Futuro da Igreja: Os bispos adotam um texto que será enviado ao Vaticano

Lugar das mulheres, liturgia, exercício dos sacerdotes: os bispos católicos da França adotaram na quarta-feira um texto de compromissos relativos ao futuro da Igreja que será enviado ao Vaticano, indicaram após uma assembléia plenária em Lyon.

Este encontro fez parte do "sínodo sobre a sinodalidade" ou sínodo sobre o futuro da Igreja, desejado pelo Papa Francisco. O processo foi aberto em Roma e nas dioceses no outono passado e deve ser concluído com um conselho de bispos de todos os países em outubro de 2023 em Roma. Enquanto isso, cada conferência episcopal deve enviar sua contribuição ao Vaticano até 15 de agosto de 2022.

Para escrever sua própria contribuição - um texto de duas páginas - os bispos, que trabalharam durante dois dias com cem convidados leigos, inspiraram-se em outro documento, uma “coleção nacional” publicado na semana passada e que pretende ser uma síntese das consultas realizadas desde a queda em cada diocese.

O texto aprovado pelo episcopado na quarta-feira "inclui um certo número de pontos de atenção, que representam linhas de trabalho que terão de ser assumidas" e "esperanças", declarou o presidente da Conferência dos Bispos da França (CEF), Eric de Moulins-Beaufort, durante uma coletiva de imprensa por videoconferência.

Os prelados observam assim que é necessário “agarrar” as palavras que evocam “o sofrimento e as expectativas das mulheres na Igreja”.

Eles propõem "identificar melhor as razões pelas quais a liturgia continua sendo um lugar de tensões recorrentes e contraditórias", ou mesmo "compreender a aparente discrepância entre o que é o ministério (a função, nota do editor) dos sacerdotes e o que se espera concretamente deles "pelos fiéis.

No capítulo sobre “esperanças”, os bispos expressam o desejo de uma Igreja mais fraterna, com comunidades que caminhem “nos passos dos menores e dos mais pobres”.

Eles observaram que o processo sinodal “não alcançou” a todos, “especialmente as gerações mais jovens”. Segundo Alexandre Joly, bispo membro da equipe sinodal que elaborou a "coleta nacional", 150.000 fiéis ou religiosos participaram das consultas nas dioceses, mas "sentiu falta dos 20-45 anos, certamente".

Por fim, o texto menciona temas ausentes ou “menos expressos”, como “os grandes desafios da sociedade”, “ecologia”, “solidariedade internacional”.

O texto dos bispos não menciona explicitamente a questão da violência sexual na Igreja. Questionado sobre este ponto, Dom Joly sublinhou: a “necessidade da nossa Igreja, em todas as suas formas, de ser uma Igreja segura” esteve presente na fase de recolha nacional.

O Conselho Editorial (com AFP)

Crédito da imagem: Shutterstock / EBASCOL

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.