ONU atribui morte de jornalista cristã, Shireen Abu Akleh, a tiroteio da IDF

De acordo com as conclusões do Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, a jornalista Shireen Abu Akleh foi morta por um tiro das forças de segurança israelenses. Uma versão que Israel contesta. 

Durante um ponto de imprensa em Genebra que foi realizado nesta sexta-feira, 24 de junho, Ravina Shamdasani, porta-voz do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH), disse que o A jornalista palestina-americana Shireen Abu Akleh foi morto em 11 de maio por tiros das Forças de Defesa de Israel.

“Todas as informações que coletamos – incluindo informações oficiais do exército israelense e do procurador-geral palestino – são consistentes com a conclusão de que os tiros que mataram Abu Akleh e feriram seu colega Ali Sammoudi vieram das forças de segurança israelenses e não indiscriminadamente. Tiroteio palestino, como as autoridades israelenses alegaram pela primeira vez. »

“Não encontramos nenhuma informação sugerindo que houve atividade por parte de palestinos armados nas imediações dos jornalistas”, continuou o representante do ACNUDH, acrescentando que a organização “inspecionou fotos, vídeos e áudios, visitou o local, consultou especialistas, revisou as comunicações oficiais e entrevistou testemunhas” para tirar tais conclusões.

Ela afirma ainda que a “Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, continua a instar as autoridades israelenses a abrir uma investigação criminal sobre o assassinato de Abu Akleh e todos os outros assassinatos e ferimentos. crimes graves cometidos pelas forças israelenses no Ocidente Bank e no contexto das operações de aplicação da lei em Gaza".

Segundo o ACNUDH, desde o início do ano, as forças de segurança israelenses mataram “58 palestinos na Cisjordânia, incluindo 13 crianças”.

“O direito internacional dos direitos humanos exige uma investigação rápida, completa, transparente, independente e imparcial sobre qualquer uso da força que resulte em morte ou ferimentos graves. Os perpetradores devem ser responsabilizados”, concluiu Ravina Shamdasani.

Le Horários de Israel relata que poucas horas após a declaração da ONU, o exército israelense emitiu uma declaração intitulada "Onde está a bala" na qual rejeita as conclusões do Alto Comissariado para os Direitos Humanos, dizendo em particular que esta investigação é tendenciosa. As Forças de Defesa de Israel novamente instaram a Autoridade Palestina a entregar a bala que matou o jornalista a eles para análise.

Camille Westphal Perrier

Crédito da imagem: Shutterstock / Phil Pasquini

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.