em TI, gostamos de enfatizar essa dimensão. Mas, a tecnologia digital também impõe seu ritmo e sua instantaneidade aos indivíduos, às vezes (frequentemente?) Em seu detrimento. Isso é especialmente verdadeiro em um contexto profissional. Ao mesmo tempo que nos alivia de tarefas penosas, pode impor um ritmo desumano. Aqui estão, obviamente, usos que devem ser rejeitados. Em particular, devemos estar vigilantes para evitar que o 5G participe da desumanização do trabalho.

Economia e soberania

É difícil avaliar o impacto econômico do 5G, mas analistas dizem que ele afetará muitos setores, por exemplo, manufatura de fábricas e depósitos. Espera-se também que leve a novas linhas de serviços ao consumidor e à transformação dos serviços governamentais. Portanto, ouvimos: O mundo de amanhã será diferente com o 5G, e aqueles que não fizeram o 5G ficarão maravilhados. Esta é uma das respostas apresentadas aos detratores do 5G, a razão econômica. Repassaríamos um pouco o que aconteceu com as plataformas da Internet: saímos tarde demais e de repente estamos lutando para recuperar o atraso. Sem o 5G, a economia nacional perderia competitividade e cairíamos no terceiro mundo.

É difícil validar ou refutar tal afirmação. Será que desistiríamos do 5G por um tempo ou indefinidamente? Seria para adotar outra tecnologia? Por outro lado, podemos colocar a questão do nosso lugar nesta técnica particular, a da França e a da Europa.

Em termos de desenvolvimento tecnológico, ao contrário de outras áreas, a Europa está bem posicionada com duas em cada três empresas europeias a dominar o mercado, Nokia e Ericsson. Podemos até dizer que a Nokia é “um pouco” francesa porque inclui a Alcatel. A última empresa dominante é a chinesa, a Huawei, que os Estados Unidos e outros estão tentando manter fora do caminho porque está mais ou menos sob o controle do Partido Comunista Chinês. A França está tentando impedir que comunicações de atores sensíveis passem por equipamentos da Huawei, o que efetivamente equivale a excluí-los em grande parte da rede francesa.

Quanto aos usos, os fabricantes franceses parecem estar finalmente interessados. Os círculos científicos europeus e as empresas de tecnologia europeias não estão (muito) ficando para trás, mesmo que possamos estar preocupados com o domínio americano e chinês em setores como componentes eletrônicos ou software, e os investimentos verdadeiramente maciços dos Estados Unidos e da China em tecnologias digitais muito maior do que na Europa. Podemos, portanto, estar preocupados com o facto de a economia e a indústria europeias estarem a ficar para trás. É verdade que o 5G não estará totalmente presente por dois ou três anos. Podemos esperar que este atraso seja usado para nos lançar melhor, talvez quando tivermos melhor entendido as questões, esperando que não seja tarde demais, que ao chegar atrasados, não tenhamos deixado os primeiros a chegarem agarrarem a aposta (“vencedor -leve tudo").

Como vimos, certas questões sobre o 5G merecem nossa atenção, que continuemos pesquisando, que mudemos nosso uso de tecnologias celulares. 5G está bem no início de sua implantação. Os assuntos cruzados desafiam o cidadão. Queremos colocar esta tecnologia ao nosso serviço, por exemplo, para evitar que conduza à vigilância em massa ou imponha ritmos de trabalho desumanos. Temos a obrigação de colocá-lo a serviço da ecologia, evitando, por exemplo, mudanças muito frequentes de smartphones ou downloads prematuros de vídeos em movimento. É por isso que os cidadãos precisam se familiarizar com esses tópicos para escolher o que desejam que o 5G seja. Decidir sem entender raramente é a solução certa.

Serge Abiteboul, Diretor de Pesquisa da Inria, membro da Académie des Sciences, Índia et Gerard Berry, Professor emérito em ciência da computação, Escola secundária da França

Este artigo foi republicado a partir de A Conversação sob licença Creative Commons. Leia oartigo original.

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.