Como as grandes empresas levam em conta as questões climáticas?

Em 4 de abril de 2022, o Grupo de Trabalho III do IPCC (Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas) publicou um novo relatório dedicada a soluções para reduzir as emissões de gases de efeito estufa. Baseia-se nas conclusões dos grupos de trabalho I e II que elaboram um inventário da crise climática e identificam os efeitos das alterações climáticas.

Neste último ponto, estabelece-se que os riscos ligados às alterações climáticas (físicos, transitórios, jurídicos) terão um impacto económico considerável nas empresas.

No entanto, estes últimos ainda possuem uma compreensão limitada desses riscos, o que dificulta seu campo de atuação em termos de transição ecológica.

Várias iniciativas foram então desenvolvidas para melhorar a informação sobre os riscos climáticos, como o estabelecimento de benchmarks para relatando voluntários extra-financeiros (o GRI, o CDP ouIIRC), ou a implementação do Grupo de Trabalho sobre Divulgações Financeiras Relativas ao Clima (TCFD).

O objetivo dessas iniciativas é duplo: estimular as empresas a divulgarem aos agentes financeiros informações sobre a natureza e intensidade dos riscos climáticos que pesam sobre suas atividades e identificar e avaliar as consequências ambientais de suas decisões estratégicas.

A montante, para que essas informações sejam transmitidas corretamente, é preciso implantar um modelo de governança corporativa eficaz. Seu objetivo: regular o poder dos órgãos de governo para que eles se envolvam efetivamente na transição ecológica.

Informação, no centro da relação entre investidores e gestores

As informações financeiras e extrafinanceiras geralmente são produzidas pela administração da empresa (alta gerência) e depois transmitida aos participantes no mercado (investidores), em particular aos acionistas, que podem tomar decisões informadas sobre os seus investimentos futuros.

Le alta gerência, que está diretamente envolvido no processo decisório, tem assim a mais insights sobre as estratégias da empresa do que qualquer outra parte interessada (incluindo investidores).

Essa vantagem informacional pode levá-lo a adotar um comportamento oportunista, suscetível de prejudicar os interesses dos demais parceiros.

Por exemplo, ele pode ser tentado a divulgar informações parciais e/ou tendenciosas, comunicando com mais vontade sobre as ações da empresa que são favoráveis ​​à transição ecológica enquanto oculta aquelas que são menos favoráveis ​​a ela.

Riscos relacionados à assimetria de informações

Para limitar tais riscos, a empresa deve ser capaz de construir um sistema eficaz de monitoramento e incentivo.

As grandes empresas podem, por exemplo, seguir “boas práticas” em termos de abertura dos conselhos (mais membros independentes, perfis mais diversificados de representação dos acionistas, etc.), de modo a exercer de forma eficaz e independente. seu poder de controlar a decisão.

A generalização de grupos de trabalho especializados na forma de comitês de “riscos”, “RSE”, “ética” ou “desenvolvimento sustentável” faz parte da mesma perspectiva.

Esses comitês ad hoc facilitar o deliberações sobre questões ambientais em particular, procurando identificar os riscos climáticos e estabelecer objetivos de transição e adaptação.

Constituídos por administradores não executivos nomeados pelo conselho de administração, trabalham independentemente do alta gerência e informar, por meio de sua opinião, as decisões tomadas pelo conselho para acelerar as respostas da empresa às demandas de sustentabilidade.

Existem também sistemas de incentivos alta gerência integrar efetivamente os riscos e oportunidades climáticas na estratégia de desenvolvimento de sua empresa. Estes podem ser monetários e não monetários.

Por exemplo, a remuneração dos executivos seniores pode incluir uma parcela variável de curto e/ou longo prazo, dependendo do desempenho extrafinanceiro e dos critérios de sustentabilidade.

Práticas formais e informais de motivação (benefícios em espécie, oportunidades de enraizamento, proposta de responsabilidades diferenciadas, etc.) para gestores que estão empenhando ativamente sua empresa no caminho da transição ecológica também podem contribuir para alinhar os interesses de alta gerência sobre as expectativas dos acionistas e investidores.

Levando em consideração as questões climáticas no modelo de governança

Quando estudamos esses dispositivos de governança corporativa no SBF120 (ou seja, as 120 maiores capitalizações bolsistas francesas), notamos que em 2019, dentro do alta gerência, os cargos ou comitês de gestão responsáveis ​​pelas questões climáticas são: o Diretor de sustentabilidade (CSO, 53,42%), o Chief Executive Officer (CEO, 26,03%) e o Comitê de Sustentabilidade (SC, 19,18%).

