Crime infantil na igreja: Jean-Marc Sauvé responde às críticas da Academia Católica

Em um documento publicado na noite de quarta-feira, Jean-Marc Sauvé, presidente da Comissão Independente sobre Abuso Sexual na Igreja (CIASE), refutou, ponto a ponto, as críticas emitidas em novembro pela Academia Católica contra seu relatório.

No final de novembro, oito membros da Academia Católica da França, órgão não oficial que reúne intelectuais católicos, denunciaram, em um texto, a "falha metodológica", entre outras coisas, segundo eles, do relatório do Independent Comissão sobre abuso sexual na Igreja (CIASE) publicada no início de outubro.

Este relatório causou uma onda de choque na instituição ao estimar 330.000 o número de pessoas que foram abusadas sexualmente, quando menores, por clérigos, religiosos ou pessoas ligadas à Igreja, desde 1950.

Como havia prometido, o Sr. Sauvé, em colaboração com o CIASE, preparou uma "resposta" detalhada de mais de 50 páginas, publicada no site da comissão na quarta-feira, analisando cada uma das críticas.

Para isso, ele convoca um grupo de cinco reconhecidos especialistas em metodologia de pesquisa e teoria de pesquisas, bem como o ex-diretor do INED François Héran, pedindo que dêem sua opinião sobre a confiabilidade das estimativas. aqueles de uma pesquisa do Ifop usada pelo Inserm para Ciase.

Esses dois laudos periciais “congratulam-se com a seriedade das precauções metodológicas tomadas” pelo Inserm, destaca o Sr. Sauvé, segundo o qual “a emoção legítima despertada pelos números (…) à desqualificação”.

As respostas a outras queixas – como as chamadas recomendações “questionáveis” do CIASE – são então discutidas longamente.

Ao final deste exame, “nada resta das críticas muito sérias que foram dirigidas” à comissão, conclui o Sr. Sauvé.

“Basicamente, a Academia critica menos o CIASE e seu relatório do que mostra sua indiferença às vítimas”, lamenta a comissão. “Esse assunto não lhe interessa. A única coisa que conta aos olhos dele é uma certa ideia de proteção da Igreja Católica”, lamenta ainda.

Criada em 2008, a Academia Católica da França, que não é um órgão oficial da Igreja, reúne cerca de 200 a 250 intelectuais católicos em particular para “avançar a reflexão sobre temas selecionados, de atualidade intelectual ou social”.

O Sr. Sauvé é membro. Eric de Moulins-Beaufort e Véronique Margron, à frente da Conferência Episcopal e da Conferência dos Religiosos da França, patrocinadores do relatório do CIASE, por sua vez, deixaram esta academia após o texto crítico de oito de seus membros.

Equipe editorial (com AFP)

Crédito da imagem: THOMAS COEX / PISCINA/ AFP

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.