Hong Kong: cardeal pró-democracia de 90 anos Joseph Zen no tribunal

O cardeal católico Joseph Zen, de 90 anos, compareceu a um tribunal de Hong Kong na terça-feira, onde foi acusado de não registrar adequadamente um fundo para ajudar manifestantes pró-democracia.

Após sua aparição, o cardeal celebrou, na presença de centenas de fiéis católicos, uma missa dedicada às igrejas da China continental.

Dom Zen, um dos mais altos dignitários da Igreja Católica na Ásia, foi preso no início de maio juntamente com quatro outras figuras importantes do movimento pró-democracia, incluindo a cantora Denise Ho e a advogada Margaret Ng em nome da Lei de Segurança Nacional.

Essas personalidades eram os administradores de um fundo, agora dissolvido, oferecendo financiar parte das despesas legais e médicas dos presos durante as grandes manifestações pró-democracia de 2019.

Eles foram presos por "conspirar em conluio com forças estrangeiras", uma acusação que acarreta prisão perpétua sob a lei de segurança nacional imposta por Pequim em 2020.

Mas o tribunal até agora só aceitou a acusação de não registo do fundo junto da polícia, que não decorre da lei de segurança nacional e incorre numa multa de 10.000 dólares de Hong Kong (1.190 euros) para uma primeira condenação.

Todos os réus se declararam inocentes na terça-feira. O julgamento começará em 19 de setembro.

A promotoria assegurou que tinha 10 casos de exposições e oito horas de gravações de vídeo para apoiar as acusações.

A investigação contra o '612 Humanitarian Relief Fund' foi lançada depois que um dos curadores, o acadêmico Hui Po-keung, foi preso no aeroporto quando estava prestes a assumir um cargo em uma universidade.

A prisão do cardeal Zen provocou indignação em muitos países ocidentais, que acusam a China de acabar com as liberdades prometidas a Hong Kong.

Diplomatas de vários países europeus, incluindo Alemanha, França, Suécia e Itália, participaram da audiência na terça-feira.

O ministro da Segurança da cidade, Chris Tang, ignorou as críticas na segunda-feira na imprensa local, chamando-a de "uma campanha de difamação clássica".

"O mínimo" 

O Vigário Geral de Hong Kong, Joseph Chan, participou da audiência na terça-feira, mas disse que não representava a diocese lá.

O cardeal Zen "foi meu professor, então vim", disse à AFP.

O Sr. Chan disse que estava principalmente preocupado com a saúde do Bispo Zen, embora este último parecesse estar de bom humor.

Na noite de terça-feira, centenas de fiéis compareceram a uma missa celebrada pelo cardeal na Igreja da Santa Cruz, no leste da ilha de Hong Kong.

"É claro que devemos respeitar o estado de direito, mas usar a lei para oprimir certamente não é a razão de ser do estado de direito", disse Louise, professora, à AFP.

"Quando um homem é vítima de leis injustas, não é a menor das coisas vir prestar-lhe homenagem", defendeu Philip, que trabalha na área da saúde.

O prelado dedicou a missa às igrejas da China continental, onde milhões de fiéis não podem praticar livremente sua religião sob o regime do Partido Comunista oficialmente ateu, que controla rigorosamente as instituições religiosas reconhecidas pelas autoridades.

Em sua homilia, o cardeal Zen criticou um acordo Vaticano-China que permite a Pequim nomear bispos com a aprovação do Papa, dizendo que foi "equivocado" apesar de ter "boas intenções".

Seria necessário reunir os fiéis que estão sob a jurisdição da Igreja subserviente ao regime de Pequim e os fiéis da Igreja clandestina, ilegal aos olhos das autoridades chinesas, estimou.

Mas "parece que os tempos ainda não estão maduros", sublinhou, no entanto, aludindo ao clero clandestino que se recusa a submeter-se às exigências das autoridades.

Ele convidou orações pelas igrejas na Birmânia lideradas pelo cardeal birmanês Bo, e pelos "irmãos e irmãs que não podem se juntar (os fiéis) esta noite porque não são livres".

O Conselho Editorial (com AFP)

Crédito da imagem: Shutterstock / Yung Chi Wai Derek

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.