Na China, uma fábrica de produção de carne por clonagem de gado

Dentro de 7 meses na China, o grupo Boyalife terá o maior estabelecimento de clonagem de animais do mundo, uma verdadeira “fábrica de carne”. Segundo o presidente do grupo chinês com sede em Wuxi, na província chinesa de Jiangsu, uma fábrica deve produzir 100 mil embriões de vacas clonadas por ano antes de atingir a produção de um milhão de cabeças por ano.

Um acordo foi assinado em 2015, entre Boyalife Group, Tianjin International Academy of Biotechnology and Medicine, South Korea Sooam Biotechnology Research Foundation e Tianjin Economic-Technological Development Zone para injeção de 200 milhões de RMB (29 milhões de €) na empresa Yingke Boya Gene Technology . O investimento deverá permitir a instalação de um laboratório de 15 mil m², biotério, banco de genes que armazena até 000 milhões de células congeladas e um centro de exposições científicas.

A lógica dos parceiros neste projeto é implacável: "Os agricultores chineses têm dificuldade em produzir vacas de corte em quantidade suficiente para atender à demanda do mercado", então vamos fazer fábricas de "carne". Nas redes sociais, as pessoas questionam o método e a disposição dos chineses em comer carne clonada. Mas os proponentes da agricultura industrial nada têm a ver com essa procrastinação de “futuros” clientes. Porém, o fato dessa fábrica ser construída na cidade portuária de Tianjin, onde ocorreram explosões assassinos em um local de armazenamento de produtos químicos levantam dúvidas, especialmente porque os escândalos alimentares são recorrentes na China.

Esta "fábrica de carne" deve clonar gado, cavalos de corrida e cães. A empresa terá laboratório, centro de clonagem de animais, banco de genes e sala de exposições. Mesmo assim, pesquisadores da Nova Zelândia mostraram que o gado clonado é propenso a doenças crônicas. O a primeira ovelha clonada, Dolly, morreu aos 6 anos enquanto uma ovelha vive entre 10 e 11 anos. Existem fortes dúvidas em relação ao envelhecimento precoce, ao desenvolvimento de doenças degenerativas, às consequências genéticas da clonagem. Os promotores da clonagem apresentam isso como uma possibilidade de salvar espécies ameaçadas e, portanto, de preservar a biodiversidade. Talvez estes pesquisadores vão dar vida a um mamute, levando-nos a acreditar que Jurassic Park um dia se tornará real.

No entanto, como acontece com o trabalho com OGM, a clonagem não respeita a biodiversidade. Empurra-o, maltrata-o, usa-o para fins meramente mercantis, como prova esta industrialização da produção de carne. Não tem mais nada a ver com respeito à natureza, à criação. Em vez de cuidar dela, ela explora a vida!

Natanael Bechdolff

Fonte: jornal Les Ecos

Crédito da foto: Info Chrétienne

Veja aqui um infográfico explicando a clonagem com uma história mundial

 

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.