Dívida global: o FMI profetiza um desastre econômico?

É na indiferença geral da mídia que o FMI acabei de anunciar os números da dívida global. Absolutamente assombrosos, eles somam 225% do peso da economia mundial (PIB), ou 152 bilhões de dólares ou 000 bilhões de euros. Em 137, antes da crise financeira, a dívida representava "apenas" 500%, ou seja, um alarmante crescimento de 2002%. O suficiente para ferver todas as pessoas agitadas que prevêem um fim iminente do mundo após um colapso monetário geral, em nossa época de retorno da guerra fria...

EEssencialmente fato dos países ricos, essa dívida nos questiona e nos encoraja a estarmos prontos para qualquer eventualidade, mesmo a mais dramática. Nós tínhamos já falado estratégias a serem adotadas individual e coletivamente para resistir a um colapso da economia e comentamos uma das últimas mensagens pelo falecido Pastor Wilkerson. Mas vamos repetir com força: apesar do ameaça plausível de guerra civil na França, a salvação não virá cedendo à tentação da autodefesa ou aprendendo "Sobrevivenciaismo" americano. Já faz algum tempo que me dizem (não mencionarei nomes) que certas comunidades em nossas fileiras até acumulam armas de “caça”. Pelo contrário, estou convencido de que serão os nossos atos de misericórdia e compaixão, a dádiva dos nossos bens, a partilha das nossas necessidades e mesmo a nossa mínima subsistência que desencadearão os milagres de Deus que provê.

Pois Ele nos avisou com antecedência que no final do dia, o salário de um dia só seria suficiente para pagar pela comida de um dia. E o que fazer quando os suprimentos acabarem? Consumir para nós mesmos e para nossos entes queridos o que "deixamos de lado" zombando da loucura daqueles que não tomaram providências? Este mesmo versículo de Apocalipse 6: 6 nos mostra um caminho: “não toque no azeite e no vinho”. O azeite, imagem do Espírito Santo e o vinho, duplo símbolo da decadência e da aliança com Deus, aí ficarão, presentes e disponíveis para aqueles que desejam fugir da realidade ou optam por entrar em contacto com a graça de Jesus Cristo.

É quando você esmaga uma flor que ela devolve seu perfume; da mesma forma, é para tempos de crise que Deus nos diferencia. É brilhar em meio às desordens, ser luzes nas trevas, trazer vida onde reina o desespero. Crises, pestes e catástrofes naturais não devem ser temidas para o discípulo de Jesus Cristo: é aí que ele é o melhor, visto que é parceiro do Espírito Santo! É claro que os cristãos são, de todas as religiões do mundo, os mais ativos na ajuda humanitária, como nos últimos dias no Haiti. Num momento em que a economia mundial parece à beira de uma nova crise que precipitaria nossos contemporâneos em desordem, onde tudo parece mais do que debilitado por conjunturas de riscos, estejamos prontos. Vamos ter "nossos lombos cingidos e nossas lâmpadas acesas". Rompamos com todo pecado consciente. Corrijamos o que está errado, perdoemos qualquer ofensa, peçamos perdão a quem ofendemos e prestemos atenção para nos colocarmos à disposição sempre que ouvirmos o Senhor dizer o que um dia Ele diz ao mais insignificante dos jumentos: "O Senhor precisa disso".

Nicolas Ciarapica
Encontre outro conteúdo de Nicolas em o canal dele no Youtube

As opiniões e posições de contribuidoresInfo Chrétienne não comprometer ou representar a escrita ou linha editorial deInfo Chrétienne. Info Chrétienne apoia a liberdade de expressão, consciência e opinião.

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.