Como a fé pode nos ajudar a definir nossa feminilidade?

Mãe de cinco filhos, Anne Merlot exerce um ministério de ensino e acompanhamento no movimento carismático pela unidade dos cristãos. Ela também acompanha pessoas em busca de restauração em sua identidade cristã. Ela co-fundou um movimento a favor das mulheres, o curso Nova Véspera, e é autora de Cinco Livros. Ela trabalha com grupos de mães solteiras ou solteiras.

Conheça Anne Merlot em www.asonimage.net

A identidade feminina é inata ou adquirida?

Direi que é inato, mas também é adquirido. O ambiente pode ajudar a desenvolver ainda mais um lado masculino ou feminino, de acordo com nossos pais, a educação recebida, nossos modelos na primeira infância. Em sua essência, a identidade feminina vem da imagem de Deus, que todos nós refletimos. Mas esta imagem foi quebrada pelo pecado. Quando pedimos perdão a Deus por nossos pecados, Ele permite que coisas quebradas sejam restauradas e nossa verdadeira identidade seja encontrada. Nossa identidade de gênero feminino deve ser reconhecida.

O que poderia dificultar a construção de sua identidade feminina em uma jovem?

Uma mulher pode achar difícil se aceitar se seus pais quiserem um menino. Algo inconsciente acontece: a menina vai desenvolver um lado masculino e recusar sua feminilidade para ser aceita e amada. Na verdade, o pai é importante porque contribui para a identidade sexual de seu filho. Uma palavra adequada que ele poderia dizer seria: “Você é linda. Que mulher linda você vai se tornar! " Isso permite que a menina compreenda sua identidade feminina e se orgulhe dela.

Também às vezes encontramos um modelo feminino deficiente na mãe. Pode ser em um “falso feminino” que torna a feminilidade odiosa, a ponto de o ódio pelo feminino se instalar através das gerações. A menina pode internalizar essa forma de misoginia e isso pode dificultar a construção de sua identidade feminina. A feminilidade às vezes também é considerada uma fraqueza, pois a mulher tem a peculiaridade de ser cíclica.

Qual é o verdadeiro feminino, então?

Vários aspectos da verdadeira mesa da feminilidade refletem o caráter de Deus: a busca pela beleza, por exemplo. Como Deus, as mulheres adoram ser admiradas. Mas esse aspecto pode ser sequestrado pelo pecado: a mulher atraente se torna uma sedutora. Deus também se define como misericordioso. Aqui está uma forma de amor que tem compaixão por sua progênie, suas criaturas. Também um amor que fala a verdade. À imagem de Deus, as mulheres também têm um papel protetor para aqueles que amam; ela é a guardiã da vida. Quando uma mulher se torna parte de uma falsa feminilidade, é a morte que se instala. O aborto é um exemplo.

Afinal, o que define a feminilidade não é apenas a aparência?

Não, mas a aparência ainda é importante. Quando percebi que não sabia o que significava “ser mulher”, perguntei a Deus. Ao abrir minha Bíblia, me deparei várias vezes: "Você é linda, minha amiga". Eu não suportava aquela palavra porque me sentia tão feia! Finalmente, comecei a descobrir que tinha coisas lindas em mim, que eu só tinha que fazer meu cabelo, me vestir de forma diferente, colocar um pouco de maquiagem e isso foi uma virada de jogo. Era como obedecer a Deus: “Você me fez mulher, quero muito ser e até ter orgulho disso”.
O que o torna feio é o pecado, autodepreciação, medos, estresse, etc. Marca muito no rosto, corpo de mulher. Mas uma luminosidade emerge do rosto de uma mulher que olha para Deus: "Quando nos voltamos para ele, irradiamos alegria", diz a Bíblia. Essa alegria é o que nos torna bonitos.

Como a fé pode ajudar?

Quando descobrimos Cristo, encontramos a nós mesmos. Ao mesmo tempo em que aprendemos o amor de Deus, descobrimos nossa identidade de filha de Deus. Ao descobrir esse status real e honrado, somos forçados a sair de nosso servilismo. Nosso olhar não está mais voltado para nós, nossos maridos, nossos parentes. A mulher que tem o olhar voltado para o seu Criador torna-se o espelho da feminilidade que está em Deus. Isso muda a vida! Uma mulher que recupera seu valor não se sente mais abandonada, mas é feliz e faz o bem com ela. Ela tem seu lugar ao lado do homem, um lugar reservado por Deus. Mas seu primeiro lugar é no coração de seu Pai Celestial.

Roleta Sandrine

Este artigo foi publicado em colaboração com Espiritualidade, a revista que reúne mulheres cristãs do mundo de língua francesa.

Conheça os demais artigos do dossiê “Espiritualidade e feminilidade”: 

Feminilidade à luz da Bíblia

Dossiê "Espiritualidade e feminilidade": Minha situação atual é adequada para mim? 

"Espiritualidade e feminilidade": cinco mulheres compartilham seu ponto de vista sobre a feminilidade, este "caminho de aprendizagem"

Testemunho de Célia que durante muito tempo recusou a sua feminilidade

Artigo publicado originalmente em junho de 2021.

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.