Como os mosquitos nos picam (e as consequências)

Eles estão ao nosso redor, muitas vezes invisíveis, e quando detectamos sua presença geralmente é tarde demais… Um pouco de dor seguida de coceira, vermelhidão e espinha? O mosquito fez uma nova vítima e adicionou você à longa lista de seus alvos favoritos!

Um convidado surpresa muito incômodo em nossos aperitivos de verão, o mosquito não pica apenas humanos, longe disso. De acordo com suas preferências, suas primeiras vítimas são pássaros ou mamíferos terrestres, especialmente animais domésticos, como gatos ou cães. E algumas espécies até atacam animais de “sangue frio”, como sapos e cobras!

Mas como esse pequeno inseto morde até a pele mais dura? E que consequências seu delito pode ter nos organismos de suas vítimas?

Sangue, a garantia de uma descendência bem-nascida

Antes de mais nada, deve-se lembrar que só as fêmeas dos mosquitos picam, os machos preferem muito mais o néctar das flores ao nosso sangue, ou outras fontes de açúcar (como a melada, um líquido espesso e viscoso excretado por certos insetos que parasitam as plantas, como pulgões, moscas brancas, cochonilhas, etc.). E por um bom motivo: eles não têm um dispositivo de punção...

Em pleno voo, não é fácil distinguir machos inofensivos de fêmeas. A observação cuidadosa, no entanto, revela a presença de antenas emplumadas na cabeça do primeiro, ausentes na do segundo. Mas de qualquer forma, se um mosquito te picar, é necessariamente uma fêmea!

[Cerca de 70 leitores confiam no boletim The Conversation para entender melhor os principais problemas do mundo. Inscreva-se hoje]

Por que então esse apetite das fêmeas por refeições de sangue? Simplesmente porque o sangue coletado é uma fonte riquíssima de proteína, usada para completar a maturação de seus óvulos, após a fecundação pelo macho. O sangue, portanto, não é usado para alimentar os mosquitos, mas para permitir que seus descendentes vejam a luz do dia. Sem uma mordida, nenhum mosquito novo!

O mosquito está bem equipado

Para nos picar, o mosquito fêmea tem um arsenal formidável. É composto por um tronco, chamado probóscide, que é ele próprio constituído por peças bucais "vulneráveis" (capazes de ferir), os estiletes. Essas partes são envolvidas pelo lábio, flexível, que se dobra no momento da mordida. Ao contrário de um ferrão, a probóscide do mosquito é flexível, facilitando o acesso ao sangue.

Durante a punção, os estiletes perfuram a epiderme e a atravessam "apalpando" em busca de um vaso sanguíneo. Os apêndices bucais, chamados maxilas, permitem que o tubo permaneça no lugar. Ao mesmo tempo, através de outro apêndice, o mosquito injeta sua saliva. Este último contém substâncias que impedem a contração dos vasos sanguíneos e afinam o sangue, impedindo sua coagulação e a agregação de plaquetas, fase inicial da cicatrização. Os estiletes delimitam assim dois canais: o canal alimentar, por onde o sangue é aspirado, e o canal salivar, por onde a saliva é injetada.

O mosquito leva, dependendo da espécie, 0,001 a 0,01 mililitros de sangue. Uma pequena quantidade de sangue para nós, mas enorme para ele: pode ser equivalente ao volume de sangue do próprio inseto. E tudo é ingerido em menos de 2 minutos!

Se a vítima "levada" não precisa se preocupar com a quantidade de sangue roubada, a mordida causa outros problemas, mais ou menos graves...

Uma breve história da pele

Para entender as consequências das picadas de mosquito, vamos dar uma olhada no maior órgão do corpo: a pele. Em contacto directo com o mundo exterior, proporciona várias funções essenciais ao nosso corpo, nomeadamente relacionadas com a sua protecção face ao meio exterior e a sua percepção.

A pele é organizada em duas camadas principais: a epiderme, a parte superficial da pele e a reforma, tecido de suporte mais espesso localizado sob a epiderme.

A epiderme é composta principalmente por queratinócitos, assim chamados porque produzem queratina, uma proteína hidrofóbica que forma filamentos resistentes e confere à epiderme sua flexibilidade, impermeabilidade e resistência. Uma vez na superfície da epiderme, essas células formam uma camada de células mortas, o estrato córneo, que acabará por ser eliminado por descamação.

