Irmã Ibtisam, nascida em Qaraqosh, conta como se tornou freira

“Eu gostava de fazer o bem. Não foi uma gratificação egocêntrica, mas me trouxe paz interior, me restituiu o sentido mais verdadeiro da humanidade: viver com os outros e para os outros. »

Oito anos atrás, a tomada do Estado Islâmico forçou os cristãos a fugir da planície de Nínive. Eles foram então 1,5 milhão de cristãos para viver em Mosul, Qaraqosh e outras cidades na planície de Nínive.

Entre eles, a irmã Ibtisam Habib Gorgis, uma freira missionária franciscana. Por Notícias do Vaticano, que nasceu e cresceu em Qaraqosh, uma cidade assíria no norte do Iraque, relembra sua jornada de fé.

Irmã Ibtisam estudou biologia na universidade, onde se associou a um grupo de estudantes cristãos. “Vivíamos em paz”, diz ela.

Ela se lembra de seu compromisso com os mais pobres.

“Eu gostava de fazer o bem. Não foi uma gratificação egocêntrica, mas me trouxe paz interior, me restituiu o sentido mais verdadeiro da humanidade: viver com os outros e para os outros. »

Mas então ela expressa sua impressão de ainda não ter “encontrado um lugar onde eu possa me realizar plenamente”. E isso, até o encontro com um irmão franciscano, depois a visita de duas freiras italianas que o convidam para seu convento na Jordânia.

“Cheguei agora ao que, em nossas regiões, é a idade do casamento… Mas queria ser livre”, continua ela.

A jovem foi então para a Jordânia e descobriu o modo de vida das freiras, mas sobretudo "uma crescente paz interior".

“O ponto sem volta, pode parecer ridículo, foi quando cortaram meu cabelo; uma verdadeira ruptura com a vida anterior. Mas, apesar de todas as dificuldades a superar, senti uma paz interior crescente. As mudanças de vida geralmente causam preocupação, ansiedade; essa mudança, embora tão radical, despertou em mim uma grande paz. »

Depois do noviciado na Itália, Irmã Ibtisam foi para Belém, Nazaré, depois três anos em Bagdá.

Em 6 de agosto de 2014, ela estava em Qaraqosh quando “Daesh (…) entrou na região de Nínive”. Ela ficou “até o fim” para ajudar as pessoas a fugir e apoiar os deslocados, mas também porque não sabia para onde ir.

Ela então partiu para Israel, antes de retornar ao Iraque dois anos depois. Ela agora cuida de 500 crianças em um jardim de infância em Qaraqosh.

MC

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.