Fim da vida: Emmanuel Macron lança consulta para possíveis mudanças até o final de 2023

Emmanuel Macron anunciou na terça-feira o lançamento de uma ampla consulta cidadã sobre o fim da vida, com vista a um possível novo "enquadramento legal" até ao final de 2023, após a publicação de um parecer sobre a questão do Conselho Consultivo Nacional de Ética .

Uma convenção de cidadãos, organizada pelo Conselho Económico, Social e Ambiental (CESE), será “constituída em outubro” e apresentará as suas conclusões em “março de 2023”, disse o Eliseu em comunicado de imprensa.

Os debates serão também organizados pelos espaços éticos regionais nos territórios "de forma a chegar a todos os cidadãos e permitir que se informem e meçam as questões relacionadas com o fim da vida", acrescentou a presidência.

Serão também realizadas consultas às equipas de cuidados paliativos que se confrontam regularmente com o fim da vida, especificou.

Paralelamente, o governo vai empenhar-se num “trabalho concertado e transpartidário” com os deputados e senadores, sublinhou também a presidência.

“Todo esse trabalho permitirá considerar, se necessário, os esclarecimentos e alterações em nosso marco legal até o final de 2023”, acrescentou o Élysée.

O chefe de Estado não descarta um resultado parlamentar ou um referendo, que seria o primeiro desde sua chegada ao Eliseu em 2017.

O Comitê de Ética decidiu na terça-feira que "assistência ativa na morte" poderia ser aplicada na França, mas "sob certas condições estritas". Ele também pede para acelerar os esforços em favor dos cuidados paliativos.

O debate deve “dar a cada um dos nossos concidadãos a oportunidade de refletir sobre este assunto, de se informar, de se apropriar da reflexão comum e de procurar enriquecê-la”, observa o Eliseu.

"Será levado o tempo necessário, e todas as garantias devem ser dadas para assegurar as condições para um debate ordenado, sereno e informado", insistiu a presidência.

Imediatamente, os partidos da oposição no parlamento viram a iniciativa com ceticismo.

“No que me diz respeito, sou contra, acho que temos uma lei bem feita, a lei Claeys-Léonetti e não devemos ir além”, estimou Marine Le Pen sobre a França2.

"Convenção cidadã completamente pipeau", denunciou o líder do grupo LR no Senado Bruno Retailleau, ao microfone da Rádio Sud, pleiteando em vez disso colocar "dinheiro suficiente, meios na mesa" para cuidados paliativos, que faltam segundo ele para "dois terços" das pessoas que precisam.

"Chegou a hora de tomar novas decisões para abrir essa possibilidade de morrer com dignidade de uma forma muito controlada", julgou em LCI a deputada LFI Clémentine Autain, "muito cética" por outro lado sobre o "método" dos cidadãos ' convenção após o “fiasco” daquela sobre ecologia.

Ao sublinhar que "não partimos do nada" nesta área graças em particular à lei Claeys-Léonetti, o ex-Presidente da República François Hollande estimou na BFMTV e RMC que "poderia haver um passo adicional", mas "que supõe condições muito específicas e é isso que deve ser preparado hoje ».

O Conselho Editorial (com AFP)

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.