A derme é composta de células espalhadas dentro de um material extracelular composto de fibras feitas de colágeno e outras proteínas. As principais células da derme são os fibroblastos, que produzem essas fibras, mas a derme também contém terminações nervosas, vasos sanguíneos, bem como as glândulas sebáceas e sudoríparas, que produzem sebo e suor, respectivamente.

Por constituir a interface entre o corpo e o meio externo, a pele é confrontada com inúmeras agressões, nomeadamente mecânicas ou térmicas. Também está na vanguarda dos ataques de micro-organismos, pois é uma porta de entrada necessária para os muitos patógenos que tentam entrar no corpo.

Como tal, é um posto avançado estratégico de defesas imunológicas e abriga muitas células sentinelas, que garantem sua proteção contra ataques virais, bacterianos ou fúngicos.

Saliva de mosquito, a causa de nossa inconveniência

A picada do mosquito é uma das muitas agressões que a pele tem que enfrentar. Quando um mosquito pica, sua probóscide penetra na epiderme e depois na derme em busca de um capilar sanguíneo.

Além da agressão física que esta inserção constitui, é sobretudo a saliva injetada durante a operação que desencadeia uma reação da nossa pele. Contém uma mistura complexa de proteínas, que é reconhecida pelas defesas imunológicas da pele como um agente estranho.

A reação é quase imediata. As células imunes, os “mastócitos”, são as primeiras a reagir. Eles secretam histamina, um mediador inflamatório que aumenta o diâmetro e a permeabilidade dos vasos sanguíneos, causando edema: esse é o famoso botão do mosquito. É também a histamina que, ao estimular as fibras nervosas, provoca o prurido e a vontade irreprimível de coçar.

Muitos elementos da saliva do mosquito podem ser alergênicos. Para o mosquito tigre (Aedes albopictus), cerca de quinze componentes salivares que podem causar uma reação alérgica foram identificados ! Além disso, a composição da saliva pode variar de espécie para espécie (assim como o número de alérgenos). Finalmente, as reações variam de uma pessoa para outra, pois a sensibilidade individual à reação frente à picada não é idêntica em todos.

Foto do mosquito tigre Aedes albopictus picando a pele humana.
A saliva do mosquito tigre Aedes albopictus contém cerca de quinze alérgenos potenciais…
James Gathany, CDC/Wikimedia Commons

Observe que a histamina não intervém apenas durante uma picada de mosquito. Esta molécula também desempenha um papel importante durante as reações alérgicas, especialmente na reação ao pólen, látex ou certos alimentos. É assim responsável por sintomas alérgicos como coriza, lágrimas, vermelhidão na pele, comichão... Que podem, em casos muito raros, ter certas consequências após uma picada de mosquito.

Complicações raras

A picada do mosquito geralmente desaparece em poucos dias, por isso não é realmente perigosa em si e é principalmente coceira. Permanecendo localizados na pele, às vezes podem ser significativos nos mais sensíveis entre nós.

Embora as complicações sejam raras, algumas pessoas, no entanto, têm um risco maior de uma forte reação alérgica ou mesmo choque anafilático, em particular crianças que ainda não adquiriram uma tolerância natural a picadas de mosquito.

Em casos muito raros, as picadas causam uma Síndrome de Skeeter, uma reação inflamatória sistêmica associada à febre às vezes acompanhada de vômitos e problemas respiratórios. Esta síndrome resulta de uma reação de hipersensibilidade devido à produção de anticorpos (imunoglobulinas E, ou IgE, e G, ou IgG) dirigidos contra determinados componentes da saliva do mosquito.

Reduzir a coceira

Existem muitos produtos no mercado e muitas receitas “caseiras” para reduzir a picada e a coceira associada. Estes incluem o uso de um pano embebido em água quente na mordida ou, inversamente, um cubo de gelo ou mesmo compressas alcoólicas e certos óleos essenciais.

Pomadas anti-histamínicas ou anti-histamínicos orais costumam ser muito eficazes. Pomadas à base de corticosteróides também são usados. Eles ajudam a reduzir a coceira e o inchaço resultantes da reação inflamatória.

Mas o principal problema da mordida não são as raras complicações ou o incômodo causado pela coceira, mesmo que o desconforto resultante seja inegável.

