Grégoire Courtine, o francês que faz paraplégicos voltarem a andar [OPINIÃO]

É um milagre digno dos evangelhos: três homens que não conseguiam se mover ou mesmo sentir suas pernas são capazes de andar novamente.

Esses pacientes paraplégicos podem se movimentar por meio de um implante composto por cerca de quinze eletrodos que estimulam eletricamente diversas áreas da medula espinhal. Mas aqui não se trata de milagre, mas de ciência: o neurocientista francês Grégoire Courtine está na origem dessa revolução que pode mudar a vida de muitos paralíticos, com a equipe que lidera ao lado da cirurgiã suíça Jocelyne Bloch.

Sua abordagem é revolucionária: restabelecer a comunicação entre o cérebro e a medula espinhal por meio de uma "ponte" eletrônica que, uma vez implantada, pode fazer com que os nervos se reconstruam e restaurem as habilidades motoras nas pernas. Esse sucesso médico não caiu do céu: é fruto de dez anos de pesquisa. Foi em 2012 que nasceu a ideia de usar uma corrente elétrica para recriar movimentos que se tornaram impossíveis devido a uma lesão na medula espinhal. O trabalho do burgúndio Grégoire Courtine mostrou então que um rato paralisado voltou a andar. Em 2017, o primeiro paciente foi operado.

Próximo passo para este empreendedor vencedor do Prêmio Rolex: realizar um ensaio clínico em três pacientes paralisados ​​há cerca de um ano, com o objetivo de entender melhor as ligações entre os sinais cerebrais e a estimulação da medula espinhal. “O movimento sempre foi muito importante para mim porque adoro esportes, explica Grégoire Courtine, que também é apaixonado por escalada e esportes radicais. Foi isso que me levou a estudar como o cérebro controla o movimento. » Ele se inspirou na Fundação Christopher & Dana Reeve nos Estados Unidos, mas foi sobretudo o encontro em Zurique com um jovem que havia perdido o movimento das pernas que desempenhou um papel desencadeante. “Me identifiquei muito com ele, pois tinha a mesma idade e a mesma paixão pelo esporte. Foi de partir o coração vê-lo perder algo que eu considerava tão importante. » Foi lá que decidiu dedicar sua carreira científica a encontrar uma solução para pessoas que sofrem de lesões na coluna vertebral.

Este ano, os pacientes operados puderam dar muito mais do que alguns passos: após cinco meses de reabilitação, um dos pacientes conseguiu andar um quilômetro!Eletrodos mais longos e maiores do que os usados ​​anteriormente permitem o acesso a mais músculos. Além disso, graças ao software que usa inteligência artificial, os impulsos elétricos desta vez são muito mais precisos e correspondem melhor a cada movimento. Uma empresa chamada Onward levantou fundos por meio de um IPO impressionante e está trabalhando para comercializar a tecnologia de restauração de mobilidade desenvolvida pelos dois pesquisadores e sua equipe. Mais alguns anos, e esse progresso certamente beneficiará o maior número. Sete milhões de pessoas em todo o mundo sofrem de lesões na medula espinhal. Incluindo 650 na Europa e nos Estados Unidos. Por enquanto, essa estimulação elétrica ainda é temporária, mantê-la permanentemente esgotaria o corpo do paciente. Da mesma forma, uma vez extinta, não tem efeito duradouro. Mas poder recorrer a ela, mesmo que apenas algumas horas por dia, já transformou o cotidiano dos primeiros pacientes operados.

Fonte: Le Monde

Este artigo foi publicado em Seleção do dia.

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.