Diante dos grandes perigos econômicos, climáticos e sociais, ainda dá tempo de mudar o modelo de vida?

O possível fim da humanidade não é mais uma mera hipótese considerada de forma teórica. Esse fim é tanto mais possível porque é o resultado de fenômenos climáticos combinados com a existência de um sistema produtivista e econômico mortal, que tende nas últimas décadas a se tornar mais pronunciado e piorar.

Alguns especialistas prevêem o fim de parte da humanidade nas próximas décadas ou no próximo século, se até lá não mudarmos nosso modelo econômico!

EEntre a desintegração europeia e a mudança da ordem mundial, parece encontrar-se um novo caminho, um novo equilíbrio a reinventar, mas em torno de que denominador comum: local, global, à escala humana ou à escala planetária? Hoje nenhuma decisão parece poder ser tomada sem estar ciente desses dois níveis. Esses fenômenos climáticos, intrinsecamente associados à expansão da globalização da indústria e do comércio, parecem anunciar um verdadeiro tsunami. Um perigo real devido à subida do nível do mar, que impacta muitos países, especialmente as cidades costeiras, ao qual se deve acrescentar outra forma de perigo, causada pela agitação social que nasce de crescentes desigualdades, flagrantes entre o Ocidente e a África. A isso se soma a superexploração dos recursos hídricos, de modo que o consumo nos Estados Unidos extrai perigosamente das reservas: um americano usa em média 700 litros de água por dia. As reservas estão se esvaziando mais rápido do que se enchendo. De acordo com o site do Act for the Planet,

“É o caso do aquífero Ogallala que, ao abastecer a cidade de Phoenix, no Arizona, é retirado 14 vezes mais rápido do que sua renovação natural. " 

Mudanças climáticas afetam todo o planeta

As secas estão se espalhando para a África subsaariana e tropical. As mudanças climáticas afetam todo o planeta e particularmente todo o continente africano. É inevitável que os custos econômicos sejam consideráveis, resultando em grandes migrações em seu rastro, o que é o caso hoje devido às situações extremas vividas pela África. É claro que as migrações de homens e mulheres da África não são apenas consequência de transformações climáticas, mas também estão parcialmente ligadas a tensões políticas e até jihadistas que enfraquecem consideravelmente seus países.

Esta mudança climática, que ocorre em todo o mundo, é hoje comumente atribuída e estamos convencidos disso, a um modelo econômico baseado em uma dimensão de conquista ultrajante do progresso. Desde a revolução industrial, testemunhamos uma mecanização desordenada de todo o planeta. Tanto é verdade que este tipo de modelo baseado na fé cega no 'todo tecnológico' corre o risco inevitavelmente de comprometer o bem-estar das gerações vindouras.

Os resultados ecológicos deste progresso sem consciência e sem solidariedade, têm efeitos desastrosos para todo o nosso planeta. A industrialização ocidental se realocou, depois exportou danos industriais e depois colonizou os incômodos nos países onde foi saquear recursos.

Nós criamos dependências

Criamos dependências via sistemas agroalimentares com base em uma dimensão intensiva, pensando que a agricultura com insumos químicos, fungicidas, agrotóxicos, seria capaz de atender as necessidades de toda a humanidade ... Por muito tempo, então pensamos que este modelo foi o único a atender às necessidades da humanidade, mas o uso massivo e produtivo desse método agrícola tem colocado em risco os grandes equilíbrios naturais e sanitários, os grandes equilíbrios dos ecossistemas. Também alargamos as distâncias para promover e aumentar a importação de mercadorias em vez de viabilizar a solidariedade, promovendo a produção local.

O mundo "ocidental", mas também a China e o Brasil, tem se mostrado ansioso e barato para explorar os recursos.

O mundo “ocidental”, mas também a China e o Brasil, têm se mostrado ansiosos e baratos para explorar os recursos. Eles nunca pensaram em forjar a cooperação necessária com a África e às vezes com suas próprias populações como no Brasil, em transferir conhecimentos e habilidades para empoderar regiões subdesenvolvidas. Acelerando assim os processos de trocas e uma forma de globalização de um modelo econômico baseado na conquista e na expansão, temos sido os autores de uma forma de injustiça ambiental, social e econômica. Empobrecemos a humanidade, hoje obrigamos essas populações a migrar, coletivamente carregamos uma grande responsabilidade ao revelar as desigualdades cada vez mais flagrantes entre o Norte e o Sul. Para consolidar o nosso ponto e não seremos exaustivos neste assunto, podemos citar o Brasil que desempenhou um papel destrutivo e particularmente mortal ao saquear suas próprias terras com a extração de minerais e recursos florestais. O mesmo Brasil não hesita em destruir vidas humanas, esmagar a ecologia, arrancar, depois reduzir a pó o habitat das comunidades indígenas.

