RDC: Arcebispo de Bukavu denuncia "um ciclo infernal de violência" no país

Segundo o Arcebispo de Bukavu, Dom François-Xavier Maroy Rusengo, "sopra novamente um vento de guerra e de insegurança" na parte oriental da República Democrática do Congo. O enviado da ONU para a RDC, Bintou Keita, fez a mesma observação perante o Conselho de Segurança na quarta-feira, alertando para uma conflagração que pode se tornar incontrolável no leste do país. 

Em um comunicado enviado à Agência Fides, Dom François-Xavier Maroy Rusengo, Arcebispo de Bukavu, capital do Kivu do Sul, província oriental da República Democrática do Congo (RDC), escreve que a “situação é grave”. Ele evoca um "vento de guerra e insegurança" que volta "a soprar" sobre a parte ocidental do país, apontando para os ataques perpetrados pelo grupo armado M23.

De acordo com oONU, a milícia M23 formada em 2012 é composta por soldados que se amotinaram contra o governo congolês, cometendo atrocidades e crimes de guerra. A ofensiva que está liderando atualmente contra as forças do governo seria "a maior em uma década".

Dom François-Xavier Maroy Rusengo acredita que, com esses novos ataques, “a história está se repetindo”. Denuncia “um ciclo infernal de violência, perda de vidas humanas, deslocamento de populações”, em particular em Bunagana, cidade localizada no território de Rutshuru, ocupado pela milícia armada.

“Damos particular ênfase à situação muito crítica após a recente ocupação da cidade de Bunagana no território de Rutshuru pelo grupo armado M23, que retomou os combates em um ciclo infernal de violência, perda de vidas humanas, deslocamento de populações e destruição de nossos tecido económico e social. »

"A Igreja católica sente dentro dela e compartilha o grito do povo congolês, e quer com todas as suas forças deter o derramamento de sangue de tantos inocentes", continua o arcebispo que denuncia "a ambiguidade da comunidade internacional" e a ineficácia de sua missão de paz (MONUSCO).

Falando na quarta-feira, 29 de junho, perante o Conselho de Segurança da ONU, o enviado da organização à República Democrática do Congo, Bintou Keita, também alertou para uma escalada de violência no leste do país.

“Se o M23 continuar seus ataques bem coordenados contra FARDC e MONUSCO com capacidades convencionais cada vez maiores, a missão pode se deparar com uma ameaça que vai além de suas capacidades atuais”, alertou Keita.

Ela acredita que cabe ao Conselho de Segurança apoiar plenamente os esforços regionais “para desarmar as atuais tensões diplomáticas e de segurança entre os Estados vizinhos” e “para acabar com o flagelo dos grupos armados”.

“É imperativo que o Conselho redobre seus esforços em favor de uma rápida desescalada da situação e do desarmamento incondicional do M23. »

Por seu lado, Dom Rusengo exorta o Estado congolês a “revisar as suas relações com a comunidade internacional” que, segundo ele, trata o seu país “como um Estado de segunda classe, cuja segurança e desenvolvimento pouco contam”. Também exige a criação de um exército real.

Camille Westphal Perrier

Crédito de imagem: Shutterstock.com / Katja Tsvetkova

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.