Com a seca, a guerra da água começou

Roubos de água, campos irrigados apesar das proibições, piscinas privadas de difícil controle... A falta de água, há muito vista como um recurso inesgotável na França, agrava as tensões.

"Este ano é realmente excepcional", observa um especialista do setor de água que pediu anonimato. No sudeste da França, onde opera, os conflitos pela água não são novos. Mas "hoje, é exacerbado", diz ele.

Em meados de julho, 400 m3 de água destinada ao combate a incêndios foram roubados de uma bacia de retenção em Ardèche, departamento em seca de “vigilância reforçada”.

O culpado ? Um clube de motocross vizinho, que veio bombear "para abastecer (sua) reserva de incêndio e a segurança do estacionamento como parte da organização de um festival", explicou à AFP seu vice-presidente, Roger Kappel.

"Esta água para mim é um bem público", justifica. “Reconhecemos que realmente não tínhamos o direito de fazê-lo” e a água foi devolvida.

"É a primeira vez que nos acontece", assegura o presidente da Comunidade de comunas da Bacia d'Aubenas, Max Tourvieilhe. “É perigoso (…) há meses que não cai uma gota de água, o prefeito está a pedir-nos que reduzamos o consumo de água (…) e além disso nos permitimos recuperar 400 m3 de água para uso privado? Não, isso não é possível! ele troveja.

Em Charente-Maritime, alguns agricultores irrigam suas plantações, ignorando as limitações, protesta a ONG France Nature Environnement (FNE).

"Uma minoria de agricultores desrespeita as ordens de proibição de rega e põe em perigo um recurso precioso, um bem comum, a água", denuncia, baseando-se numa carta da associação de regadores de Poitou-Charentes.

Jouer le Jeu

A França metropolitana está passando por uma seca histórica, um sinal de mudança climática. Apenas 9,7 milímetros de chuva caíram em julho, um déficit pluviométrico de cerca de 84% em relação ao normal para o período 1991-2020, segundo a Météo-France.

"Descobrimos que essa água que pensávamos inesgotável é rara, ficará cada vez mais rara em certas épocas do ano e teremos que compartilhá-la", comenta Thierry Burlot, presidente do comitê da bacia Loire-Bretagne, sobre France Culture .

Todos os departamentos da França continental estão em alerta de seca, com 22 departamentos em alerta máximo e 68 em crise.

Em caso de escassez de água, existem quatro níveis: vigilância, alerta, alerta intensificado, crise, com restrições cada vez mais rigorosas, que atingem indivíduos, agricultores e industriais.

“Queremos reduzir as retiradas para que haja menos pressão das atividades humanas e manter água suficiente para os usos mais importantes” (água potável, saneamento, saúde, segurança), explica à AFP Agnès Ducharne, pesquisadora do CNRS.

Mas “estamos no osso em termos de recursos hídricos: o bolo está diminuindo, os conflitos estão se aguçando e, portanto, isso levanta a questão da legitimidade dos usos, (…) do tratamento justo entre os grupos sociais”, analisa Sylvain Barone, pesquisador do o Instituto Nacional de Pesquisas em Agricultura, Alimentação e Meio Ambiente (Inrae), sobre Cultura da França.

Em termos concretos, como explicar a um idoso que não pode regar a sua horta durante o dia, quando fazem parte dos campos de golfe e de futebol? pergunta o especialista no setor da água.

Ele cita ainda as piscinas privadas de residências abastadas na costa da Provence-Alpes-Côte d'Azur, de difícil controle e cujos proprietários "não se importam com a conta de água", ou municípios turísticos à beira-mar, anexados a seus canteiros de flores, quando pequenas aldeias do interior "jogam o jogo".

"Devemos garantir que os maiores consumidores façam os maiores esforços", defende.

Perante uma água que se tornou uma mercadoria cada vez mais rara, "isso vai exigir compromissos", assim como a gestão da água "durante todo o ano" e não mais apenas no verão durante a escassez, defende Thierry Burlot.

O Conselho Editorial (com AFP)

Crédito da imagem: Shutterstock.com / Photoagriculture

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.