A este modelo agrícola com efeitos desastrosos em última análise, foi adicionada a nossa adulação pelo ouro negro

A esse modelo agrícola de efeitos desastrosos em última análise, foi acrescentada nossa adulação pelo ouro negro, o consumo do petróleo, de todos os fósseis poluentes. O uso generalizado de fósseis habilmente enterrados pela natureza e desenterrados pelas atividades humanas, levou à emissão de CO2 que se acumula na atmosfera. Assim, o mundo industrial, pela superexploração da natureza, tem sido amplamente responsável pelas emissões de gases de efeito estufa, retendo o calor solar e perturbando parcialmente as condições climáticas. Essa mudança de paradigma climático é conhecida como aquecimento global. Esse aquecimento global tem impacto sobre as chuvas e outros fenômenos atmosféricos e climáticos, colocando em risco a vida humana, animal e vegetal devido às consequências potencialmente catastróficas associadas a essas mudanças.

Georges Bernanos em seu famoso livro “ França contra "os robôs" publicado em 1947, castigada civilização moderna responsável hoje pelas sérias mudanças conhecidas até hoje. Para o escritor, esta civilização moderna é inscrita como “Uma conspiração universal contra todo tipo de vida interior”, poderíamos acrescentar uma conspiração integral, uma conspiração ecológica contra o homem e a natureza.

Ao criticar a escolha civilizacional do progresso, é o espírito deste mundo que deve ser questionado segundo Georges Bernanos. Para o autor de “França contra os robôs”, é esse mundo industrial que só foi possível por um longo processo ideológico e econômico que fez emergir essa mecanização invasiva em todos os processos da vida. A humanidade como um todo foi abalada pela ideia de progresso, não que essa ideia seja negativa em si, mas ofuscou a dimensão da solidariedade em favor de noções de competitividade e bem-estar individual.

Esta humanidade queria se libertar da escala do jardim Esta humanidade quis libertar-se da escala do jardim, da norma bíblica da partilha solidária, para obter o bem-estar individual em detrimento do bem comum a todo o custo. Em vez de servir à humanidade, o capitalismo selvagem preferiu lançar-se à economia da rentabilidade e da dependência a favorecer as solidariedades, os laços de fraternidade e a autonomia que são o penhor da liberdade.

Há décadas, parece que a indústria tem trabalhado para enfraquecer a biodiversidade, para esgotar os recursos do solo, para perturbar os climas, para devastar os principais equilíbrios do planeta.

Seria uma grande tolice não compartilhar essa observação. Nossa civilização humana está realmente doente, está ameaçada, ameaçada por um perigo grave por causa da superexploração crônica dos recursos da terra. Vários pesquisadores de várias universidades americanas importantes fizeram esta observação alarmante: "a demanda da humanidade por recursos ecológicos exigiria uma vez e meia a capacidade da Terra para ser satisfeita", mas não estamos longe de ter atingido o limite em termos de recursos , alimentos e recursos hídricos.

É impossível? Estamos caminhando para esta catástrofe prevista, ou seja, o desaparecimento ou o fim da humanidade como há vários milênios, a terra conheceu o fim dos dinossauros.

Isso é inevitável, especialmente porque alguns têm absoluta confiança na tecnologia. Isso é inevitável, especialmente porque alguns têm absoluta confiança na tecnologia. Embora seja verdade que a tecnologia aumentou a eficiência para produzir melhor e mais. Paradoxalmente, a mesma tecnologia não é capaz de evitar o fim de um desastre. Criamos um modelo tecnológico baseado no progresso, mas é uma tecnologia intensiva em energia, voltada para o consumo excessivo. É esse consumo excessivo que piora os principais equilíbrios que afetam a biodiversidade, que esgota a Terra. Amamos a sociedade de conforto e prezamos sua posição, mas alcançar o bem-estar funcional custou a cada vez mais danos aos ecossistemas do planeta.

A crise de identidade dos povos indignados ao mesmo tempo com as suas elites e com os modelos económicos que favorecem a globalização, e os encerramentos em particular de zonas industriais (fomentando o desemprego), levanta também a questão do modelo de vida. Os “cadernos de desenvolvimento sustentável” fazem esta pergunta:

“Em 2050, a população mundial provavelmente chegará a 9,3 bilhões de pessoas. Como podemos alimentar todas essas pessoas e atender às suas necessidades de consumo, quando os recursos estão se tornando escassos e o estado do meio ambiente está se deteriorando? ”

Existe outro modelo econômico que possibilite conter os desastres previstos?

