Dois anos após a explosão no porto de Beirute, Líbano à beira

O Líbano marca quinta-feira o segundo aniversário da gigantesca explosão no porto de Beirute que devastou distritos inteiros da capital, com manifestações de parentes de vítimas determinados a continuar sua luta pela verdade e justiça.

A explosão de 4 de agosto de 2020 em um armazém que abrigava centenas de toneladas de nitrato de amônio armazenado sem precauções – uma das maiores explosões não nucleares já registradas – matou mais de 200 pessoas e feriu 6.500.

No entanto, a investigação aberta no Líbano foi prejudicada pela interferência política e nenhum representante do estado até agora foi responsabilizado pela tragédia que experimentou um novo desenvolvimento na semana passada. Vários silos de grãos danificados no recinto do porto desmoronaram, e outros correm o risco de desmoronar, dizem os especialistas.

"Espero que a queda dos silos dê às pessoas a vontade de lutar por justiça, de lutar conosco", disse à AFP Tatiana Hasrouty, uma moradora que perdeu o pai na explosão. Os políticos estão "fazendo tudo ao seu alcance para impedir a investigação", lamentou.

Essa megaexplosão é um pesadelo na já turbulenta história do Líbano, agora atolado na pior crise econômica de sua história, enfrentando implacáveis ​​cortes de energia, inflação descontrolada e desespero generalizado.

Três marchas de protesto separadas estão planejadas para quinta-feira em direção ao porto, onde a fumaça ainda está saindo dos silos após um incêndio provocado por estoques de grãos fermentados no calor escaldante do verão.

Constantemente estressado

A enorme explosão de dois anos atrás foi sentida em Chipre, uma ilha mediterrânea a cerca de 200 km de distância. Afectou ainda mais uma população já testada pela crise e provocou um êxodo maciço do Líbano que lembra o da guerra civil de 1975-1990.

Mas a classe dominante do Líbano, acusada de má administração, corrupção e negligência flagrante, continua apegada ao poder enquanto a população sofre com a escassez de combustível, remédios e água potável.

"Esta classe dominante nos mata todos os dias", disse a Sra. Hasrouty. "Aqueles que não morreram na explosão estão morrendo de fome", disse ela.

As padarias racionam o pão, os cortes de energia podem durar até 23 horas por dia, as ruas ficam escuras à noite e os semáforos estão desligados.

A explosão, "foi um pesadelo", recorda Lara Khatchikian, do seu apartamento muito danificado que desde então consertou, de onde vê o porto. O fogo nos silos o reviveu. “Meus vizinhos e eu estávamos constantemente estressados. Senti medo, não conseguíamos dormir. É preciso força sobre-humana para viver quando você se lembra constantemente da explosão”, diz ela.

Em abril, o governo ordenou a demolição dos silos, mas esta foi suspensa, em particular devido a objeções de parentes das vítimas que querem que sejam mantidos como lugar de memória.

O engenheiro civil francês Emmanuel Durand, que monitora os silos, alertou que o risco de outro colapso parcial ou total "nunca foi maior".

A investigação também corre o risco de desmoronar, o investigador principal, Tarek Bitar, foi impedido de continuar sua missão por uma série de ações judiciais contra ele e uma campanha liderada em particular pelo poderoso movimento armado do Hezbollah, peso pesado da vida política local.

Na quarta-feira, especialistas independentes da ONU e de ONGs pediram que uma investigação internacional fosse lançada "sem demora", enfatizando que estava "mais claro hoje do que nunca que o inquérito nacional não pode fazer justiça".

O Conselho Editorial (com AFP)

Crédito da imagem: Shutterstock.com/diplomedia

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.