"Catálogo de crueldade" da Ucrânia deve ser investigado, diz chefe da ONU

O secretário-geral da ONU pediu nesta quinta-feira a investigação do "catálogo de crueldades" que ocorre na Ucrânia, durante uma reunião do Conselho de Segurança sobre "impunidade" por crimes cometidos desde a invasão do país pela Rússia.

Os relatórios dos serviços humanitários da ONU "são um catálogo de crueldades: execuções sumárias, violência sexual, tortura e outros tratamentos desumanos e degradantes contra civis e prisioneiros de guerra", declarou António Guterres na abertura desta reunião em que o chanceler russo Sergei Lavrov participa notavelmente.

"Todas essas acusações devem ser investigadas, para garantir a responsabilização", acrescentou Guterres. “Os autores devem ser responsabilizados em processos judiciais justos e independentes. As vítimas e suas famílias têm direito à justiça e reparação”.

"Os últimos sete meses foram marcados por sofrimento e desolação incalculáveis", disse ele.

"Não há paz sem justiça", disse a ministra francesa das Relações Exteriores, Catherine Colonna, que preside a reunião, observando que os responsáveis ​​"devem responder" por seus crimes.

O ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kouleba, questionado pouco antes da reunião sobre estar na mesma sala que Sergei Lavrov, observou que respeitaria o “distanciamento social”.

O promotor do Tribunal Penal Internacional, Karim Khan, também está participando da reunião, pois o TPI abriu uma investigação na Ucrânia sobre supostos crimes de guerra e crimes contra a humanidade poucos dias após a invasão da Rússia em 24 de fevereiro.

O Conselho Editorial (com AFP)

Crédito da imagem: Shutterstock / Kutsenko Volodymyr / Irpin, Ucrânia – 5 de março de 2022: Um soldado ucraniano está no posto de controle na cidade de Irpin, perto de Kyiv, durante a evacuação da população local sob o bombardeio de tropas russas.

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.