Filme "Amanhã" frisa fortemente que não basta denunciar, devemos agora arregaçar as mangas e investir em novas soluções que também reconciliem a ecologia humana que cria laços e uma ecologia que protege os recursos naturais. Pierre Rabhi é provavelmente um daqueles pioneiros que pretendem preservar e promover técnicas agrícolas que protejam as pessoas, a vida e a biodiversidade. Sim, existem, portanto, modelos e exemplos agrícolas, econômicos que também chegam até nós de Detroit nos Estados Unidos, de Todmorden na Inglaterra e na França, que vão contra as concepções liberais de economia ...

Com base em quais modelos econômicos, podemos salvar a humanidade e nossa Terra?

Esses modelos desafiam ou derrubam a mesa das organizações industriais produtivistas que invadem os solos e os exaurem.

Esses modelos desafiam ou derrubam a mesa das organizações industriais produtivistas que invadem o solo e o exaurem. É, portanto, necessário como Coline Serreau inspira “restaure o vínculo honesto entre o campo cultivado e o prato de cada um”. A saúde e a fertilidade devem ser melhoradas, em particular, aproveitando a maior biodiversidade, que é a chave para uma verdadeira renovação agrícola. Essa agricultura deve se diversificar reproduzindo mecanismos naturais em pequena escala, inspirados, por exemplo, na permacultura. Hoje, vários pesquisadores e agrônomos tendem a demonstrar a eficiência de hortas agrícolas, minifazendas ou campos. ao nível de uma organização social e solidária melhorando consideravelmente os recursos. A eficiência traduz-se no fruto das colheitas resultantes de uma abordagem que respeita a natureza, tendo um impacto significativo na gestão que não tem recorrido à mecanização excessiva. Os resultados de tal abordagem têm como consequência ativar uma proximidade com o mundo das cidades, reunindo abordagens da agricultura que facilitam o acesso a terrenos baldios industriais para os residentes, esses mesmos terrenos baldios que poderiam ser desenvolvidos por camponeses fazendo isso. mundo rural e mundo urbano.

  • Em Detroit, homens e mulheres ocuparam, assim, zonas industriais abandonadas para cultivar a terra e inventaram minifazendas urbanas. Esses homens e mulheres demonstraram, portanto, que, ao reunir recursos alimentares nas cidades, reduzem significativamente o consumo de C02.
  • Em Todmodern na Inglaterra, nasceu o movimento dos Incríveis Comestíveis, os habitantes transformaram as ruas em canteiros de flores, cultivaram por toda a cidade plantadores de vegetais alho-poró, pepino, rabanete para tornar a comida gratuita e acessível a todos.
  • Na França, os agricultores têm experimentado a agricultura sem agrotóxicos e sem mecanização excessiva, o que demonstra uma rentabilidade que fascina os pesquisadores do INRA. Esses camponeses inventaram um modelo que atenderia às necessidades da humanidade, caso a experimentação dessas minifazendas também se estendesse à África.

“Socialmente justo, economicamente viável e ambientalmente sustentável”

É importante pensar em outro modelo econômico à escala humana, que seria um verdadeiro grão de sal para toda a humanidade, se deixasse de acreditar nos caprichos do progresso tecnológico exponencial sem consciência. Um desenvolvimento verdadeiramente “sustentável”, já definido como “socialmente equitativo, economicamente viável e ambientalmente habitável”, parece ser um caminho possível, tendo em conta estes três pilares, traçando assim um novo roteiro para a humanidade e os mercados. .

Nós, cristãos evangélicos, concordamos plenamente com o apelo do Papa Francisco:

“Gostaria de pedir, por favor, a todos os que ocupam cargos de responsabilidade no campo econômico, político ou social, a todos os homens e mulheres de boa vontade: somos os“ guardiães ”da criação., Do desígnio de Deus inscrito na natureza, guardiã do outro, do meio ambiente; não permita que sinais de destruição e morte acompanhem a marcha de nosso mundo! "

Portanto, como cristãos, devemos almejar em nossas vidas a coerência absoluta com este mandato de cuidar do homem, mas também de cuidar da criação. Nossas ações têm efeitos borboleta e estes podem ter efeitos positivos ou negativos, dependendo se estivermos atentos para administrar esse capital da vida com a atenção que nos é pedida como testemunha do evangelho.

Eric Lemaitre o autor desta coluna gostaria de agradecer Berengere Series por sua contribuição e suas ricas contribuições.

Eric Lemaitre

As opiniões e posições de contribuidoresInfo Chrétienne não comprometer ou representar a escrita ou linha editorial deInfo Chrétienne. Info Chrétienne apoia a liberdade de expressão, consciência e opinião.

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.