ONU: XNUMX milhões de pessoas em escravidão moderna em todo o mundo

A escravidão moderna progrediu em todo o mundo nos últimos anos, impulsionada principalmente pela pandemia, com quase 50 milhões de pessoas forçadas a trabalhar ou se casar no ano passado, disse a ONU nesta segunda-feira.

A ONU quer erradicar esse flagelo até 2030, mas no ano passado 10 milhões de pessoas a mais estavam em situação de escravidão moderna do que as estimativas globais para 2016, segundo o último relatório publicado pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) e pela Organização Internacional para Migração (IOM) – duas agências da ONU – com a ONG Walk Free Foundation.

Dos 50 milhões de escravos modernos, cerca de 27,6 milhões eram pessoas submetidas a trabalhos forçados e 22 milhões eram pessoas casadas contra sua vontade.

Mulheres e meninas representam mais de dois terços das pessoas forçadas ao casamento e quase quatro em cada cinco delas em situação de exploração sexual comercial, segundo o relatório. No total, representam 54% dos casos de escravidão moderna.

A pandemia – que causou deterioração das condições de trabalho e aumento do endividamento dos trabalhadores – fortaleceu as fontes da escravidão moderna em todas as suas formas.

Nos últimos anos, explica o relatório, a multiplicação de crises – a pandemia, mas também os conflitos armados e as mudanças climáticas – causaram rupturas sem precedentes no emprego e na educação, o agravamento da pobreza extrema, a multiplicação de migrações forçadas e perigosas, a explosão de casos da violência de gênero. Tudo isso contribui para aumentar o risco da escravidão moderna.

Em todo o mundo, quase uma em cada 150 pessoas é considerada um escravo moderno.

Esses dados – que vêm principalmente de pesquisas domiciliares com representatividade nacional – também indicam que as situações de escravidão moderna não são de forma alguma transitórias, mas duram anos.

Num comunicado de imprensa, o Director-Geral da OIT, Guy Ryder, considera "chocante que a situação da escravatura moderna não esteja a melhorar" e apela aos governos, mas também aos sindicatos, organizações patronais, sociedade civil e pessoas comuns para que combatam "esta violação fundamental dos direitos humanos".

O relatório propõe uma série de ações. Isso inclui melhorar e fazer cumprir as leis e inspeções trabalhistas, acabar com o trabalho forçado imposto pelo Estado, expandir as proteções sociais e fortalecer as proteções legais, inclusive aumentando a idade legal do casamento para 18 anos sem exceção.

Em cada país

Mulheres e crianças permanecem desproporcionalmente vulneráveis. Assim, quase um em cada oito trabalhadores forçados é uma criança e mais da metade deles são vítimas de exploração sexual comercial.

Os trabalhadores migrantes são mais de três vezes mais propensos a serem submetidos a trabalho forçado do que os trabalhadores adultos não migrantes.

Antonio Vitorino, Diretor Geral da OIM, pede que toda migração “seja segura, ordenada e regular”.

“Reduzir a vulnerabilidade dos migrantes ao trabalho forçado e ao tráfico de pessoas depende, acima de tudo, de políticas nacionais e estruturas legais que respeitem, protejam e cumpram os direitos humanos e liberdades fundamentais de todos os migrantes”, diz ele.

A escravidão moderna está presente em quase todos os países do mundo. Mais da metade (52%) de todos os casos de trabalho forçado e um quarto de todos os casamentos forçados ocorrem em países de renda média alta ou alta.

O casamento forçado aumentou nos últimos anos, um aumento de 6,6 milhões desde a estimativa global de 2016.

O relatório também revela que o número de pessoas em trabalho forçado aumentou em 2,7 milhões entre 2016 e 2021, um aumento exclusivamente devido ao trabalho forçado na economia privada, tanto na exploração sexual comercial quanto em outros setores.

A Ásia e o Pacífico abrigam mais da metade do total mundial de trabalhadores forçados. O relatório destaca em particular que vários órgãos da ONU levantaram preocupações sobre o trabalho forçado na China, inclusive em Xinjiang.

A este respeito, o relatório sublinha que a China depositou em 12 de agosto os instrumentos de ratificação das duas convenções fundamentais da OIT sobre o trabalho forçado, o que "cria um novo impulso à cooperação com o governo e os parceiros sociais no sentido de monitorizar estes questões (e) para combater o trabalho forçado”.

O Conselho Editorial (com AFP)

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.