Comissões de reparação na Igreja Católica desafiadas a quebrar o “teto de vidro”

Cerca de 1.550 vítimas de violência sexual na Igreja Católica se dirigiram às duas comissões de reparação por um ano, um pequeno número que desafia seus líderes, desafiados a quebrar esse "teto de vidro".

Na quinta-feira, a Comissão de Reconhecimento e Reparação (CRR), que acompanha vítimas de violência sexual nas congregações católicas, anunciou que "450 pessoas foram reconhecidas e acompanhadas", pelos seus 25 comissários, durante a apresentação do seu primeiro ano de funcionamento. frente das vítimas e dos jornalistas.

Essa estrutura foi criada no final de 2021 após o relatório chocante da comissão de Jean-Marc Sauvé que revelou a extensão do pedocrime na Igreja Católica desde 1950.

Seu objetivo é registrar pedidos de reparação, financeiros ou não, de vítimas de agressores dentro de institutos ou congregações religiosas (vítimas de irmãos, irmãs, monges, freiras, etc.), para depois oferecer a mediação entre as duas partes.

“Minha principal dúvida diz respeito ao pequeno número de arquivos enviados ao CRR, em comparação com o potencial” de vítimas que foram avaliadas no relatório Sauvé, disse à AFP seu presidente, Antoine Garapon.

"Não conseguimos chegar às" vítimas "fora dos círculos ligados à Igreja ou ligados ao Ciase" (comissão Sauvé, nota do editor), acrescentou Véronique Margron, presidente do Corref (representando as freiras da congregação), pedindo "ir além disso teto de vidro".

Um dos desafios” para o ano de 2023 será “procurar vítimas”, assim sublinhou Antoine Garapon, “através de convocatórias de depoimentos”, ou “através da imprensa”.

Em nota à imprensa separada, também na quinta-feira, outra comissão também nascida após o relatório Sauvé, a Autoridade Nacional Independente de Reconhecimento e Reparação (Inirr), apresentou seu último relatório.

Esta estrutura, que se destina a vítimas de padres ou leigos em dioceses, estabelecimentos ou movimentos juvenis católicos, afirmou ter recebido 1.102 pedidos de indemnização no final de novembro e apoiar 260 pessoas.

Um número que "desafia" ainda que Jean-Marc Sauvé o ache "coerente"

Este número “causa-me e, a dada altura, teremos de ir buscar as vítimas”, disse à AFP a sua presidente, Marie Derain de Vaucresson.

Isso deve passar “por mais comunicação, movimentação e mobilização das redes de apoio às vítimas”, disse.

Várias vítimas que falaram destacaram o custo psicológico, para elas, de tomar tais medidas. E a falta de comunicação sobre a existência de comissões de reparação. "Temos que lutar. Cabe à vítima ser reconhecida”, testemunhou François Blondelle, vítima, de 10 a 12 anos, dos Irmãos Maristas do Colégio Saint-Nicolas de Lille.

Outra vítima, que havia registrado sua história nas celas de escuta de várias dioceses, disse que primeiro pensou que seu caso seria encaminhado automaticamente para uma das duas comissões, o que não é o caso. Ela finalmente deu o passo, foi ouvida e finalmente “reconhecida” pelo CRR, nesta quinta-feira.

Questionado pela AFP, Jean-Marc Sauvé avaliou que o número de processos recebidos pelas duas comissões era, pelo contrário, “muito consistente com o das pessoas que se dirigiram à Ciase (cerca de 2.750) no âmbito do apelo a testemunhos”.

“Muitas pessoas que falaram com o Ciase não queriam necessariamente ter o reconhecimento pessoal de seu sofrimento (obtiveram-no do Ciase) e muito menos uma compensação financeira”, acrescentou.

A sua comissão realizou vários trabalhos: primeiro lançou um apelo a testemunhos (por telefone, internet ou correio), ao qual responderam 2.750 pessoas.

E ela havia feito um levantamento que estimava em cerca de 330.000 o número de vítimas de padres, diáconos, religiosos ou pessoas ligadas à Igreja (professores, supervisores, etc.) durante 70 anos, agredidos quando eram menores.

O Conselho Editorial (com AFP)

Crédito da imagem: Shutterstock/John_Silver

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.