Incluir o aborto na constituição, uma ideia acima do solo [OPINION]

Após a decisão da Suprema Corte dos Estados Unidos de devolver aos estados federais a liberdade de legislar sobre o aborto (cf. LSDJ n ° 1622), uma onda de propostas visando “concretizar” o aborto está varrendo a Europa.

Na França, um dos países onde o aborto é mais praticado, foi Aurore Bergé, presidente do grupo Renaissance (ex. LREM), quem reviveu essa ideia. Durante o mandato anterior, o grupo LREM não havia apoiado propostas semelhantes emanadas da esquerda (socialistas, comunistas, rebeldes). E agora, por influência de uma decisão tomada em Washington, a maioria opera uma inversão imediatamente apoiada pelo governo, Elisabeth Borne, nova primeira-ministra, na liderança: ela declarou que o governo apoiaria essa proposta “com força”. Sem surpresa, o NUPES pela primeira vez concorda com o primeiro-ministro…

No entanto, a proposta de Aurore Bergé suscitou pouca reação na classe política francesa, com a notável exceção de François Bayrou, presidente do Modem, aliado da maioria presidencial: "Francamente, no estado em que o país se encontra, com todas as questões que temos diante de nós, é bom e útil fazer isso? Embora nenhum partido político questione a lei Veil e o que ela se tornou através dos diferentes desenvolvimentos, não sou a favor de rastrear a vida política americana. » (Le Monde, 26/06/2022) “Cuidado com as leis de trânsito” alertou o presidente do Senado, Gérard Larcher.

A alteração da Constituição, a fortiori sob a influência de um Tribunal Constitucional estrangeiro, é “um acto importante e grave, do ponto de vista jurídico e ainda mais do ponto de vista da coesão nacional”, adverte Guillaume Drago, professor de direito constitucional. “Precisamos de estabilidade jurídica e de princípios claros e indiscutíveis que levem sempre à manutenção da Constituição e à felicidade de todos, conforme consta na Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão de 26 de agosto de 1789” (Aleteia, 2/07/22). “Esta reforma foi imaginada na emoção do acórdão do Supremo Tribunal Federal com uma dimensão simbólica sem se preocupar com as suas consequências jurídicas” confirma Anne Levade, professora de direito público (Le Figaro, 30/06/2022). "Inscrever o aborto na Constituição é inútil e sem sentido" sublinha a jurista Anne-Marie Le Pourhiet: "Somos um país de tradição legicentrista e republicana onde é o parlamento, representante da nação, que faz a lei e não o juiz . » (Marianne (27/06/2022). A esse respeito, deve-se notar que, em 24 de junho, a Suprema Corte americana devolveu precisamente aos Estados um direito que havia se arrogado no acórdão Roe v Wade de 1973...

Além disso, na lei Véu, o aborto é reconhecido como exceção, e não como direito. “O primeiro artigo da parte relativa à interrupção voluntária da gravidez (art. L 2211-1) reproduz o artigo 16.º do Código Civil, nos termos do qual “a lei assegura o primado da pessoa, proíbe qualquer ataque à dignidade desta e garante o respeito pelo ser humano desde o início de sua vida”. E o artigo seguinte (art. L 2211-2) especifica que “este princípio só pode ser infringido em caso de necessidade”. O aborto é assim apresentado explicitamente como um atentado ao princípio do respeito ao ser humano desde o início de sua vida. É um texto excepcional, não um direito", sublinha a jurista Aude Mirkovic (Aleteia, 03/07/2022).

Para que a Constituição fosse alterada, teria que haver (de acordo com o artigo 89 da Constituição de 4 de outubro de 1958) um ​​consenso dentro do governo e das duas assembleias (Assembleia Nacional e Senado). A oposição do Presidente da República, do Primeiro-Ministro ou de uma das duas assembleias bastaria para impedir a revisão. Concretamente, quer se trate de um projeto de lei (se a iniciativa vier do governo) ou de um projeto de lei de um membro privado (do Parlamento), a revisão da Constituição exigiria que a Assembleia Nacional e o Senado a adotassem nos mesmos termos (ao contrário de outras leis , onde um consenso pode surgir de uma comissão mista, sem a qual a última palavra vai para a Assembleia Nacional), então ele é validado, seja por referendo (o que implica uma campanha e um debate com repercussão em toda a sociedade), seja por uma votação por maioria de 3/5 dos parlamentares, deputados e senadores, reunidos no Congresso em Versalhes. Um objetivo difícil de alcançar, para não dizer fora de época, dada a atual composição da Assembleia e do Senado.

A proposta de Aurore Bergé, portanto, parece ser simbólica, até gesticular. No entanto, não é trivial: "É um salto adicional para uma banalização cada vez maior do aborto em detrimento de um exame real das causas, condições e consequências do aborto", observa Alliance Vita.

Felipe Oswald

Este artigo foi publicado em Seleção do dia.

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.