Guerra na Ucrânia: Arcebispo de Canterbury denuncia 'assassinatos lascivos dos preciosos filhos de Deus'

O arcebispo de Canterbury, Justin Welby, condenou os assassinatos de civis na cidade ucraniana de Boutcha. Ele pede o fim do confit. 

“Com a guerra vem a perda de nossa humanidade – e isso é exposto para o mundo ver em Boutcha”, escreveu o arcebispo de Canterbury em um tweet publicado no domingo, 3 de abril.

“Que aqueles que estão travando esta guerra agressiva contra o povo ucraniano encontrem sua humanidade e parem com esses assassinatos lascivos dos preciosos filhos de Deus”, continuou Justin Welby.

O arcebispo de Canterbury se refere em seu tweet a imagens de centenas de civis assassinados na cidade de Boutcha, localizada perto de Kiev, que recentemente provocaram indignação internacional.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, disse estar "profundamente chocado" com as imagens. “É essencial que uma investigação independente leve a uma responsabilização efetiva”, acrescentou.

Antony Blinken, o secretário de Estado americano, declarou a ele no domingo que a visão desses corpos civis espalhados pelas ruas de Boutcha foi "um soco no estômago".

Segundo o chanceler Olaf Scholz, a Alemanha vai elaborar novas sanções com seus aliados contra a Rússia por "crimes de guerra" cometidos por tropas russas nesta cidade.

"O assassinato de civis é um crime de guerra, e devemos investigar implacavelmente esses crimes cometidos pelas forças armadas russas", disse ele.

O presidente ucraniano Volodymyr Zelensky estimou na segunda-feira, enquanto visitava a cidade, recentemente retomada das forças russas, que "crimes de guerra" que serão "reconhecidos como genocídio" foram cometidos lá.

Camille Westphal Perrier (com AFP)

Crédito da imagem: Creative Commons / Wikimedia 

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.