Elogio fúnebre para os 38 cristãos massacrados em Madamai: "É verdade que estamos tristes, mas não esmagados"

“É verdade que estamos tristes, mas não esmagados. Isso significa que, embora soframos terrível aflição, rejeição e abandono, não seremos vencidos por isso por causa do poder de apoio de Deus. "

Nos dias 26 e 27 de setembro, na Nigéria, vários ataques deixaram 49 mortos. Um residente local denunciou um  "Série macabra de assassinatos" que deixou às populações apenas “Deus e esperança”.

Entre esses assassinatos, 38 cristãos atacaram em sua aldeia de Madamai. Eles foram enterrados em um túmulo do indigente. Durante o funeral, o reverendo Michael Cosmas Magaji encorajou os fiéis.

“É verdade que estamos tristes, mas não esmagados. Isso significa que, embora soframos terrível aflição, rejeição e abandono, não seremos vencidos por isso por causa do poder de apoio de Deus. "

USCIRF, Comissão dos EUA para Liberdade Religiosa Internacional, falou sobre a violência cometida contra cristãos xiitas e muçulmanos na Nigéria. Ela disse estar "alarmada" e condenou "os recentes casos de violência contra comunidades religiosas na Nigéria, incluindo ataques contra cristãos nos estados de Kano e Kaduna e violência contra muçulmanos xiitas em Abuja".

A declaração da USCIRF deplora o fato de que as comunidades cristãs foram as principais vítimas de um conflito étnico-religioso violento por muitos anos.

Tony Perkins é comissário da USCIRF. Ele também deplora a falta de ação do governo nigeriano.

“Estamos arrasados ​​com as notícias desses ataques recentes e indignados que o governo nigeriano não tenha feito mais para prevenir esta violência e trazer justiça aos perpetradores. "

A USCIRF pede que a Nigéria seja reclassificada como "países de particular preocupação" e Boko Haram como "entidade de particular preocupação".

MC

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.