No Zimbábue, apenas pessoas vacinadas poderão frequentar a igreja

Na terça-feira, o parlamento do Zimbábue proibiu qualquer pessoa que não fosse vacinada contra a Covid-19 de comparecer a um serviço religioso.

No Zimbábue, a vacina é obrigatória para funcionários públicos e professores desde o início de setembro. Também é necessário estar vacinado para ir aos mercados, aos pavilhões desportivos, ao restaurante e para os exames universitários especifica oAFP.

Uma nova medida decidida na terça-feira pelo Parlamento agora diz respeito às igrejas, apenas fiéis vacinados terão permissão para ir para lá.

Todas essas medidas fazem parte de um plano para reanimar a atividade econômica e social do país após uma terceira onda de Covid-19 descrita por especialistas em saúde como "a pior" desde o início da epidemia, de acordo com O leste africano.

O jornal faz eco das palavras da Ministra da Informação, Monica Mutsvangwa, que declarou que "todos os funcionários públicos deveriam ser vacinados" e "nenhum funcionário público não vacinado seria autorizado a trabalhar". As reuniões também são proibidas para mais de 100 pessoas.

Em relação às igrejas, além da obrigação de vacinação, o ministro especifica que o número de fiéis autorizados será limitado a 50% da capacidade do prédio.

“Embora todas as outras reuniões não devam exceder 100 pessoas, no que diz respeito às igrejas, o Gabinete decidiu que apenas os fiéis vacinados podem comparecer e deve ser limitada a 50% da capacidade da igreja. "

No país da África Austral, pouco mais de 2,8 milhões de pessoas em 15 milhões de pessoas receberam a primeira dose, mas os centros de vacinação que não têm abastecimento estão lutando para atender à demanda aumenta por causa de todas essas novas restrições.

Camille Westphal Perrier

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.