Funeral do jornalista Shireen Abu Akleh: Bispos da Terra Santa acusam Israel de 'desrespeito'

Os bispos da Terra Santa acusaram na segunda-feira Israel de ter "desrespeitado" a Igreja após a intervenção da polícia israelense no funeral na sexta-feira do jornalista palestino Shireen Abu Akleh.

Milhares de palestinos participaram do funeral de Shireen Abu Akleh, um jornalista americano-palestino da TV Al Jazeera, foi baleado na cabeça na quarta-feira enquanto cobria um ataque militar israelense no campo de refugiados de Jenin, na Cisjordânia, território palestino ocupado por Israel desde 1967.

Quando o caixão foi retirado do Hospital São José em Jerusalém Oriental, o setor palestino da cidade, a polícia entrou nas dependências do estabelecimento e atacou uma multidão que agitava bandeiras palestinas.

Muitos vídeos deste incidente estão circulando no Twitter, este foi compartilhado por Rushdi Abualouf, um jornalista palestino baseado em Gaza que trabalha para a BBC.

"A polícia entrou em uma unidade de saúde cristã, desrespeitando a Igreja, desrespeitando a unidade de saúde, desrespeitando a memória dos mortos", disse o administrador apostólico do Patriarcado Latino de Jerusalém Pierbattista Pizzaballa, falando em nome dos bispos da Terra Santa, durante uma conferência de imprensa no Hospital St. Joseph.

“A intrusão da polícia e seu uso desproporcional da força (…) é uma grave violação das normas e padrões internacionais, em particular o direito humano fundamental de liberdade de religião”, continuou ele.

Durante a procissão, o caixão de Shireen Abu Akleh quase caiu das mãos dos carregadores, espancado por policiais armados com cassetetes antes de ser pego in extremis, segundo imagens da televisão local.

A polícia israelense, que abriu uma investigação após o clamor causado por essas imagens, disse que teve que enfrentar a violência dos "manifestantes" presentes na procissão.

A multidão de palestinos pôde então acompanhar o caixão até uma igreja na Cidade Velha onde foi celebrada uma missa, depois até o cemitério.

O “assassinato” do jornalista de 51 anos foi condenado por unanimidade pelo Conselho de Segurança da ONU, que pediu “uma investigação transparente e imparcial”.

A equipe editorial (com AFP)

Crédito da imagem: Shutterstock/Phil Pasquini

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.