Esses atores são responsáveis ​​tanto pela avaliação quanto pela gestão dos riscos climáticos, revelando assim a indissociabilidade dessas funções para manter um ótimo fluxo de informações e, assim, aprimorar o processo de tomada de decisão.

Além disso, dentro do conselho de administração, o CSO (53,42%) e o CEO (26,03%) também são os dois principais atores responsáveis ​​pelas questões climáticas.

O Conselho é informado das decisões do alta gerência com bastante regularidade, 4 vezes por ano (49,32%).

No que diz respeito aos grupos de trabalho especializados, 2/3 dos conselhos de administração têm uma comissão dedicada, total ou parcialmente, à RSE (em comparação com 47% no Reino Unido e 8% na Alemanha). A inclusão do meio ambiente e do clima nas questões do conselho é ainda mais difusa e duradoura quando consideramos os comitês com nomes semelhantes que mencionam desenvolvimento sustentável, ética, meio ambiente, compliance etc.

No sentido de incentivar a alta gerência, verifica-se que as empresas optaram em grande parte pelo estabelecimento de incentivos monetários (95,89%) e em menor grau (34,25%) por incentivos não monetários.

Esses resultados levantam dois obstáculos a serem superados se as empresas desejam integrar efetivamente os riscos climáticos em sua estratégia de desenvolvimento de longo prazo: a combinação de funções e a falta de dados.

Combinação de funções desfavoráveis ​​à transparência climática

Os atores responsáveis ​​pelo clima nas empresas francesas são, em sua maioria, membros da alta gerência que muitas vezes combinam o status de administrador.

Mas como esses funcionários podem monitorar com imparcialidade a estratégia climática que eles mesmos estão implementando, quando não são necessariamente especialistas no assunto?

A empresa pode lutar contra esse risco de oportunismo, garantindo separação clara e transparente de funções.

Por um lado, o alta gerência só poderia definir e operacionalizar a estratégia climática e a gestão de riscos climáticos.

Suas missões específicas seriam, portanto, propor metas de redução de emissões de GEE para as atividades operadas pela empresa dentro de um determinado prazo, analisar possíveis cenários de transição para atingir essas metas, propor a intensidade carbônica dos produtos energéticos utilizados pelos clientes da empresa, estimular iniciativas de investimento em novas tecnologias capazes de reduzir as emissões de CO2 ou solicitar um diagnóstico da pegada de carbono da atividade da empresa.

Por outro lado, os administradores controlariam as decisões implementadas, com as prerrogativas específicas de validar a implementação do relatando alterações climáticas e monitorizar a informação que contém, votando a introdução de um preço interno do carbono nas atividades da empresa ou mesmo determinando e revisando, se necessário, a meta de desempenho climático da empresa para determinado.

Seguindo essa lógica, um conselho de administração e/ou conselho fiscal composto por membros independentes e especialistas em clima limitaria a assimetria de informações e constituiria um contrapeso efetivo à alta gerência da empresa no processo decisório sobre questões climáticas.

A falta de dados de desempenho climático

Os regimes de incentivos da alta gerência são prevalentes no SBF120 mas sofrem com a falta de dados suficientes e confiáveis.

Em particular, os dados sobre o clima são escassos: a relatando a mudança é uma prática recente, na maioria das vezes voluntária.

Os dados também são heterogêneos e, portanto, pouco comparáveis, devido à dificuldade de avaliar os diferentes tipos de emissões de gases de efeito estufa e à falta de consenso sobre as metodologias utilizadas para calculá-los.

Portanto, é necessário especificar o conteúdo da informação que se espera melhorar sua relevância, qualidade e comparabilidade, e fazer dessa informação uma ferramenta de gestão para a transição de baixo carbono.

Este é justamente o objetivo do Diretiva Europeia 2014/95/UE sobre o relatando extra-financeiro e da regulamento sobre a taxonomia das atividades verdes (que entra em vigor em 2022).

O projecto da Comissão Europeia para criar um Normatizadora extrafinanceira europeia em 2025 vai ainda mais longe. Visa uniformizar os processos de recolha e tratamento da informação (verificação da informação por terceiros independentes e sanções em caso de incumprimento).

Tantos textos comunitários que contribuem para melhorar a integração dos riscos climáticos na governança corporativa.

Cecile Cézanne, Professor-HDR em economia, Universidade Côte d'Azur et Sandra Rigot, Professor de Economia, associado à Cátedra “Energia e Prosperidade”, Sorbonne Paris North University

Este artigo foi republicado a partir de A Conversação sob licença Creative Commons. Leia oartigo original.

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.