Evangelho em linguagem de sinais: "Como acreditarão nele se não o ouviram?" "

Justine é surda de nascença. Foi aos 21 anos que ela descobriu a mensagem da Bíblia pela primeira vez. Hoje, ela sonha que todos os surdos finalmente terão acesso a ele.

Romanos 10:14: "Mas como o invocarão, se não creram nele?" E como eles vão acreditar nele se não o ouviram? E como saberão se não houver ninguém para lhes contar? "

Este verso, Justine Fonclaud poderia falar sobre isso por horas. É numa igreja do 15º arrondissement de Paris que nos recebe a senhora dos cinquenta anos, acompanhada por Kyria Ecrabet, sua amiga e intérprete.

Justine é surda de nascença. Ela cresceu na Martinica, em uma família cristã e se lembra dos anos anteriores, privada da mensagem do Evangelho.

“Minha mãe me deu uma Bíblia, mas eu não entendia o que estava escrito nela. Você tem que perceber que nós, pessoas surdas, muitas vezes não entendemos totalmente o significado do que está escrito. "

Um convite que mudou sua vida

Situação de extrema frustração para Justine, que remonta a esse período de sua vida.

“Eu estava como se estivesse preso. Fiquei com toda a minha família, vi eles cantando, rezando ... E fiquei com ciúme de vê-los felizes. Eu estava chorando, precisava de alguém que me explicasse as coisas. Naquela época, meu pai queria que eu fosse batizado, mas recusei. Eu queria entender! "

Só muito mais tarde, aos 21 anos, Justine descobriu o que as boas novas de jesus cristo. Convidada por uma amiga para uma igreja onde o culto do dia foi traduzido para a linguagem de sinais, ela foi tocada por uma pregação sobre a mensagem da cruz. “Naquele dia, entendi quem era Jesus”, diz a mulher, com os olhos ainda cheios de emoção. Ela nos fala sobre esse versículo, em Jeremias 29, em que o Senhor declara ter concebido para nós "planos de paz e não de calamidade".

"Este versículo me tocou enormemente ..."

Posteriormente, agora estabelecida na região de Paris, Justine continuou a frequentar as igrejas, mas não conseguiu encontrar uma interpretação em linguagem de sinais.

“Algumas pessoas tentaram me explicar escrevendo, mas não era a mesma coisa. "

Então Justine orou, na esperança de ter acesso à palavra de Deus novamente, a fim de entendê-la.

“Deus guiou as coisas. Conheci Kyria, que é intérprete de linguagem de sinais. Quando fui traduzido de mensagens de adoração, ou da Bíblia, foi como uma revelação para mim. E aí eu tive sede de Deus, sempre mais. Eu fui tocado! "

Uma associação para fazer as coisas acontecerem

Kyria trabalha com Ariel's, a associação de pesquisa e interpretação do evangelho em língua de sinais francesa, que atua contra o enorme obstáculo representado pela falta de compreensão da Bíblia pelos surdos.

Estes representam entre 10 e 11% da população francesa, com diferentes graus de surdez. E mais de três quartos dessas 7 milhões de pessoas sofrem de analfabetismo. É por isso que os surdos são um pessoas sem acesso ao Evangelho no seu direito. Segundo Ariel, “hoje existem cerca de 150 surdos cristãos na França, conhecidos em nosso meio evangélico”.

Uma gota d'água no oceano… Assim a associação desenvolve sua atividade na França, interpreta cultos, sermões, transmissões, vídeos, acontecimentos… com o objetivo de dar a conhecer esta boa notícia que mudou a vida de Justine.

“Nós, surdos, precisamos de intérpretes de linguagem de sinais! É assim que podemos ser afetados. E graças à associação de Ariel, tudo isso está se desenvolvendo ”, parece exclamar, com um sorriso no rosto.

Ela nos explica que espera que cada vez mais igrejas na França tomem medidas para facilitar o acesso de pessoas surdas, usando o Ariel, por exemplo, e treinando em linguagem de sinais. Porque ainda há um longo caminho a percorrer, mas as apostas são imensas.

" Isto é uma emergência. Não quero perder meus amigos surdos. Eu não quero vê-los perdidos. "

Theo Lombardo

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.