"Killing God mata": uma coluna de Virginie Tellenne em resposta à primeira página do Charlie Hebdo

Em 7 de janeiro de 2015, os maiores nomes da zombaria libertária e zombaria dos padres foram abjetamente assassinados por pacientes do Daesh religiosamente alterados. Um ataque que nenhum Satanás pode justificar, exceto para cometê-lo ele mesmo. Este ato sanguinário, que arrebatou Cabu, Charb, Wolinski e seus companheiros de desenhos, é a suprema blasfêmia: matar em nome de Deus.

Paz para suas almas neste dia.

Cdeveria ter apaziguado os sobreviventes que se tornaram novos heróis franceses por meio de seus “mártires ateus”. Mas não, um dia após o massacre, o espírito Charlie, sobrevivente do drama, mas não do ateísmo fundamentalista, voltou a manifestar-se, por trás da legítima emoção do país, sob outra blasfêmia: a caricatura do sagrado.

À luz de Charlie há um ano, o profeta foi atraído por um perdão muito cristão. Com o slogan "Je suis Charlie" nas mãos que cumpriram o sacrilégio do Invisível, essa zombaria humilhou 5 milhões de muçulmanos, sinceramente ansiosos por participar do luto da nação. Ausentes da manifestação nacional, eles sofreram em silêncio com a venda estrondosa desses 5 milhões de Charlie, como tantas liminares para apostatar. E que só conseguiram confirmá-los na sua fé e na sua comunidade.

Um ano e 150 vítimas depois, de todas as religiões, Charlie ainda é um ateu militante. Mas desta vez, não temerária, a irreverência anti-religiosa poupa Alá e recai sobre um deus cacoquímico e massacrante, que, como Papai Noel é um lixo sangrento, "sempre carrega" um kalach pendurado no ombro. Alegremo-nos, crentes zombados, o ridículo judaico-cristão matará menos.

Sob o pretexto de ser livre de expressão, o escárnio degrada no mesmo gesto fatal o carrasco e suas vítimas: gagueja diante da liberdade religiosa, atropela o laicismo cristão e esquece o Une-homenagem aos companheiros que morreram no campo da honra de obscurantismo. Até a placa da morte está perdida! Acima de tudo, descobrimos a terrível verdade. Como Deus pode ser um assassino, embora ele não exista?

Diante da crise e da morte - causadas pelo mesmo abandono da alma - os rebeldes a Deus têm a solução: continuar a rir livremente e enxugar os pés no sagrado universal, em nome dos direitos do Homem. Mas na terra da filha mais velha da Igreja, matar Deus não leva a lugar nenhum, exceto a sociedade ao nada e a humanidade à sua destruição. Porque Deus é o nosso íntimo, os ataques incessantes contra Ele tornam um assassino. Matar Deus mata o homem e abate seus direitos. Rir de Deus divide uma sociedade já polifragmentada.

Isso é "unidade nacional"?

Ria com Deus Salve

Se de fato existe um ser espiritual a quem desejamos em nossa companhia profunda, é Deus. Deus é humor, essa doce mistura de humildade e amor. Sim, Deus nos tira de nosso isolamento sombrio, nos eleva em direção ao que está além de nós, como uma boa risada sai de nós para nos conectar a todos aqueles que se comunicam na mesma alegre hilaridade; o do bem-estar da alegria. Porque o humor, o verdadeiro humor, nunca contamina: nem a amizade, nem o amor, nem o vínculo entre os cidadãos. O humor rejuvenesce a alma.

Em 4 de dezembro de 2015, Laurent Violet, campeão do humor negro e do amor verdadeiro, morreu. Ele tinha 50 anos. Ele foi insolente: a prova, ele havia sido demitido da France Inter. Ele disse que não acreditava, mas nunca zombou daqueles que riam com Deus. Melhor, ele ria com eles.

Então nós também rimos e vivemos, nossa vida é tão curta. Com um pouco de humildade e muito amor, vamos embelezar. A humanidade já está ferida demais para aceitar essa guerra de fundamentalismos por zombaria, narcisismo e maldade. É através do respeito por todos, e de nossa consciência desperta pelo Humano, que conquistaremos a paz. O dos bravos.

Nossa França merece.

Virginie Tellenne Frigide Barjot 

Fonte:  O conversador

Leia seu último livro: Humano mais forte que o mercado

Reproduzido com gentil permissão do autor

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.