De fato, em alguns casos, o mosquito não vem sozinho. Dependendo das regiões do globo e das espécies consideradas, pode transportar parceiros incômodos, vírus ou parasitas mais ou menos perigosos para os seres humanos. Mas na hora da mordida, esses clandestinos podem entrar em nosso corpo.

Além das espinhas, o risco de infecção

O problema dos vírus transmitidos por artrópodes (arbovírus, do inglês ARthropod-BOrne VIRUSes) e, portanto, por insetos como mosquitos, não é novo. Mas se por muito tempo afetou principalmente as regiões tropicais e subtropicais, mudou-se e agora se instalou em nossas latitudes, ao mesmo tempo que os mosquitos vetores dessas doenças.

Com efeito, a distribuição geográfica de certas espécies de mosquitos, nomeadamente o mosquito tigre (Aedes albopictus), aumentou consideravelmente nas últimas décadas. Ontem confinada ao sudeste da Ásia, essa espécie invasora se espalhou por todo o planeta: hoje apenas a Antártica ainda está preservada desse mosquito e dos vírus que ele transmite, como Dengue, Zika ou Chikungunya. Consequência: casos autóctones de doenças virais transmitidas por mosquitos estão aumentando em novas latitudes, inclusive ao redor do Mediterrâneo francês.

Esses vírus podem ser perigosos. Depois de se replicarem na pele após a picada (principalmente após infecção de células imunes na pele), eles podem entrar na corrente sanguínea, de onde podem atingir vários órgãos. Fígado, baço, rins… Os órgãos afetados são numerosos. Mas o mais grave ocorre quando alguns desses vírus atingem o cérebro.

De fato, sendo o sistema imunológico naturalmente relativamente fraco, eles podem se multiplicar à vontade, se conseguirem atravessar as barreiras que protegem o cérebro, e induzir várias patologias graves: encefalite (inflamação do cérebro), meningite (meninges inflamatórias) ou meningoencefalite ( inflamação das meninges e do cérebro).

Proteja-se das picadas

A melhor maneira de evitar os inconvenientes e os riscos potenciais associados às picadas é garantir que o mosquito não consiga nos adicionar à longa lista de suas vítimas.

Além disso, evitar a mordida significa não apenas se proteger, mas também desacelerar o ciclo reprodutivo da fêmea, que terá que procurar uma nova vítima para botar seus ovos. No entanto, uma fêmea do mosquito sendo capaz de colocar várias centenas de ovos a cada postura, e as fêmeas de certas espécies serem capazes de realizar várias posturas durante sua vida (em torno de 5 em geral), o esforço não é insignificante!

Todas as precauções são, portanto, boas de tomar: roupas soltas e que cubram, mosquiteiros, repelentes... Devemos também garantir que eliminamos toda a água estagnada em nosso ambiente, que pode ser propícia à propagação de mosquitos, esvaziando os copos de flores vasos. , regadores, cobertura de recipientes de águas pluviais, etc.

Por outro lado, é absolutamente necessário evitar aparelhos parafarmacêuticos como “pulseiras repelentes de mosquitos”, porque esses acessórios são na melhor das hipóteses ineficazes, na pior das hipóteses, prejudiciais. ANSES (Agência Nacional de Segurança Alimentar, Ambiental e de Saúde Ocupacional) alertada em abril de 2020 sobre os riscos desses dispositivos, o que pode causar irritação ou queimaduras.

Por isso, é melhor privilegiar os bons e velhos métodos naturais, cuja eficácia foi comprovada, como as velas e outros mosquiteiros, que exalam aromas de citronela, gerânio ou lavanda... Os mosquitos são realmente muito sensíveis aos odores.

Observe também que a noção de "peles de mosquito" é justificada. De fato, os odores liberados pela nossa pele, bem como pelas bactérias que a colonizam (odores amplificados principalmente pela transpiração), tornam nossa epiderme mais ou menos atraente para os mosquitos. Portanto, não somos todos iguais quando se trata do risco de mordidas. Felizmente, os meios de prevenção e combate à sua propagação funcionam para todos!

Yannick Simonin, Virologista, palestrante em vigilância e estudo de doenças emergentes, Universidade de Montpellier et Sébastien Nisole, Investigador, Insermo

Este artigo foi republicado a partir de A Conversação sob licença Creative Commons. Leia oartigo original.

Crédito da imagem: Shutterstock.com/Witsawat.S

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.