Denis Mukwege

Denis Mukwege escandalizado com a violência na RDC: “Ainda são seres humanos! »

“A crise humanitária na República Democrática do Congo é incomparável. 6 milhões de pessoas hoje estão deslocadas sem casa, sem comida. Eles ainda são seres humanos! »

As marchas foram organizadas por cristãos na República Democrática do Congo no domingo para protestar contra a violência no leste do país, onde a rebelião M23 continua a negar a sua responsabilidade, cinco dias após o massacre de uma centena de civis na aldeia de Kishishe, de que Kinshasa acusa.

Numa nota de imprensa do seu presidente Bertrand Bisimwa, o movimento rebelde reconhece, no entanto, que oito civis foram mortos, por "balas perdidas" segundo ele, durante os confrontos que opuseram os seus combatentes contra milicianos no passado dia 29 de Novembro nesta aldeia do território de Rutshuru.

O M23 é uma antiga rebelião tutsi que voltou a pegar em armas no final de 2021 e beneficia, segundo Kinshasa, do apoio ativo do Ruanda, que Kigali contesta.

Uma cúpula de 23 de novembro em Angola ordenou um cessar-fogo seguido pela retirada dos rebeldes das posições capturadas nos últimos meses, caso contrário, uma força regional da África Oriental destacada no leste da RDC os desalojaria. Nenhuma retirada foi observada até o momento.

Cerca de quinze procissões deixaram as paróquias congolesas no domingo a pedido da Igreja Católica para protestar contra a "agressão" do seu país. Os manifestantes entoaram as suas palavras de ordem “Não à balcanização da RDC”, “Não à hipocrisia da comunidade internacional…”, acompanhados de canções religiosas.

Uma relativa calma foi observada no domingo nas várias frentes, mas várias fontes relataram um reforço de posições em alguns locais, em particular da M23 no sentido de Kishishe.

Entrevistado por Notícias do Vaticano durante sua visita a Roma, Denis Mukwege, o ginecologista e ativista de direitos humanos, ganhador do Prêmio Nobel da Paz de 2018, disse: "Acredito que a Igreja deve realmente desempenhar seu papel".

“Creio que a Igreja deve sim desempenhar o seu papel. Mas é menos um problema de reconciliação entre os congoleses... É um problema que começou depois do genocídio no Ruanda, em 1996 e depois este problema continua até hoje, mais de 25 anos depois, os congoleses continuam a pagar uma crise regional que não nasceu no Congo, mas que hoje causa muito mais estragos no Congo do que no país onde ocorreu o genocídio. »

Pede à comunidade internacional "que aplique o direito internacional humanitário que exige que todos os Estados Membros das Nações Unidas sejam capazes de respeitar a soberania e a integridade territorial de outros Estados" e pede "resoluções que proíbam os Estados ou instituições de fornecer armas ao rebeldes na região dos Grandes Lagos".

Pede-lhe sanções, e acha escandaloso "que os países que estão na origem desta agressão sejam apoiados, recebam dinheiro da União Europeia".

“E isso é escandaloso, ver países atacando os nossos e tendo o apoio da União Europeia. Pedimos que essa cumplicidade possa acabar. »

“O sofrimento já dura muito”, adverte.

“A crise humanitária na República Democrática do Congo é incomparável. 6 milhões de pessoas hoje estão deslocadas sem casa, sem comida. Eles ainda são seres humanos! Os responsáveis ​​e que também recebem ajuda, acho que está prejudicando todos esses congoleses que hoje estão na lama na chuva, sem comida. Muitas crianças vão morrer, e o que pedimos são sanções contra este país em vez de continuar a ajudá-lo financeiramente. »

MC (com AFP)

Imagem: Alexandros Michailidis / Shutterstock.com

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.